domingo, Novembro 06, 2005

A Opus Dei e a candidatura de Cavaco Silva...

O que é a Opus Dei?
Segundo as suas próprias palavras é "uma prelatura pessoal da Igreja católica. Foi fundado em Madrid no dia 2 de Outubro de 1928 pelo Beato Josemaría Escrivá de Balaguer. Actualmente, fazem parte da Prelatura cerca de 80 000 pessoas dos cinco continentes. A sede – com a igreja prelatícia – situa-se em Roma".

Esta e também segundo as suas palavras "faculta formação espiritual e atendimento pastoral aos seus próprios fiéis e também a muitas outras pessoas" e "através desse atendimento pastoral, as pessoas são estimuladas a levar à prática os ensinamentos do Evangelho, mediante o exercício das virtudes cristãs e a santificação do trabalho. Santificar o trabalho significa, para os fiéis da Prelatura, trabalhar segundo o espírito de Jesus Cristo: realizar as suas tarefas com perfeição, para dar glória a Deus e servir os outros, e deste modo contribuir para santificar o mundo, tornando presente o espírito do Evangelho em todas as actividades e realidades temporais" levando os seus integrantes a ter como objectivos finais e que "realizam pessoalmente a sua tarefa evangelizadora nos vários âmbitos da sociedade em que estão inseridos. Por conseguinte, o trabalho que levam a cabo não se limita a um campo específico, como a educação, o cuidado de doentes ou a ajuda a deficientes. A Prelatura propõe-se recordar que todos os cristãos, seja qual for a actividade secular a que se dediquem, devem cooperar na solução cristã dos problemas da sociedade e dar testemunho constante da sua fé".

Os seus membros e as suas categorias:
Os seus membros são segundo estes pessoas que solicitam a sua incorporação no Opus Dei "quem é movido por uma chamada divina, que é uma determinação específica da vocação cristã recebida com o baptismo e que leva a procurar a santidade e a participar na missão da Igreja segundo o espírito que o Senhor inspirou ao Beato Josemaría", é obvio que é uma versão cor de rosa, pois sabe-se muito bem que os abordam em vários locais, sendo que a Universidade Católica Portuguesa (em todos os seus pólos) é a maior fonte de recrutamentos, com professores a realizarem conferências que servem para fazer os recrutamentos de forma aberta para os retiros espirituais e encontros promovidos pela Opus Dei, dando-se por esses meios "a incorporação formal na Prelatura" sendo que esta se realiza "mediante uma convenção bilateral que estipula os compromissos mutuamente assumidos pelo interessado e pela Prelatura", segundo estes através de acesso livre, mas estabelecendo uma comparação com os dados que dispomos dos seus 4.000 membros em Portugal, vemos que nenhum vive mal ao ponto da representação portuguesa ter estado em peso na Beatificação e posterior Santificação de São Josemaria Escrivá.

O site da Opus Dei que é a fonte de onde tirei estas citações começa a referir que "no Opus Dei não há diferentes categorias de membros, mas sim um único e idêntico fenómeno vocacional pelo qual todos os fiéis da Prelatura são e sentem-se, em igual grau, membros de uma mesma porção do Povo de Deus. Existem, apenas, modos diversos de viver uma mesma vocação cristã, consoante as circunstâncias pessoais de cada um: solteiros ou casados, saudáveis ou doentes, etc..." logo de seguida começa-se a referir as seguintes categorias de membros, tal é a coerência demonstrada, assim temos que "a maioria dos fiéis do Opus Dei são os membros supranumerários: o mais frequente é que sejam mulheres ou homens casados, para quem a santificação dos deveres familiares faz parte primordial da sua vida cristã. Os supranumerários são actualmente cerca de 70% do total de membros do Opus Dei", em Portugal são conhecidos como membros supranumerários: Narana Coissoró, João Rebelo, General Ramalho Eanes, Manuela Eanes, Assunção Jardim Gonçalves, Smitá Coissoró, Paulo Teixeira Pinto, Afonso Braga da Cruz, e António Lobo Xavier de entre outros.

Depois desta categoria segundo e o mesmo site "os restantes fiéis da Prelatura são homens ou mulheres que se comprometem a viver o celibato, por motivos apostólicos. Alguns vivem com as suas famílias, ou onde mais lhes convier por razões profissionais: são os agregados da Prelatura", conhecemos vários agregados de entre outros: Jorge Jardim Gonçalves e Bagão Félix.

Dentro dos leigos existe um nova categoria de associados a que "as circunstâncias permitem-lhes permanecer plenamente disponíveis para se encarregarem dos trabalhos apostólicos e da formação dos outros fiéis da Prelatura: são os numerários, que habitualmente podem viver em centros do Opus Dei" tendo estes criadas que são "as numerárias auxiliares" que se dedicam ”principalmente aos trabalhos domésticos das sedes dos centros da Prelatura, como sua actividade profissional habitual", vemos neste aspecto que as mulheres nesta categoria mais avançada de santificação servem essencialmente para servas, sobre os numerários apenas conheço um publicamente nesta categoria, de seu nome, João Bosco Mota Amaral, que foi só Presidente da Assembleia da Republica.

Por fim como prelatura católica tem um "clero da Prelatura" que "provém dos fiéis leigos do Opus Dei: numerários e agregados que, livremente dispostos a ser sacerdotes, após vários anos de pertença à Prelatura e tendo realizado os estudos prévios ao sacerdócio, são convidados pelo Prelado a receber as sagradas ordens. O seu ministério pastoral realiza-se principalmente ao serviço dos fiéis da Prelatura e das actividades apostólicas promovidas por eles", os mesmos filiam-se numa congregação chamada de Sociedade Sacerdotal de Santa Cruz, que ao contrário do que se julga não tem só membros provenientes ipso facto da Opus Dei, como estes até acabam por reconhecer, mas alguns Cardeais, Bispos e Arcebispos, que numa primeira fase não tiveram nada a ver com a Prelatura, em Portugal temos ou tivemos como membros conhecidos o antigo Bispo de Leiria-Fátima, D. Serafim Ferreira da Silva (já falecido), para além do Arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, do Bispo do Funchal, Teodoro Faria e do Bispo de Lamego, Jacinto Batalha.

A vida na Obra.

Não falarei do que não investiguei, deixo-vos com palavras mais doutas e balizadas em várias fontes de um trabalho de João Pedro Ferro publicado na "Rebeldia – Revista Cultural e de Intervenção Cívica", (no seu nº 2, Grémio Rebeldia, Lisboa, Maio 1988) sobre a Opus Dei.

As ligações à candidatura de Cavaco Silva.
A sua Comissão de Honra é toda esta composta por nomes aqui referidos e a maioria do seu apoio financeiro vem de pessoas ligadas a esta área, como Jorge Jardim Gonçalves. Será que é preciso ser mais explicito!!!

Há ainda outra curiosa relação entre este sector extremista católico e os muçulmanos, como se viu na ultima Cimeira sobre População e Desenvolvimento em Bangkok organizada pela O.N.U. em 2002, e que é uma das características da Opus Dei em momentos em que procura aliados para “batalhas”que se aproximam, como as da Interrupção Voluntária de Gravidez (nas quais as duas religiões tem opiniões comuns na sua generalidade), o facto de o líder da Comunidade Islâmica de Portugal o Dr. Abdool Karim Vakil ser o número dois da Comissão de Honra referida.
P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

1 comentário:

Willespie disse...

Acrescenta também o António Guterres à lista se faz favor.

Pesquisar neste blogue

A carregar...