sexta-feira, outubro 31, 2008

Same Sex Marriage and Proposal 8

Na próxima terça-feira, além dos lugares políticos (Presidente, Senado e Congresso) nos Estados Unidos, haverá muitas mais eleições. Uma das mais curiosas (e interessantes) é a Proposal 8, na Califórnia, que visa banir o casamento de pessoas do mesmo sexo naquele estado.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal, na Califórnia, desde Março último (salvo erro). Desde então até agora, foram celebrados mais de 11000 casamentos. Os grupos conservadores daquele estado conseguiram, através dos meios legais necessários, pôr a referendo esta decisão do governo estadual californiano. É a famosa Proposal 8.

É mais uma eleição a ter sobre observação.

P.S. - Sobre este tema podem ler mais aqui. A última sondagem que encontrei está aqui (estava estatísticamente empatado).

sexta-feira, outubro 24, 2008

Video Censurado...

Video dos Gato Fedorento censurado... Como sou a favor da liberdade de expressão, mas também a favor da critica, que esta forma de critica á Demagogia e falta de cultura e respeito de "alguns" politicos, não exactamente o nosso primeiro, não seja "amordaçada"...

Há que saber ter alguma capacidade de humor e arte... Seja ela qual for...

ps - O facto de eles terem ido para a Sic quererá dizer alguma coisa? Que acham?

quinta-feira, outubro 23, 2008

"E então os paraísos fiscais?" Afinal, não estou a bradar sózinha. Há um bardo que podemos seguir!





Le président du PSE Poul Nyrup Rasmussen a lancé un appel à l'OCDE afin que cette dernière encourage les gouvernements qui ont utilisé l'argent des contribuables pour sauver les marchés financiers à mener un effort international afin de mettre fin à l'évitement fiscal de la part des institutions financières. Poul Nyrup Rasmussen a déclaré: “La réforme de l'architecture financière internationale doit entre autres prévoir la fermeture des paradis fiscaux.” Pour en savoir plus:


What can we do to tackle the financial crisis?

On the 15th of October the PES organized a Prime Ministers’ meeting, prior to the EU Summit. Yourspace met Sergei Stanishev, Prime Minister of Bulgaria, Wouter Bos, Minister of Finances and deputy Prime Minister of the Netherlands, and Alfred Gusenbauer, Austrian Chancellor, and recorded their comments on the current financial crisis – what is behind it and how can socialists and social democrats tackle the crisis. Check the videos out and share your opinion on Yourspace.

Interview with Sergei Stanishev - Prime Minister, Bulgaria


Interview with Alfred Gusenbauer - Austrian Chancellor


Interview with Wouter Bos - Minister of Finances, Netherlands

Lideres Europeus à procura de solução para a crise

Uma vez mais: "Trabalhadores e Empregados"

Ao princípio era: "Trabalhadores de Todo o Mundo, Uni-vos!".

E muitos trabalhadores lutaram e muito, desde Chicago e de outros lugares, por se tornarem Empregados. Felizmente conseguiram. Deixaram de ser Descartáveis. Estavamos nos finais do século passado.

Os tempos foram mudando; a casca da fórmula manteve-se per seculo seculorum. O miolo mudou, contendo apenas os Empregados. Os Trabalhadores resvalaram pela borda fora da casca, da fórmula e da vida real.

São os intermitentes das artes do espectáculo, artistas variadíssimos, gente que trabalha nas artes por conta própria, a sós ou em micro-empresas, tradutores, cientistas, investigadores, pequenos editores, pequeníssimos livreiros e muitos, muitos outros. Quando não há trabalho, são descartados do mercado. Sejam pco (os intermitentes) ou pcp (os micro-empresários). Os primeiros terão, ainda assim, direitos garantidos no que ao Desemprego respeita, os últimos não têm qualquer direito. São largados no monte da "mão-de-obra excedentária". "Mão-de-obra" que é outro conceito a reformular, pois tem a sua génese em processos laborais tayloristas. Os trabalhadores de campos artísticos, científicos e literários não são mão-de-obra mas cabeça-e-mão-de-obra. That´s not the same. Não é taylorismo.

E, afinal, o que, hoje, é um Trabalhador? Uma sociedade que pretende ser criativa, só é capaz de garantir direitos a Empregados, ie, a quem executa as criações alheias? Ou a quem cria dentro de um enquadramento organizacional, vulgo Empresas De Grandes Dimensões? E os que criam porque criam, porque sim, porque arriscam, porque são deveras criativos (nas artes, nas ciências e nas letras) e empreendedores? Estes não têm garantias de coisa alguma. São todos artistas de circo. Sem rede.

Por isso não reajo nada positivamente a contestações, marchas e manifestações de Empregados (funcionários públicos, professores, etc) que, por mimetismos com 3 décadas, tomam as ruas da cidade, auto-designando-se "Trabalhadores", tomando o Lugar dos Trabalhadores, conquistando a Agora, eles que são apenas uma fatia dos Trabalhadores. Pode alguém falar em nome de alguém?

Estou há muito do lado dos artistas de circo. Sem rede. Afinal, como intelectual e criativa, tenho, de momento, um rendimento seguro provindo dos dinheiros públicos - leia-se nossos de todos nós; no futuro serei, provavelmente, mais uma intelectual artista de circo sem rede.


A fórmula do princípio está, de novo, por cumprir.

quarta-feira, outubro 22, 2008

A Eleição para o Senado.

(Um)A (das) Outra(s) Corrida(s) do Momento

Eu questiono. Empregado pco ou Trabalhador pcp?

Dentro destas paredes - que o não são - quero apontar um problema actual, da sociedade portuguesa, que está por resolver.

Trata-se da dupla "ficar sem emprego" ou "ficar sem trabalho". Passo a explicar. Um trabalhador pco (por conta de outrém) que fique sem emprego tem direito, e muito bem, a subsídio de desemprego. Um trabalhador pcp (por conta própria) fica sem trabalho e tem direito a NADA, se for sócio gerente da sua própria empresa.

Se olharmos para o nosso tecido empresarial, são cada vez em maior número as pequenas empresas. Porque, não havendo postos de trabalho, as pessoas empreendedoras criam-nos, por entre sarilhos e levam-nas em frente, por entre cadilhos. Naturalmente também as querem gerir (são suas "filhas") e pagam todos os impostos: IRC, IRS, Segurança Social, etc. Se acontece um período de vacas magras arcam com os prejuízos e com as indemnizações aos trabalhadores pco, o que é normal. Mas, não obstante terem trabalhado, não têm direito a qualquer migalha de subsídio de desemprego. Claro, o subsídio deveria chamar-se subsídio de falta de trabalho ou de destrabalho. A sua inexistência pode causar muito destrambelho, individual, familiar e social.

Diz-se que a origem desta injustiça se situa nas falências fraudulentas. Não é verdade. Temos muitos subsídios de desemprego fraudulentos e, no entanto, não se acaba - felizmente - com os ditos. Situa-se, isso sim, na ausência de análise das mudanças sociais e na quietude de um povo que prefere viver "por conta de outrém".

Camarada José Reis, que estás aí no coração da Europa e do Socialismo, ouves-me? Então, por favor, reflecte no que eu acabo de dizer.

Fico a aguardar muitos feed-backs a esta questão, de Camaradas de Portugal e da Europa. Sei que incomodo mas não posso deixar de o fazer. A minha consciência de cidadã prevalece.

Até sempre, Camaradas.
Vera Santana

sábado, outubro 18, 2008

Explicação de diferentes métodos estatísticos para as sondagens

Coaching e PNL. O homem unidimensional?

« [...] O Congresso irá abordar a utilização das ferramentas do Coaching e da Programação Neurolinguistica (PNL) no mundo organizacional.

Os padrões de excelência estão em constante mudança, as empresas enfrentam um mercado cada vez mais competitivo é necessário que as organizações aprendam com seus próprios erros e se adaptem.

Muitas organizações em todo o mundo estão a usar o Coaching e a Programação Neurolinguística, como instrumentos de gestão da mudança sustentável, proporcionando a obtenção de equipas de alta performance, que actuam em função dos objectivos esperados e que se adaptam facilmente às exigências do mercado.

O Coaching tem seguido um caminho paralelo ao da PNL, nos últimos quinze anos a partir do sucesso do Coaching desportivo e com forte influência dos treinadores junto dos atletas, vários principios de trabalho em equipa, motivação, liderança foram absorvidos para a área organizacional e também, para a área pessoal.

Quanto à PNL é uma abordagem pragmática, voltada para resultados e que utiliza técnicas de linguística, psicologia, teoria dos sistemas, cibernética e hipnose para obter mudanças rápidas no indivíduo e também nas organizações.

Venha interagir com profissionais experientes e conhecer as técnicas de utilização do Coaching e PNL

DESTINATÁRIOS

Este Congresso é dirigido a:
Directores, Chefias, Responsáveis e Técnicos de Recursos Humanos, Responsáveis de desenvolvimento Organizacional, Consultores, Coaches, Formadores e a todos os que tiverem interesse pelas temáticas apresentadas


*********

Sugiro que iniciemos uma reflexão, neste blog, sobre o tema em questão, objecto de Congresso (a realizar em Lisboa, em Outubro de 2008).

sexta-feira, outubro 17, 2008

A BELEZA NO DESESPERO

Outro video intenso à consciência...

A pressão que os media exercem sobre a dita beleza...

Al Smith Dinner

John McCain:



Barack Obama:

Washington Post endorces Barack Obama

Mr. Obama's temperament is unlike anything we've seen on the national stage in many years. He is deliberate but not indecisive; eloquent but a master of substance and detail; preternaturally confident but eager to hear opposing points of view. He has inspired millions of voters of diverse ages and races, no small thing in our often divided and cynical country. We think he is the right man for a perilous moment.

Um jornal tendencialmente conservador (por oposição ao New York Times) é sempre uma boa notícia.

Não é, mas quase que se pode dizer que é admirador!

Joe the Plumber

Através do Carlos Santos, n'O Valor das Ideias, vim a saber disto sobre Joe The Plumber.

Elucidativo...

Twilight Zone?

Dêem uma vista de olhos aqui. E tentem abrir a porta do lado direito três vezes e guardem o telefone vermelho para último...

"Oil Prices Slip Below $70 a Barrel"

Achei que devia partinhar isto com vocês, para imaginarem como era (mais) barata o combustível da próxima vez que forem a um posto de abastecimento...

"Oil prices dropped below $70 a barrel for the first time in 14 months Thursday, prompting the OPEC cartel to call for an emergency meeting next week to establish some stability in prices that have plummeted recently after rising for months."

quinta-feira, outubro 16, 2008

The Last Debate

Decision Time

Desta vez, o McCain ganhou. Em directo, completamente fresco do debate, antes de ter uma boa noite de sono, e enquanto apoiante do Obama, este debate foi ganho pelo McCain. Senão tivesse havido mais 2 debates, senão houvesse o pormenor da Sarah Palin e se eu realmente votasse nestas eleições, não sei em quem é que votaria.
Parece que os comentadores não concordam comigo, a sondagem da CNN também não, mas olhando de fora, este foi um debate em que se viu o piloto de aviões John McCain, e em que o professor Barack fez algumas aparições. É pena que este tenha sido o ultimo debate, se tivesse sido o primeiro teríamos tido uma campanha bastante mais transparente e bastante mais justa.
Apenas 2 situações do debate que merecem algum realce, o aparecimento da questão da interrupção voluntária da gravidez no debate, que foi uma situação nova e que mereceu o destaque que teve, principalmente devido á influencia que o Presidente dos EUA tem na escolha dos membros do tribunal constitucional; e algo que passou bastante despercebido, que foi a questão sobre os vice presidentes, em que cada um dos candidatos falou sobre o numero 2 do seu oponente, em que vimos o Obama elevar o debate e falar sobre o que a Sarah Palin tem de bom, e o McCain falou sobre as decisões erradas do Biden.
De facto, este foi um debate de clivagens, sobretudo ideológicas, não perdendo de vista a realidade do Joe Canalizador. Claramente o McCain esteve melhor neste debate do que nos outros 2, eu acho que esteve melhor que o Obama, mas acho também que já não vai a tempo. O Obama já tem uma vantagem demasiado grande, mas... "The game isn't over until the fat lady sings" Eu continuo a achar que a melhor escolha para a América e para o Mundo é o Barack Obama, vamos a ver o que os americanos decidem...

quarta-feira, outubro 15, 2008

DOCLISBOA

Amanhã começa o festival de cinema documental, o DocLisboa, podem saber mais aqui...









17 de Outubro - MANOEL DE OLIVEIRA NA CINEMATECA


A 17 de Outubro, às 21h30, Manoel de Oliveira apresenta na Cinemateca a sessão de abertura da retrospectiva integral "Todo Manoel de Oliveira: Cem Anos em Dois Meses", em que serão exibidos os seus primeiros filmes, "Douro, Faina Fluvial" (1931), primeira das suas obras, e Aniki Bobó (1942), a primeira longa-metragem, e ainda as menos conhecidas curtas-metragens "Hulha Branca" (1932) e "Portugal Já Faz Automóveis" (1938). O Ministro da Cultura estará igualmente presente na sessão.
Informações disponíveis na entrada "integral - Retrospectiva Manoel de Oliveira".

Petição pelo Bairro Alto

To:
Ao Sr. Presidente da Câmara Municipal de Lisboa,

Somos frequentadores, moradores e comerciantes do Bairro Alto, e estamos visivelmente satisfeitos com as decisões tomadas por V.Exa. relativas à limpeza das ruas deste bairro típico da cidade e à promoção da segurança nessas mesmas ruas.

Contudo, de forma alguma podemos concordar com a limitação do horário de funcionamento dos bares até às 2 horas da manhã.

O Bairro Alto, principalmente desde a chegada do Metropolitano à estação da Baixa-Chiado, tem-se tornado o espaço nocturno por excelência de Lisboa. Não só devido a esse facto, mas porque muitos e muitos cidadãos preferem aquelas ruas, aquele espaço, toda uma envolvência que o torna o espaço ideal da cidade para estar à vontade com os amigos, um espaço de alegria e diversão como nenhum outro, decididamente insubstituível.

É, para além disso, a zona de diversão nocturna mais procurada pelos estrangeiros que visitam Lisboa, onde podem jantar numa zona tão típica e também divertir-se.

Um encerramento dos bares às 2 horas vai proceder a um corte abrupto na tão animada vida nocturna do Bairro Alto. Os frequentadores dos bares, na sua grande maioria, não estão interessados em dirigir-se a qualquer discoteca, dentro ou fora do Bairro. A muitos não lhes agrada qualquer outra zona da cidade para sair à noite.

Aliás, a grande maioria das outras zonas de diversão nocturna, ou mesmo todas, estão ocupadas por espaços de filosofia totalmente diferente.

Não é também por acaso que moradores e comerciantes não concordam com tal medida. Os moradores sabem que muito do seu ganha-pão provém da actividade hoteleira ali exercida. E que a consequência prática da imposição desse horário de encerramento será inevitavelmente a perda brutal de receitas, transferidas para outras zonas da cidade ou mesmo para os hipermercados, pois se calhar muita gente passará a optar por festas em casa...

Por outro lado, essa medida é totalmente contraditória com o recente estabelecimento, através do Governo e da Carris, do serviço shuttle a ligar o Bairro Alto a Belém entre as 22.00 e as 5.00, bem como com o reforço da Rede da Madrugada nas noites de fim-de-semana e vésperas de feriado para intervalos de 30 minutos, medidas essas que representam um substancial incentivo ao uso do transporte público e à não utilização de automóvel para saídas nocturnas, e que como tal são sem dúvida merecedoras dos maiores elogios.

Não podemos deixar de ter em conta que o Bairro Alto é a zona de diversão nocturna mais bem situada da cidade em termos de transportes públicos, não só pela estação de metro Baixa-Chiado e pelos autocarros, designadamente o 202, como também por se encontrar muito próximo dos Restauradores, Rossio e Cais do Sodré. E não será certamente por acaso que a Carris escolheu o Cais do Sodré para terminal da grande maioria das carreiras da Rede da Madrugada.

Por fim, queremos alertar para os problemas de segurança que podem vir a verificar-se por consequência do novo horário. Não só uma saída em massa de pessoas à mesma hora de uma mesma zona pode causar problemas a vários níveis, designadamente por a possibilidade de ocorrência de rixas aumentar substancialmente (o que não acontece com o horário actual, atentas as características da zona, que leva a que as pessoas vão saindo aos poucos), como a diminuição do número de pessoas presentes pode levar a que certas áreas se tornem apenas frequentadas por indivíduos cuja presença em quase exclusivo se torne intimidadora para a generalidade dos cidadãos, facto que prejudicará em última análise e acima de tudo os comerciantes.

Por isso, Sr. Presidente, apelamos a que o horário de abertura dos bares no Bairro Alto se mantenha até às 4 horas, sendo que tal horário, como é certamente do seu conhecimento, apenas se efectiva aos fins-de-semana, pois durante a semana os bares fecham não depois das 2 horas.

Viva o Bairro Alto !

Com a mais elevada consideração,
Sincerely,
The Undersigned

(Quem concordar pode assinar aqui.)

Dois em um

Deixo este video aqui e aqui, para desejar ao Zé uma boa viagem.

Isto de escrever em vários blogs, às vezes, implica um pouco de repetição de posts.

Podem ler o artigo completo aqui.

Adeus, até ao meu regresso

«Eu vou para longe
para muito longe
Fazer-me ao mar
num dia negro
vou embarcar
num barco grego
falta-me o ar
falta-me o emprego
Para cá ficar!!!»
Recentemente tenho me recordado desta letra dos Xutos, uma das minhas preferidas («Barcos Gregos»). É que, como se pode adivinhar, vou-me ausentar por uns tempos, em virtude de ter aceite um desafio em Bruxelas, junto do Partido Socialista Europeu. Vou, então, partir - amanhã - com regresso marcado.
Talvez não tenha tanto tempo para aqui escrever (ou talvez tenha), mas decerto que virei com frequencia a estes lados. Tomem conta da Loja, meus car@s. E até breve.

terça-feira, outubro 14, 2008

OBAMA


Bom, confesso-vos que achei muita piada...
Um humor "negro" muito interessante, ou não?
Numa altura em que todos querem eleger Obama, talvez o mais esperado e mediático pacificador desta desorganização em que o capitalismo e a ganância de alguns, poucos, nos colocaram a todos...
Agora vamos ver se vence a razão, nossa ou deles...

TRADIÇÕES OU NÃO?

Enviado por uma amiga.

Um anuncio que nos faz pensar a todos que a nossa liberdade termina... Onde começa a dos outros...

Não que concorde exactamente com as premissas expostas, mas que me fez pensar em determinados pensamentos egoistas que por vezes me ocorrem... FEZ...

E se já descolou?

Perguntas, David, no teu último post "Porque não descola Obama?". E eu respondo-te: já descolou.

Tu referes uma notícia do DN, que dizes que se baseia no Real Clear Politics (na realidade não se baseia, pelo menos nos números da actualidade). É uma maneira de ver a coisa, principalmente se levarmos em consideração que a generalidade dos média portugueses estão, no mínimo, uma semana atrasados (se bem que no caso que apresentas, que estou a tomar conhecimento pelo teu post, devem estar quase um mês atrasados) não me parece um bom background para defender um argumento.


Em relação as grandes eleitores, temos os seguintes cenários:

Ao nível das sondagens nacionais, que valem o que valem nos EUA, em nenhuma delas (das credíveis) Obama está com menos de 5% de vantagem. A Gallup (provavelmente a empresa mais credível) dá 10% de vantagem.

Nenhum dos estados em competição actualmente é um estado ganho por Kerry/Edwards em 2004.

Todos os Swings States tradicionais estão do lado de Obama, sendo o único que ainda está em (pequena) disputa é o de Ohio.

Todos os Battlegrounds States existentes neste momento eram desde há muito Safe Republicans (Colorado, Missouri, Indiana, Carolina do Norte, Virgínia, West Virgínia, Dakota do Norte), alguns desde LBJ, em 1964.

Claro que, como se diz em bom português, até ao lavar do cesto é vindíma, mas ou acontece uma surpresa enorme (grande já não chega) ou Obama tem a vitória garantida.

Paul Begala dizia semanas que não acreditava que a um mês das eleições estivéssemos a discutir o Indiana. O que dirá ele neste momento

(Estes dados são de 14-Out-2008, por volta das 17h)

P.S. - Também publicado na Tertúlia do Garcia.

Barack Obama on his Economic Rescue Plan for the Middle Class

Meanwhile, in Michigan

A Ler

segunda-feira, outubro 13, 2008

Uma boa explicação

É inacreditável como o humor e a ironia conseguem chegar à essência duma questão que os economistas ainda se estão a esforçar por resolver... Deixo aqui um exemplo extremamente acido dos britânicos Bird e Fortune.


domingo, outubro 12, 2008

Uma pergunta ingénua



Não sou economista nem nada que se pareça, apesar de abraçar algumas ciências sociais. Sou talvez algo cândida e, sendo-o, pergunto: onde pára o dinheiro que foi para os off-shores? Esclareçam-me, por favor!

sábado, outubro 11, 2008

José --
John McCain keeps asking this question at his rallies -- then he gives answers that are shockingly false and negative. That's why it's vital that you sign up to volunteer for at least one day during the final days of this election. Voters won't know the truth about Barack unless supporters like you reach out to them. I also wanted to share a video of personal moments from behind the scenes at the Democratic National Convention in Denver, so you can see Barack and Michelle as they are -- decent, warm, and kind people with a loving family.

Our opponents try to stir up doubt and fear by questioning who Barack really is -- as if after more than a decade in public office, more than 20 months on the campaign trail, dozens of debates, two books written by him and dozens more about him, people still don't have enough information to decide for themselves who should lead our country.
Millions of Americans have gotten to know Barack Obama as an American who's devoted his life to things bigger than himself -- his community, his country, and ordinary citizens looking for a voice. Our challenge now is to do the same -- to devote these last weeks to a cause bigger than ourselves. These tough economic times make our cause more urgent and the stakes even higher. Barack needs your help to win this election and bring the change we need to Washington.
Can you give a day of your time during the last four days of the election? Watch the video, share it with others, and get involved.
Only 24 days remain until Election Day. Won't you commit at least one to ensure our victory?
David David PlouffeCampaign Manager
Obama for America
P.S. -- You can make a difference in a nearby battleground state where the election is neck-and-neck. Find your state page and click Drive for Change.

quinta-feira, outubro 09, 2008

Não é um Grammy, mas a ela não a calam

ABC won't air our ad



We can solve the climate crisis
 

ABC won't air our ad.

Tell ABC to air the Repower America ad this Friday on 20/20.

Take Action!

Dear Rui Pedro,

Did you notice the ads after last night's presidential debate?

ABC had Chevron. CBS had Exxon. CNN had the coal lobby. But you know what happened last week? ABC refused to run our Repower America ad -- the ad that takes on this same oil and coal lobby.

I sent a letter asking ABC to reconsider their decision and put our ad on the air, but still we haven't heard back more than a week later. I think they need to hear from all of us. Can you help? Please send a message to ABC and tell them to air the Repower America ad this Friday on 20/20. Just click here:

http://www.wecansolveit.org/ABC

We're working to get 100,000 public comments to ABC before 20/20's next airing.

Our Repower America ad has a clear and simple message -- that massive spending by oil and coal companies on advertising is a key reason our nation hasn't switched to clean and renewable sources for our energy.

Here's the script of the ad:

The solution to our climate crisis seems simple.
Repower America with wind and solar.
End our dependence on foreign oil. A stronger economy.
So why are we still stuck with dirty and expensive energy?
Because big oil spends hundreds of millions of dollars to block clean energy.
Lobbyists, ads, even scandals.
All to increase their profits, while America suffers.
Breaking big oil's lock on our government ...
Now that's change.
We're the American people and we approve this message.


You can view the ad on the ABC petition page, here.

As our country faces deep economic problems, we need to be able to have an honest debate about the root causes of our problems. As Al Gore has said, "We're borrowing money from China to buy oil from the Persian Gulf to burn it in ways that destroy the future of human civilization. And every bit of that has to change."

As oil and coal backed groups outspend even major party committees in this political year, it's outrageous that ABC would deny our ad. Let ABC know what you think. Just click here.

Thank you,

Cathy Zoi
CEO
www.wecansolveit.org

 



 

quarta-feira, outubro 08, 2008

Landslide?

vqsv3i7fzu

Mavericks in Washington

PES Activist Hungary. Welcome

Dear Friends,

we are glad to inform you, that PES Activist Hungary Association is about to be officially formed and registered.

PES Activist Hungary was set up with the clearly defined aim of giving a common platform for young and talented people with left-oriented thinking to improve their knowledge and skills in the field of culture, economics and business management for the purposes of contributing to social development under the umbrella of the Party of European Socialists.
Our members undertake different tasks in various subject-matters having the opportunity to gain professional experiences abroad. After all, participants shall affect society and the European political culture in a very positive manner by using their skills, experiences and contacts gained in the framework of PES Activist Hungary.

PES Activist Hungary takes a follow-through part of cooperation among regional PES offices in Hungary organizing conferences, seminars, discussion panels and camps. These events are essential and indispensable in developing our member's talent.

We would like to get in touch with you and your associations, networks in order to develop or take part in a Europe-wide co-operation, based on common values and aims.

We are really interested in your work and your plans! Our aim is to develop a partnership with the PES Activists groups in Europe and to some common projects in the future.
In order to be able to achieve this, it would be nice to keep in touch. We would like to ask you, to send us some information or a short introduction of yourselves – to get to know you and your organizations better.

Looking forward to hearing (reading) from you!

Best regards,
Matthias Gáti & Susanna Nagy-- PES Activist Hungary

terça-feira, outubro 07, 2008

País Relativo

Sejam bem retornados. Dos velhos participantes já tinha saudades das suas qualidades, dos novos sei que não os deixarão mal. Sitio para ver e rever amigos. Recomendo, naturalmente.

Negative Ads

PES conferences

Dear friends,

“The young socialist dream” is the motto for a series of conferences that the Socialist Group in the European Parliament is going to hold in Brussels. In four sessions between December 2008 and March 2009, young socialists from all over Europe are invited to discuss on important political questions: Intercultural Dialogue, Globalisation and climate change, Social Europe, Peace in the World.

This is a great opportunity for young socialists to gather and get to know the work of the PES Group in the European Parliament. Getting an inside view of the work of the Socialist Members of Parliament will certainly be a great motivation to get engaged in European election campaigning. Therefore please spread the word about “The young socialist dream” to all young socialists in your party.

I’m happy to inform you that following the conferences organised by the PES Group in the European Parliament, the Party of European Socialists is going to offer information and training sessions for the young socialists coming to Brussels. We will offer “after-hour” seminars on the functioning of the PES and on the PES contribution to the European election campaign. Participants who are registered for one of the four PES Group conferences will receive a more detailed briefing about all activities on offer.

With socialist greetings,

Poul Nyrup Rasmussen

A ver com atenção


As minhas noites de mirtilho azul




My Blueberry Nights, de Wong (2007)

= As Minhas Noites de Mirtilho

Conferências das Quintas - «O fim das humanidades», 9 de Outubro, às 21h30




CONFERÊNCIAS DAS QUINTAS
(quinzenalmente)

Em co-organização, o Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique (GILCO)
e a edição portuguesa do Le Monde diplomatique promovem quinzenalmente,
às quintas-feiras, um ciclo de conferências, no colégio do GILCO, em Campo de Ourique.

A próxima conferência, subordinada ao tema «O fim das humanidades», é já na quinta-feira,
dia 9 de Outubro, pelas 21h30, e contará com a participação
do Prof. Eugénio Rosa.

O Prof. Dr. Eng. Eugénio Lisboa é reconhecida autoridade em Literaturas Comparadas e Prof. Catedrático Jubilado de Literatura Portuguesa da Universidade de Aveiro. Leccionou Português na Universidade de Estocolmo. Foi nomeado Special Professor of Portuguese Studies da Universidade de Nottingham na qualidade de Prof. Catedrático e aí recebeu o título de Doutor Honoris Causa. Esta mesma distinção foi-lhe conferida pela Universidade de Aveiro. Entre outras condecorações, possui a Order of the British Empire e a Ordem do Infante. É membro da Academia das Ciências de Lisboa.

Recebeu o Prémio Cidade de Lisboa pelo livro de Poesia A Matéria Intensa e o Prémio Jacinto do Prado Coelho pelo livro Portugaliae Monumenta Frivola.

Publicou, entre outras obras, Crónicas dos Anos da Peste, O Objecto Celebrado e As Vinte e Cinco Notas do Texto.

É indispensável autoridade em José Régio e Jorge de Sena.

Dirigiu para a Carcanet Press a edição em inglês de autores como Camões, Fernão Mendes Pinto, Fernando Pessoa, Eça de Queirós, Miguel Torga e José Rodrigues Miguéis.

Foi Presidente da Comissão Nacional da UNESCO.



A conferência seguinte será:

- Dia 23 de Outubro, pelas 21h30, «A segunda crise dos sistemas liberais do Ocidente», com a participação do Prof. Fernando Rosas.

Veja abaixo como pode chegar ao colégio do GILCO (Lrg. Dr. António Viana, em Campo de Ourique):

A entrada é livre. Participe!

Mais informações em http://pt.mondediplo.com/ ou através dos e-mails monde-diplo@netcabo.pt e gremio@gremionet.com.

segunda-feira, outubro 06, 2008

I´m back home!



I´m back home! É natural, dado estarmos no início do ano lectivo, voltar a casa.

Sobre casas, e depois de percorrer com os olhos o que neste blog, e noutros lugares, foi dito ou reproduzido, tenho a dizer que a minha camarada Ana Sara Brito fez muito bem em ter saído, há um bom par de anos, da casa arrendada à CML. O escritor e jornalista Baptista-Bastos, homem que eu tenho apreciado pela vida fora, deveria segui-lhe os passos.

Não creio que um membro da elite política tenha mais responsabilidades do que um membro da elite intelectual, muito pelo contrário. O Baptista Bastos ocupa um lugar de gate-keeper na comunicação social nacional, o que faz com que seja lido, apreciado e admirado por milhares de portugueses, o mesmo não se podendo dizer a respeito de Ana Sara Brito, cujos poderes políticos se circunscrevem à capital e cuja voz não ocupa, profissional e sistematicamente, as páginas dos jornais portugueses. As crónicas acutilantes de Baptista Bastos foram, nos últimos anos, redigidas a partir de um lugar, a saber de um apartamento quentinho alugado por tuta e meia à CML e atingiram e influenciaram muito boa gente deste nosso Portugal. A ocupação desse lugar retira, ao autor das mil e uma crónicas de mal-dizer, uma boa parte da autoridade moral que todos julgavamos ser seu apanágio. Que valor sobra dessa obra jornalística de intervenção política de Baptista Bastos depois de subtraída a casinha? Não sei nem quero fazer contas deste teor. O autor, das crónicas e do aluguer (o arrendatário) que as faça e sobre elas redija e publique uma crónica mordaz. Ficava-lhe bem.

E que dizer da comunicação social? Os jornais e os jornalistas demoram décadas a descobrir carecas? Que estranho! Sabendo ISTO, dá vontade, a alguns, de fazer burlices das grandes!

Por ser rentrée, fico-me por aqui. Não me debruço sobre a atribuição destas casas camarárias nem sobre os critérios subjacentes. Acredito que as edilidades de Lisboa tenham sido justas, ao terem em conta situações pessoais difíceis que, com o decorrer do tempo e em função do labor de cada um dos respectivos arrendatários, se terão concertado.

sexta-feira, outubro 03, 2008

À segunda foi de vez.

O Congresso dos EUA aprova Plano Bailout

Don't vote! Unless...

Se a Fox o diz...

A SANTA CÂMARA

Conheço, superficialmente, Baptista Bastos e Ana Sara Brito. Tenho simpatia pelos dois. Por isso mesmo, esta coisa das casas da Câmara de Lisboa ainda me faz mais impressão. Leio as justificações de um e de outro e fico consternada. Diz Baptista Bastos, na sua coluna de opinião neste mesmo jornal - e neste mesmo espaço -, que em 1997, estando desempregado e com filhos a cargo, vivia numa casa arrendada em Alfama há 32 anos na qual chovia e havia rachas nas paredes e recebeu, na sequência de uma vistoria camarária e de uma análise aos seus proventos, um fogo da autarquia cuja renda se recusa a revelar mas garante ter-se actualizado desde então "ao ritmo da inflação". Diz o Correio da Manhã que B. B. vive num prédio na Estrada da Luz e paga 215 euros de renda. Isso implicará que a renda terá começado por ser de pouco mais de 150 euros. Em contrapartida, uma casa em Alfama arrendada há 32 anos e nas condições descritas teria em 1997 uma renda consideravelmente mais baixa. Logo, se a história é assim e os valores estes, B. B. foi pagar mais na casa da Câmara - embora muito menos do que pagaria por uma casa a preços de mercado. Mudou, pois, para uma casa melhor com uma renda superior - coisa normalíssima, não fosse dar-se o caso de a casa ser camarária e de ninguém conseguir explicar quais os critérios que presidiam, em 1997, à atribuição de casas da Câmara. Explico melhor: é garantido que outra pessoa qualquer a viver num apartamento velho com rachas onde chovesse e com rendimento igual ao auferido em 1997 por B. B. conseguisse uma casa da Câmara igual à dele?
Naturalmente, não é a Baptista Bastos que cabe responder à pergunta acima. Ele limitou-se a solicitar e a aceitar. Não terá querido saber dos critérios nem da igualdade ou até da justiça. Achou que tinha direito e quem de direito (ou seja, quem detinha a posse das casas e o poder de as atribuir) deu-lhe razão. O caso de Ana Sara Brito é mais complicado. Porque Ana Sara Brito é neste momento vereadora, e porque era vereadora aquando da recepção da casa que o presidente Kruz Abecasis lhe arrendou em nome da autarquia, há 21 anos. Ana Sara Brito tinha obrigação de se interessar pelos critérios, pela igualdade e pela justiça. Porque tinha um cargo camarário e porque esse cargo era o da acção social. Sobre os critérios, porém, diz-nos hoje que "eram os da época". E da renda diz que era "legal". E que está "de consciência tranquila". Diz nada, portanto.
Este triste assunto não deve transformar-se num auto da fé de B. B. e de Ana Sara Brito. Por todas as razões, sobretudo a de que o assunto é muito maior que eles. O que está em causa, e não será de mais repeti-lo, é o que de pior existe em qualquer administração pública - a opacidade, o favorecimento discricionário, a assunção dos bens públicos como propriedade de "quem está" e o seu tráfico entre escolhidos. Se em vez da "atribuição" de casas estivéssemos a falar da de envelopes de papel pardo com notas lá dentro, estaria já tudo aos gritos, a começar por Sá Fernandes e Helena Roseta, esses indomáveis campeões antinegociatas. Mas, como na lenda da Rainha Santa, o dinheiro está transformado em casas. Pode-se fazer de conta que não se passou nada.
Fernanda Câncio

quinta-feira, outubro 02, 2008

It's the economy, stupid!

Escrever sobre economia é algo extremamente dificil, principalmente porque a maior parte dos economistas não se entende. A anedota que diz que se juntarmos 10 economistas numa sala, acabamos com 11 teorias económicas diferentes é especialmente certeira, se bem que irreal, visto que subavalia o numero final de teorias. Acho que é porque leva em conta apenas as teorias com um mínimo de consistência. Se quiserem ver teorias que não estejam limitadas por esse mínimo sugiro que dêem uma olhada aqui e aqui, com principal atenção aos comentários.
A actual crise financeira mundial e a solução proposta pelo secretário norte-americano do Tesouro, o "Plano Paulson", têm todos os componentes de um "blockbuster" económico, para quem gosta do género. Um governo dominado pelos neo-con vem propor a maior intervenção estatal na economia desde o "New Deal" de Roosevelt. Seria hilariante, não fosse a gravidade da situação.
Nos meus tempos de universidade, tive a oportunidade de fixar uma lição sobre economia e governo. Um professor referiu uma vez que, depois de assumirem responsabilidades governativas, é raro o liberal que consegue deixar os mercados à deriva, e nunca se viu um intervencionista que fosse capaz de conduzir os mercados para onde ele queria. Parece-me que é o que se passa agora e, neste caso, ainda bem que decidiram intervir.
Passemos ao concreto, os mercados financeiros neste momento são como um barco a meter água (não como o Titanic, espero eu) e se a razão pela qual os mercados estão a afundar foi a falta de regulação, um aumento da regulação poderá evitar novos rombos no casco, mas pouco faz para tapar o rombo que já lá está.
Seja através do "Plano Paulson", ou através de qualquer outra intervenção, é urgente haver uma intervenção do governo, visto que os privados não têm nem a liquidez nem a confiança para intervir quando os mercados são afectados por uma falha sistémica. Tenho a certeza que o "Plano Paulson" tem inúmeras falhas e inúmeras possibilidades de melhoria, afinal saiu da administração Bush, mas este é um daqueles casos em que o bom é inimigo do óptimo, o óptimo é impossível e, se tiver que ser, prefiro uma intervenção medíocre a termos outra Grande Depressão nos EUA.
Para aqueles que duvidam que seja boa ideia os contribuintes pagarem pelos erros dos bancos, a resposta é simples, esqueçam essa ideia. Os contribuintes vão pagar a crise, seja através dos impostos e das ajudas financeiras dadas pelo governo federal, seja através da perda das poupanças, aumento dos juros ou casas apreendidas. Afinal, a responsabilidade ultima é deles (que nos sirva de lição) ao elegerem governos e representantes que não acautelaram estas situações. Eu sei que é injustamente duro, mas não deixa de ser verdade.
Para Portugal, parece que crise pouco afectará a nossa economia. É capaz de ser verdade, por estarmos mais preparados e em melhor condições do que há 3 anos. Mas desenganem-se aqueles que acham que não vamos sofrer consequências desta crise. Apenas temos um casco reforçado por 3 anos de sacrifícios, e elegemos uns timoneiros com experiencia a evitar glaciares. Pode ser que nos safemos...

quarta-feira, outubro 01, 2008

A voz de um anjo

A vida é uma dureza!

Checklist das promessas de George W. Bush

Agora é que percebi...

Uma das muitas razões que me fazem não dispensar uma consulta diária ao Blasfémias é que é lá que se conseguem encontrar verdadeiros compêndios de pérolas destas: "Estamos a viver o fim do socialismo. Quando todos gritam que o mercado não funciona e que o capitalismo está em crise, é necessário que alguém diga que o rei vai nu.(...)".

Ide, ide lá ver que é mesmo verdade! Afinal a culpa é do socialismo. Conclusão: Os Estados Unidos da América são um bastião do socialismo! E eu que naquele país (e, no mundo ocidental, só naquele país) não gostava dos vermelhos!!!


P.S. - Depois de irem, voltem!

Se assim for, acabou...



Quinnipiac
From Quinnipiac University poll:
FLORIDA: Obama 51, McCain 43
OHIO: Obama 50, McCain 42
PENNSYLVANIA: Obama 54, McCain 39
Dates conducted: Sept. 27-29. Error margin: 3.4 percentage points.

(Fonte: The Page - By Mark Halperin - Time. Link para o artigo aqui.)
Se estas sondagens forem seguidas de outras que confirmem estes números, a eleição está praticamente decidida. É esperar pela análise do Carlos Santos e pelo comentário do Nuno Gouveia...
[Adenda]
O Carlos Santos já tem uma primeira análise aqui.

Coincidências de Conteúdos na Blogosfera

Vejam este post do Pedro Magalhães no Margens de Erro publicado ontem.

Agora leiam este post do Pedro Sales no Arrastão publicado hoje...

Coincidências incriveis é dizer pouco!

Vereadora Ana Sara Brito prestou esclarecimentos sobre notícias vindas a público

A vereadora contestou as notícias veiculadas pela Comunicação Social, segundo as quais teria ocupado um fogo de habitação social, e informou haver rescindido um contrato de arrendamento havido com a Câmara nos termos legais (que não em habitação social) quando veio, em 2007, a ocupar o actual cargo com responsabilidades nesta área.
Ana Sara Brito, acompanhada pelo presidente da autarquia, António Costa, contestou a veracidade de algumas notícias recentes, afirmando que nos mais de 40 anos de vida política nunca exerceu "quaisquer cargos nos mandatos de Jorge Sampaio e João Soares" e que, nos 46 anos de serviço público, "nunca viveu numa casa de habitação social da Câmara".
Precisando os factos, a vereadora que agora tutela os Pelouros da Habitação e da Acção Social referiu ter firmado um contrato de arrendamento com a Câmara, nos termos legais, em 1987 (quando Nuno Krus Abecassis era presidente da autarquia e geria os fogos entregues por privados), sobre um fogo de habitação, em moldes normais e não em regime de habitação social. Sara Brito informou que existiu desde então uma relação normal de senhorio-inquilino, com actualização anual de renda, nos termos legais, até ao momento em que, em 2007, foi eleita para a Câmara e passou a ter responsabilidades na área da Habitação, que inclui, para além da Habitação Social, o restante património habitacional disperso do Município. Assim, "entendendo que não podia ser senhoria de mim própria, por razões éticas e de consciência, entendi que não podia continuar naquela casa, saí e entreguei as chaves".
A vereadora, após prestar estes esclarecimentos, anunciou que continuará "com a mesma determinação a trabalhar no cumprimento do programa" com que se candidatou com António Costa, o que acontecerá, pelo menos, "enquanto o presidente tiver confiança em mim", concretizou Sara Brito.
Ao lado da vereadora, o presidente da autarquia sublinhou que "as notícias da última semana [sobre atribuição eventualmente indevida de fogos de habitação social] dizem todas respeito a decisões tomadas em mandatos anteriores", sublinhando o facto de a atribuição de fogos do património disperso ter passado a estar adstrita unicamente à política social de habitação desde que assumiu esta presidência, há pouco mais de um ano, no que consubstancializa uma "mudança de política".
A este respeito, António Costa referiu que já foram atribuídos pelos serviços municipais 97 fogos naquela situação, atendendo às seguintes prioridades de realojamento: famílias que ocupavam fogos municipais que ameaçavam ruína; doentes devidamente atestados; famílias com crianças e jovens em risco, em colaboração com a respectiva Comissão e com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa; vítimas de violência doméstica; e cumprimento de sentenças judiciais. O autarca adiantou ainda que a atribuição de fogos que vieram à propriedade da Câmara se processa hoje por concurso público (como acontece com o que decorre para jovens, em relação a 23 fogos no Vale Formoso) e "não por despacho discricionário do presidente ou vereadores".
Quanto às situações que vêm sendo referidas na Comunicação Social, António Costa entende não comentar as decisões tomadas durante mandatos anteriores enquanto decorre uma investigação criminal conduzida pelo Ministério Público, sendo que tem "dado todo o apoio à autoridade judiciária, como é o caso da cedência de instalações, de pessoal administrativo e de documentação à Polícia Judiciária". "Se alguma ilegalidade foi cometida, a autoridade judiciária não deixará de proceder em conformidade", garantiu António Costa.
Em relação aos procedimentos internos, o autarca informou que, complementarmente, "os serviços estão a avaliar a adequação das situações de atribuição de fogos", até porque algumas delas se modificam e deixam de se justificar, havendo já 18 notificações para a sua devolução. O presidente da Câmara anunciou também que faz depender a publicação de uma lista nominal de todos quantos foram contemplados com os mencionados fogos municipais, "com a maior transparência, incluindo as rendas pagas", de uma autorização, já solicitada, à Comissão de Protecção de Dados.
[via PS Lumiar]

Pesquisar neste blogue