domingo, março 15, 2009

Actualizar-me é que não…

Uma professora dá aulas a uma turma. Recebe uma pen drive com a qual pode fazer um update a um software que está num computador (no caso, os erros do Magalhães) enquanto vai dando a matéria ou promovendo a actividade normal de uma aula do 1º ciclo. Não parece nada de transcendente. Presumo que o update será colocar a pen drive na porta USB e, quanto muito" dar uns cliques (mas como o software é Linux, fico-me pelo "presumo"). Situação normal?

Não. Situação motivadora de um coro de protestos. Acham que os tornaram em técnicos de informática. Uma vergonha o que este governo está a fazer.

No século XXI temos professores (não estamos a falar de qualquer um, estamos a falar de uma classe social que ensina os que serão o nosso futuro) que não evoluíram e que reclamam quando os põe a mexer com computadores. No século XXI. Não é piada, é mesmo assim.

Enfim, que dizer? É esta a classe docente que temos no 1º ciclo? Ainda bem que não tenho filhos

13 comentários:

paula disse...

Que disparate!
Acha mesmo que uma professora deve fazer actualizações num pc enquanto está a dar aula a uma turma?!
Não se trata de saber ou não utilizar uma pen! É uma questão de ética e de brio no que faz:uma turma merece a sua atenção a 100%. E faz bem a professora que se recusa a fazer isso em tempo lectivo.
Além do mais uma professora não é técnica de informática, nem responsável por corrigir a incompetência do ME que não verificou o conteúdo dos pc's que distribuiu.
Claro que só pode pensar assim quem concorda com a escola como depósito de crianças e quem não valoriza verdadeiramente a aprendizagem, ou quem não tem filhos para quem defender uma boa educação, ou quem não dá verdadeiro valor à escola.
Se algum professor dos meus filhos (e tenho 3) algum dia se lembrasse de actualizar software enquanto dava a aula, isso iria parecer-me ridículo. Eles estão lá para ter aulas.
Dos professores espero que saibam transmitir conhecimentos e valores. Não espero que limpem porque o sabem fazer, que cozinhem porque também o sabem, nem que actualizem software porque podem e sabem!
Resto de bom fim de semana.

Pedro Miguel Cardoso disse...

Alguns comentários:

Uma professora não é técnica de informática mas deve ter conhecimentos básicos de informática.

A responsabilidade pelos pc's é de quem os concebeu mas também de quem os utiliza.

Os professores são pagos pelo Estado (por todos nós) para estarem ao serviço da educação. Estão lá para ajudarem a resolver os problemas que possam surgir.

Quem tem uma atitude rígida e caprichosa dificilmente é um bom professor.

Ser professor é um privilégio, que muitos jovens capazes e qualificados que estão no desemprego gostariam de usufruir.

António Costa disse...

Rui

Assim como os professores os pais, e se estamos a falar do 1º ciclo estamos a falar de pessoas que nasceram na era dos computadores, têm, estes sim, têm obrigação de efectuarem as actualizações, o governo deveria disponibilizar um portal onde os pais iam buscar os updates e fazerem as actualizações, estás a ver uma turma de 30 alunos e a professora a fazer updates a todos os PC´s ?
eu não estou.
Já foram vendedores de informática agora não os tornem em meros "updatistas". Vou contar-te uma história do Magalhães passada numa escola ao pé de mim.

Numa turma 19 alunos têm Magalhães, os pais de manhã quando vão levar as criancinhas fazem questão de entregar o dito à professora avisando-a que é responsável pelo aparelho, mais ou menos com este tipo de linguagem: professora está aqui o Magalhães da minha filha agradeço que tome conta dele, o Rui apetece-me meter aqui um grande vernáculo começado por F , era só o que faltava.

Rui Pedro Nascimento disse...

É curioso que quando introduziram a calculadora na sala de aula não houve professores a reclamar. Desculpa lá, mas a introdução do Magalhães visa também a aprendizagem, por parte do aluno, de informática da parte do utilizador. Estás-me a querer dizer que um professor não deve se actualizar e fazer um mero update, que basicamente terá de fazer "ok" nos botões apresentados, no computador das crianças? ou, melhor ainda, pôr as crianças a fazer? Gostava de saber como fazem updates em casa... Ah, já sei! Não têm dinheiro para ter computadores pessoais.

Desculpa, mas esta crítica "não compro". Isto já é "braço de ferro" puro e duro com o ministério! E reduzir um Técnico de Informática a um mero "clickador" de ok's num update já é começar a entrar noutro nível de conversa. É uma críitica ridícula, esta dos professores. E se juntares a isso a chamada de atenção que fiz no post seguinte...

Uma escola em que um professor se recusa a evoluir é uma escola onde eu não quero que os meus filhos, caso os venha a ter, andem.

Deve ser por isso que os professores querem auto-avaliação.

António Costa disse...

O exemplo da calculadora aqui não serve, pelo motivo de que a faixa etária é bem diferente.

Rui já te passou pela cabeça perguntar se os professores sabem alguma sobre informática? grande parte dos professores do ensino básico ou 1º ciclo não tiveram formação, nem quando foram formados nem depois, sabes é muito fácil criticar quando não estamos na pele deles, agora toda a gente "bate" nos professores, passaram a ser o bobo da corte deste pais que não sabe o que quer nem para onde vai, assim como assim alguma coisa se fará e então arranja-se um bode expiatório, os professores, os sindicatos o Manuel Alegre o BE, nunca o Governo, o Magalhães foi metido à pressão no ensino, sem as menores bases, de uma forma desconcertante, serviu para Show off, umas fotografias mais uns minutos nos noticiários da TV e na prática é aquilo que se vê, e quando a inépcia do governo aparece então o que se faz? culpa-se os do costume.

Vera Santana disse...

Um Prof tem de ser um bom utilizador de técnicas, nomeadamente informáticas. Não tem de ser perito em informática.

Se os Ministérios têm técnicos superiores de informática remunerados com salários mais elevados do que outros técnicos superiores - de direito, de economia, etc - será porque foi entendido serem super-especialistas.

Os Profs devem ser super-especialistas A ENSINAR; são PEDAGOGOS. Não são, nem têm de ser, também, INFORMÁTICOS.

Conclusão à vista!

Rui Pedro Nascimento disse...

Desculpem lá: mas desde quando é que para colocar uma Pen numa porta USB e carregar em OK's é preciso ser um técnico superior de informática???? Se calhar dão isso aos miúdos e eles fazerm-no.

Sinceramente, isto é criticar por criticar. Não tem nada a haver com a "criação de bodes expiatórios"! Em relação a isso, também eu estou contra, até porque acho que a questão de "Bodes Expiatórios" é peditório para o qual os portugueses já deram e já não dão (felizmente!)

António Costa disse...

Em relação aos Professores / Técnicos de Informática Lê o que a Vera Santana escreve e ficamos conversados.

Quanto aos Bodes Expiatórios não é verdade que os Portugueses já não dêem para esse peditório, é só ver a forma como se tratam os professores, hoje mais uma "pirralha" bateu numa professora ao ponto da professora ser hospitalizada, os pais entram pelas escolas dentro e "destratam" os professores de tudo desde F a C passando por P e se algum professor tiver a infeliz ideia de se defender vai de murro e pontapé para cima, repara Rui isto só se começou a verificar depois da "guerra" que o Governo encetou contra os professores, isto só serve para uma coisa tirar força e desclassificar uma profissão que pelo contrário deveria ser protegida e altamente classificada pelo estado, porque é dela que dependem os homens que amanhã irão governar esta coisa.

Rui Pedro Nascimento disse...

Eu li a resposta da Vera, e como deves ter reparado, não concordei. Daí ter utilizado o plural na minha resposta.
Além disso, é mentira que a agressão a professores só tenha passado a acontecer depois da governação Sócrates. Diz antes que só começou a chegar à imprensa com este governo. E ainda bem. Não é de hoje nem dos últimos anos a perca de autoridade dos professores na sala de aula, e isso sim é um problema. Mas não mistures as coisas. Uma coisa é uma actualização num computador, um novo material de ensino, outra é o papel dos vários intervenientes no processo de ensino (pais, aluno, professores, meio social). E isso dá toda uma outra discussão em que verias que não estariamos tão em desacordo quanto isso.

Vera Santana disse...

Basicamente eu e o António Costa estamos de acordo. Excepto em dois aparentes pormenores, relativamente aos quais concordo com o Rui:
1. há décadas que há alunos a tratarem os Profs de modos desagradáveis. Uma amiga minha, nos finais dos anos 70, era "apalpada" por putos malcriados do Liceu Maria Amália. Ela era muito jovem, e tinha dificuldades em lidar com a questão.
2. só há pouco tempo (3 anos?) é que estes graves problemas passaram a ser noticiados e cada vez com mais destaque, à medida que a luta dos Profs se tornava mais aguerrida.

Acrescento ainda que não estou, há muito tempo, do lado dos Profs, pois acho que a Luta deles atingiu uma dinâmica própria que eles já não controlam, Luta que se auto-reproduz já sem motivos pertinentes. E sobre Educação, esta Luta nada diz! É a insistência desadequada da Luta que Continua.

Pedro Miguel Cardoso disse...

Eu concordo com o Rui. O problema da perda de autoridade é real e importante. O "problema" da actualização do Magalhães é má fé. É como diz a Vera, a luta continua diariamente... Mas se não existem razões? Inventam-se!

António Costa disse...

Talvez a minha afirmação seja temporalmente desajustada, talvez sejam agora noticiados estes casos o que antes não acontecia, no entanto esta catadupa de modificações efectuadas no ensino que visam unicamente os professores, e que não tiveram, porque não lhes foi pedida, a sua colaboração, fez com que se desprestigiasse a profissão de professor, fez com que, ao já pouco respeite existente por parte dos alunos se juntasse também o dos pais, esta luta, e aqui não quero culpar ninguém, não veio prestigiar as instituições, nem a escola nem a ministra nem os professores nem os sindicatos, mas veio desmobilizar os alunos e por consequência os pais, hoje existe mais um bode expiatório para o insucesso do aluno, o "malandro do professor".

António Costa disse...

Já agora gostaria de vos mostrar uma "luta" engraçada que está explicada aqui

Pesquisar neste blogue