quarta-feira, fevereiro 28, 2007

O Clube Loja de Ideias Divulga:

Forum Europa 2007:
Governar a Mudança na Europa Pós-Constitucional




Divulgação


PROJECTO RUÍNAS apresenta
O VIZINHO projecto ruínas (pt)

Teatro
6 a 18 de Março (ter./dom.) 2007 Hospital Miguel Bombarda _21h30
A visão distorcida de um casal sobre o que se passa na casa ao lado: o vizinho não fala, faz o jantar, lê um pouco, vê televisão, olha-se ao espelho, limpa, escreve, dorme e vive sozinho. O casal, juntos mas com vidas separadas, o amor já lá vai, o lar para manter, resignadamente. A solidão. O vizinho encarna progressivamente as tensões do casal. Uma espécie de bolinha anti-stress, saco de boxe, garrafa de whisky, spa. Um alívio. Satisfeitos, vão-se deitar. O espectador, qual voyeur, é convidado a espiar este quadro. Feito mirone, tem transmissão em directo da casa de banho. O "vizinho" trata da solidão, da indiferença, do abandono e da desistência, com um desfecho surpreendente.

PROJECTO RUÍNAS contakte@gmail.com Texto improvisação temática controlada por um guião Encenação Francisco Campos Cenografia Sara Machado da Graça Figurinos Andreia Rocha Interpretação Marco Ferreira, Miguel Antunes, Sara Belo Direcção Técnica Philippe Mulon Cartaz Miguel Rocha Sonoplastia Francisco Campos Edição Vídeo Susana Marques Gestão e Direcção de Produção Projecto Ruínas Produção executiva Joana Ferreira
Projecto financiado pelo MC/Instituto das Artes
Co-Produção Projecto Ruínas, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, O Espaço do Tempo
Apoio: Baal 17, Teatro Praga, Teatro Maria Matos/Egeac/CML
m/16

RESERVAS 217 269 225
PRODUÇÃO PROJECTO RUÍNAS 967 481 040
Bilhetes 7,50 € 5,00 € desconto a menores de 25 anos

Compromisso

Parece que a Lei do aborto vai ser posta à discussão na Assembleia da República. Confirma-se que quando há vontade e poder as coisas acontecem. Que este processo sirva de exemplo.
Sobre a forma estamos falados.
Sobre o conteúdo parece que a fórmula encontrada foi a célebre «encontramo-nos no meio», tantas vezes celebrada em acordos políticos. O compromisso entre as diversas tendências participantes levou a que nenhuma se declarasse totalmente satisfeita mas que também ninguém se insurgisse por particular melindre. Em causa estava a questão da consulta prévia, do acompanhamento médico-clinico e o aconselhamento obrigatório.
Por um lado havia quem, na esquerda, quisesse que coubesse exclusivamente à mulher a escolha. Nada de consultas obrigatórias, períodos de reflexão, nada. A mulher teria liberdade de escolha total.
Por outro, lado havia também quem considerasse que o processo de abortar deveria se desenrolar através de sistema de consultas, aconselhamentos e seguimentos obrigatórios com períodos e oportunidades de reflexão consecutivas. E que esse processo fosse definido e controlado pelo Estado dentro do SNS.
Há como calculam, entre estas posições milhas de distância ideológica.
A solução, salomónica, foi a de traçar o «caminho até metade» e fixar a primeira consulta e o período de reflexão como obrigatórios. Caí o aconselhamento. É coarctada a liberdade absoluta da mulher, diluindo-se nas consultas marcadas.
É o melhor método? Nunca seria. A negociação política a tal obrigou. Parece-me uma proposta «equilibrada» e condizente com o estado político de apreciação do problema. E neste sentido é uma boa proposta.

terça-feira, fevereiro 27, 2007

Polónia


Resolvida a situação em Portugal, aparentemente, vamos à Polónia?


Decriminalisation of Abortion
The Socialist ruling party in conservative Portugal made the decision this week to legalise abortion in the first 10 weeks of pregnancy. This is a milestone and a victory for Portuguese women, and follows on the heels of victories (though very different) in Colombia and Nepal. What lessons can be learned from these very different experiences?

The decision in Portugal this week to legalise abortion in the first 10 weeks of pregnancy is great news for women in Portugal, and follows on the heels of victories (though very different) in Colombia and Nepal. Colombia partially decriminalised abortion in May 2006 in the case where a woman's life is in danger, the foetus has malformations incompatible with life outside the womb or the pregnancy is the result of rape. In December, Nepal's interim constitution was agreed upon, recognising reproductive rights for women as fundamental.

Existing at extreme ends of a scale, these accomplishments illustrate the complexity of the challenge for reproductive rights. At one end, a result that would be considered the absolute minimum in other countries; and at the other end, the recognition of the fundamental rights of a woman to control her own body. The referendum held in Portugal on February 11, 2007 is another success story along the scale of decriminalisation. It may have been a technical failure due to low turnout, but it was a political triumph for the ruling Socialists, who promised the referendum when they were voted into power in early 2005 and a huge accomplishment for women. The successful campaign focused on the large numbers of illegal and unsafe abortions being performed in Portugal - between 20-40,000 women per year - however, in depth analysis of the decision is yet to come, and some are saying that Portugal was simply "put under pressure from the rest of Europe to get in line with general abortion policy". What lessons can others learn from these experiences?


Active campaigns
Restrictive reproductive rights laws are too numerous to list. In the ten year period after the adoption of the Beijing Platform for Action in 1995, many countries liberalised abortion law, whilst others such as El Salvador, Hungary, Poland, the Russian Federation, and the United States have enacted even more restrictive laws. Other examples of countries with restrictive laws include Ireland, Malta, Nicaragua, the Philippines, Poland and Iran to name only a few. The shades of grey around abortion legislation are many and varied, with laws allowing or prohibiting abortion on the grounds of rape, to save the life of the mother, physical health, mental health, disability, and socio-economic circumstances. In between the lines are conscience clauses that allow clinics to decide whether or not they will perform abortions, and various legislation such as that which stipulates that spousal authorisation is required. The barriers to reproductive rights for women are indeed many.

Where there are walls, however, passionate activists are targeting the cracks in between to see them crumble. Colombia is a case in point as is Portugal, but many other countries are relentlessly campaigning for reproductive rights along the scale - such as Poland. Polish law is at the same notch on the scale that Colombia had to fight to reach. The law allows abortion only when a pregnancy threatens the life or health of the mother, when the baby is likely to be permanently disabled or when pregnancy originates from a crime, for example rape or incest [4].

With the advent of a new political initiative to make abortion fully illegal, the Polish Federation for Women and Family Planning (FWFP) have taken up the fight to move up on the scale rather than backwards. In December 2006 they released a petition with over 1400 international signatures calling for the defence of current rights and advocating for full rights. In Poland, however, women's organisations have a long road ahead. The FWFP note that "abortion is a highly tabooed issue and no women have stepped forward to provide a public face for abortion rights struggles. The majority of women also consider abortion a private matter and are reluctant, therefore, to act outside the private realm by participating in public debates about abortion and publicly sharing their experience of having abortion." These are problems that many countries face.


Religion, politics, tradition
Sharing experiences across borders is vital in the struggle for reproductive rights - particularly where the ideology and religious beliefs create significant barriers. Reflecting on the strategy in Colombia, Monica Roa, lawyer and activist who challenged the Constitutional Court, highlights the importance of a clear separation between the Church and the State:

"I believe that one of the strategy's key points, especially in such a Catholic country (as I believe is also true of the region), is that the whole project was always clear on the fact that this was not a confrontation with the Catholic Church, we weren't asking the church to change its position on abortion.

" Marianne Mollman's research on access to abortion found that a clear separation of Church and State was not apparent in Argentina, however, and that religion and ideology routinely interfere with politics. In a presentation to Mujeres Autoconvocadas Rosario, a network of over forty women's organisations, NGOs, government representatives and individuals in Argentina, Mollman asserted:

"Most surprising to me is that in Argentina there is a lack of recognition of the necessity of a secular state in order to really address these rights, which are international rights. In contrast in Mexico, also a Catholic country, in which the general population takes into account priests' opinions, there also exists indignation when it is felt that the church becomes too involved in politics; there is a consciousness that state and church should not be mixed."

In Poland the Roman-Catholic Church is also extremely influential and the climate for women's rights activism is complex. Debates about abortion are guarded amidst a population of women split between the Communist and Post-Communist eras. According to one writer, young women in Poland view abortion as a moral issue, whilst older women see it as a question of rights. This reflects the shift from Communism, where abortion was legal, to Post-Communism and the influence of the church.
Read the whole article here

Publicidade


Oscars

Já está. Finalmente Martin Scorcese ganhou o tão ambicionado troféu de realizador. Mas, digam lá com sinceridade, alguém acreditava que com aquela entourage o Scorcese não ganharia? Que bandeira... não era suposto os envelopes estarem selados e envolvidos num estranho secretismo?
Na verdade, a última parte da cerimónia pautou-se por um nível de previsibilidade invulgar, até para uns oscars. Forest Whitaker, Helen Mirren, o citado Martin Scorsese foram vencedores demasiado antecipados, salvando-se os seus discursos (aqui Whitaker surpreendeu) . Mesmo nos actores secundários, era mais que espectável que a Jennifer Hudson ganhasse, e mesmo o Alan Arkin acaba por receber um prémio de carreira.
De resto, a Ellen Degeneres safou a coisa, foi sólida e capaz mas raramente hilariante. Lembro-me de um par de boas tiradas - isoladas, nada consistentes – e umas interessantes intervenções da plateia (num cenário mais «televisivo» e interactivo) e pouco mais. Não choerei a rir, como o fazia com Billy Cristal ou o Steve Martin. Para quando um Jon Stewart?
Ganhadores da noite: Scorsese, Helen Mirren, Forest Whitaker (mesmo hiper favoritos ganharam) e especialmente Al Gore. Dominou a noite.
Perdedores: Babel, Eddie Murphy, a emoção, numa noite muito calculada.
Finda a 79ª, venha a 80ª.
(aqui estão todos os vencedores)

Publicidade


segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Tempos de Antena

Movimento Voto SIM.

Tempo de Antena 1.

Duração original: 150 segundos
Emissão: ?

Ficção: João Salaviza (realização) e José Reis Santos (produção)

Depoimento: Ofélia Moleira (PSD). Falta (não sei porquê não se encontra nesta mostra) Afonso Candal (PS), Luís Campos Ferreira (PSD) e Helena Coelho (BE)

Ideia: Apresentar o Movimento Voto Sim, valorizando os seus principais activistas, os deputados do PSD, PS e BE que se associaram. A ligar as intervenções, e para não ser demasiado cansativo, apostou-se na ficção (retirada das que os Jovens pelo Sim estavam a produzir). Estas, devidamente enquadradas, apostavam nesta fase na questão dos tribunais e na necessidade de despenalizar a lei (à altura) corrente, que perseguia as mulheres até ao banco dos réus.


Oscars



Estes serão, concerteza, os Oscars por mim mais incompreendidos dos últimos 15 anos.
Não vi nenhum dos filmes nomeados (por razões várias há vários meses que não vou ao cinema), pelo que a apreciação da entrega das estatuetas douradas será feita por simpatia pessoal pelo ganhador e pelo respeito de alguns projectos (mesmo sem ver os filmes em causa, podemos «opinar» sobre o que lemos e vamos apreendendo sobre determinados projectos postos em celulóide).
Fica o reparo ao cartaz da 79ª edição dos Oscars. Das melhores que vi. Só frases de filmes oscarizados. Brilhante. Visualmente e em termos de conteudo.

domingo, fevereiro 25, 2007

Pick me, pick me...

O meu amigo Henrique Raposo apoia o regresso de Paulo Portas. Estou espantado. Que timming. Que surpresa.
Mais. Não só o apoia como lhe sugere que «se rodeie de gente nova». Tipo quem? Que tal malta nova, até, aparentemente, ligada à academia, com algum treinamento à direita e com presença regular em certos blogues e revistas. Que tal, Henrique, começarem a aparecer por aí certos Raposos a acessorar Paulo Portas? Já estás em bico dos pés?
É caso para dizer: pick me, pick me.

Adenda 2

Mini-Documentário sobre o 23 F

23 F

Nem me lembrava, mas o Daniel Oliveira não deixou escapar.

Fez ontem 23 de Fevereiro 26 anos desta tentativa de golpe de Estado em Espanha.



Bem sei que parece algo tirado do último filme dos Monty Python's, mas foi bem real. Nesse dia nuestros hermanos descobriram quão fino é, por vezes, o pano da democracia. Parece-nos, hoje, tão distante. Esquecemo-nos que ainda há quem se lembre - e muito bem - o que foi viver sem liberdade, sem possibilidade de expressão qualquer que não fosse a consentida, sem escolha política e sem futuro à vista.

Bem sei que muito evoluímos, que hoje somos melhores, que podemos esperar algo do futuro. Mas, relendo estes posts (este, este e este) parece-me que ou nos esquecemos de algo ou ainda falta um bom bocado a andar, antes de podermo-nos dar por minimamente satisfeitos.

Para mim a democracia não acaba no voto. Apenas aí começa.

A liberdade deve ser vivida diariamente, deve entrar no nosso quotidiano e tornar Gisbertas e outras que tais apenas episódios daqueles que se lembram do que antes acontecia.
Adenda
Outra versão, bem mais real, desta feita de uma reportagem da época.


Ainda Gisberta

Não podia deixar de fazer referência ao texto da Fernanda Câncio (aqui).
Um excerto.
Trato-te no feminino, Gisberta, porque foi mulher que escolheste ser e foi, parece que terá ficado mais ou menos provado no julgamento à porta fechada dos miúdos, por teres querido ser mulher tendo nascido homem, por seres "um homem com mamas", que foste objecto da curiosidade e depois da violência do bando. E trato-te por querida, Gi, porque me apetece. Desde o início, quando te imaginei só e derrubada, dias e noites de dor e medo e incredulidade à espera que eles parassem com aquilo, à espera que um deles chamasse ajuda, à espera que te vissem - que te vissem - e percebessem que não podias acabar assim, aos pontapés de meninos de rua de um país estrangeiro, tu que tinhas vindo de São Paulo para a Europa para cumprir os teus sonhos, tu que tinhas vivido em Paris e encantado plateias e arrebatado corações, tu que eras tu, única e irrepetível.

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Afinal não está completamente ao contrário...

Depois de escrever como o mundo estava ao contrario, afinal tenho de dizer que não é bem assim...

Itália. Roma. Portugal. Lisboa.


Sobre as últimas notícias chegadas de Itália (e não nos referimos à vitória do Braga em Parma), queria destacar esta última reflexão do Daniel Oliveira. Pelo que percebi ou o Daniel entende por hobby o que anda a fazer pelo Bloco de Esquerda ou então preparamo-nos para, pelo menos, uma coligação em Lisboa (que, para mim, só faz sentido no cenário actual).

Vale a pena ler o texto todo, mas reproduzimos aqui algumas (muitas) partes

Vamos, por facilidade, entender neste texto por "esquerda" os que estão à esquerda dos partidos social-democratas tradicionais. Quase sempre é feita a esta esquerda a mesma pergunta: terá maturidade para participar em soluções de compromisso? É, na verdade, um problema sem solução. Hoje, as principais clivagens políticas não se fazem entre a esquerda e a direita. Nem em política externa, nem em políticas sociais, nem no debate sobre o papel do Estado. Por deslocamento da social-democracia tradicional para a direita? Por cegueira ideológica da esquerda? Porque no plano estrito dos governos nacionais não há alternativas ao "realismo" do que se vai fazendo? A verdade é que hoje são maiores as afinidades entre um neo-liberal e um dirigente de um partido social-democrata europeu do que entre as várias componentes da esquerda.

-------

Resta a dúvida contrária: havendo um fosso intransponível entre partidos social-democratas e os partidos que estão à sua esquerda, devem os últimos arredar-se do poder condenando-se a si próprios ao papel de resistência inútil, para sempre na oposição? Não estão assim a atirar o centro-esquerda para os braços da direita? Não vale a pena ficar no confortável plano dos princípios. A esquerda deve medir cada um dos seus passos e cada uma das consequências das suas opções. Em Itália, sendo o regresso de Berlusconi um risco, a Refundação Comunista deve aguentar-se firme, tal como está a fazer a sua direcção, com um alto custo para a unidade do seu partido. O preço que a Refundação pagaria pelo regresso de Berlusconi ao poder por sua responsabilidade - pela segunda vez- seria tão alto que ela não só pode como vai aguentar isto tudo e muito mais. Sobretudo agora que se juntam ao albergue os democratas-cristãos de centro-direita que nem a sua agenda "fracturante" vão deixar de pé.

----------
Dito isto, em situações normais (as que nunca ocorrem em Itália) os governos de unidade de esquerda são cada vez mais improváveis. Serão mais naturais os governos de bloco central. Concordam em política externa, em política social e em política económica. É normal que quem veja a democracia como um mero acto de gestão da alternância na continuidade discorde de mim, mas os governos de bloco central não são compostos por forças alternativas. O entendimento ideológico é obviamente mais fácil. E faz-se, sem grandes dramas, quando a urgência o exige. O problema desta constatação é que, perante ela, a esquerda fica condenada ao degredo. E tendo o poder como uma miragem, não se sente na obrigação de construir um programa viável, fazer as alianças necessárias e abandonar a cartilha ideológica ou o populismo de circunstância. Condenada a receber ciclicamente o voto de protesto mais não pode ambicionar do que ser uma força de protesto.

----------

Por isso, a resposta às repetidas dúvidas sobre a disponibilidade da esquerda para a governabilidade é esta: depende. Depende do governo, das circunstâncias, do peso de cada um. De tudo. Mas a disponibilidade não pode ser tão pouca que o poder seja apenas uma projecto sempre adiado. Nem tanta que o programa político seja apenas um objecto decorativo. Sendo certo que um partido que não se vê a si próprio no poder não é um partido. É um hobby. E se só imagina no poder daqui a cem anos é pior que um hobby. É uma perda de tempo.

Das questões levantadas interessa-me, sobre outras, estas duas:
1. Será assim tão inevitável que a esquerda não partilhe o Poder? e isso é assim porque [1] não se identifica com tal, [2] não tem o necessário espírito de compromisso necessário para suportar governos de coligação (como o Daniel induz) ou [3] é dele afastado?
2. Qual será a inevitabilidade da criação de blocos centrais no contexto da política europeia contemporânea? Será o exemplo alemão o caso a exportar? Ou, pelo contrário, poderemos esperar que a esquerda (ou parte dela) assuma compromissos com a gestão do Estado? E aí o onus da aproximação ao Poder estaria onde? No possiel futuro exemplo na CML, seria o Bloco a aproximar-se ao PS para, em coligação (sempre com o PCP), governar Lisboa; ou, pelo contrário, seria de esperar que fosse o PS a aproximar- do BE, convidando-o para a partilha do poder da autarquia?

Esperemos pelos próximos capítulos (que virão...).

Divulgação


Reflexão. O final?



Terminas a tua última exposição com este parágrafo:

Em relação às tuas questões finais, Zé, penso que as pessoas não participam porque nunca foram habituadas a tal. Os portugueses delegam tudo ao Estado, às instituições políticas, pensando que apenas a estes compete decidir sobre a direcção do país, da autarquia ou da freguesia. Um bom exemplo é a fraca participação nas eleições e nos referendos. Porém, quando as medidas tomadas pelos responsáveis políticos não lhes agradam, criticam, queixam-se, lamentam, e não tomam atitudes. Para além do facto de a nossa democracia ser muito recente, penso que uma outra razão se vislumbra para tal situação e que é a sociedade burguesa em que vivemos. Uma sociedade das rotinas trabalho - casa e casa - trabalho (com férias no Algarve no Verão), do lazer, do fazer pela "vidinha", enfim, de um círculo vicioso que reduzem as pessoas a "cadáveres adiados que procriam". Nascem, arranjam um emprego, casam-se, reproduzem-se e morrem, sem ter a mínima curiosidade ou interesse por saberem quem é o vizinho do lado, quanto mais por participarem na vida da polis.
Por outro lado, parece-me algo difícil os grupos de cidadãos independentes poderem competir com as bem oleadas máquinas partidárias. Podem mesmo correr o risco de a médio ou a longo prazo cairem nos mesmos vícios que os partidos, e que tu, muito melhor do que eu, sabes quais são.

Não posso concordar mais. Temo é que seja essa realidade que apresentas esteja condenada a ser sempre verdade. Conheces-me e sabes que tenho uma posição pró-activa nestes assuntos. Acredito que se pode exigir mais da «sociedade civil» (que mais não é que um update do «povo» do século XVII) e que ela, quando lhe é dada a possibilidade, participa. Basta ver o último referendo. Há que continuar a acreditar que essa participação dará os seus frutos. É isso, em parte, que justifica a existência do Clube «Loja de Ideias», como sabes, e gostamos de pensar que não só não estamos sozinhos (há muita coisa a acontecer, pelo menos em Lisboa) como podemos , humildemente, contribuir para a tal «revolução das mentalidades» que recentemente expunhas.

Bom, se quiseres continuar podemos alongar a nossa troca de argumentos. É, como sabes, um previlégio e um prazer poder trocar ideias contigo, mais ainda desta forma exposta (tentei picar o Macieirinha, mas ele não se picou...) e informada. Estes temas que tratámos são, no meu ponto de vista, decisivos para tratar e analisar a política contemporanea. Espero resposta?

A Ler...


Protestos ,por Vital Moreira, no Causa Nossa;

20 Anos


Morreu, faz hoje 20 anos José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (Zeca Afonso).

O poeta máximo da nossa geração da utopia, fez-nos sonhar que poderia ser real um Portugal livre, solidário e justo. Dele guardamos o sonho, e a esperança de (ainda) vê-lo cumprido.

Academia


Em deambulações blogosféricas deparei-me com o blogue pessoal do Rui Bebiano, A Terceira Noite. Já o conhecia de outros projectos na blogosfera, nomeadamente do excelente Passado/Presente, que conheci via Tiago Barbosa Ribeiro - (Kontratempos). É de salutar esta presença de jovens investigadores e académicos, historiadores e politólogos, na net (neste tema; ver ainda o Amigo do Povo, a Margem de Erro, o Canhoto, as Industrias Culturais ou o Rui Tavares, para citar apenas alguns académicos com presença assidua na blogosfera).

Vê-los lembra-me que deveria divulgar mais o(s) meu(s) trabalho(s) de investigação (como aqui). Quem sabe no futuro não o farei com mais regularidade. Deixo uma pérola do Rui Bebiano:

«O Entrudo está perdido. Eu lembro-me que, sendo rapaz, houve tal Entrudo na minha rua, que por conta das peças que ali se fizeram, houveram vinte brigas e quatro mortes. Haviam então homens de bigodes; porém, hoje, estes Peraltas, ainda que lhes botem três arráteis de polvilho no topete, fazem uma cortesia, e vão andando o seu caminho.»

in O Entrudo desabuzado em Lisboa, Lisboa, 1783

Gisberta


Depois de ler o último post do Rui, sobre o aniversário da morte da Felisberta, recordei-me que me tinha esquecido de divulgar o comunicado de imprensa que recebi das Penteras Rosa, e que divulgo agora.

Comunicado de imprensa de 21-02-2007

Panteras Rosa - Frente de Combate à LesBiGayTransfobia

Um ano depois do assassinato da transsexual Gisberta. Tudo na mesma.

Faz amanhã um ano desde que foi encontrado o corpo de Gisberta, transsexual, toxicodependente, seropositiva, prostituta e imigrante brasileira, que sucumbiu a três dias de tortura e sevícias sexuais e posterior afogamento, ao ser lançada a um poço por um bando de rapazes no Porto. Um ano passado, fala-se de um crime que "chocou o País". E não é verdade: um país chocado, é um País que reage e previne. E não foi assim.

O problema está em que o referido "choque" foi limitado à jovem idade dos autores deste crime (eles próprios vítimas de injustas políticas sociais e de desprotecção de menores), e não se estendeu à perda de uma vida, à exclusão social extrema em que esta vítima mortal estava encurralada, e sobre a qual, um ano depois, praticamente nenhuma intervenção teve lugar, e nada de concreto se alterou. O País pode, portanto, acertar os relógios e continuar a contar os dias até à próxima Gisberta, talvez menos mediática mas nem por isso menos certa. Aliás, o País queria esquecer e já esqueceu.

Um ano depois, temos uma sentença judicial ignóbil que responsabiliza os jovens em causa por agressão mas que os iliba do assassinato e da tortura, sustentando que a vítima morreu por culpa da água em que se afogou. Gisberta morreu assassinada mas ninguém a assassinou, tal como às restantes transsexuais que têm tido sorte semelhante e cujos casos não vêm a público. Por outras palavras, podem matar-se transsexuais, porque isso não tem em si consequência jurídica.

Um ano depois, a protecção legal de pessoas como Gisberta continua inexistente, e as condições de marginalização de grande parte da população transsexual continuam intocadas porque os decisores políticos e o Estado continuam a fugir às suas responsabilidades, tal como aliás no que toca também à população homossexual:

Num país campeão da violência sobre menores, o sistema de "guarda e protecção de menores" continua sem medidas de reforma para que seja mais do que um armazém de crianças e jovens, das quais metade entregues a instituições religiosas, sem contexto emocional ou educativo .

Continua ausente da discussão política o reconhecimento do direito à identidade de género e a protecção legal da população trans contra a discriminação e a violência, no sentido do que legislaram já a Espanha ou a Inglaterra.

Os/as transsexuais continuam sujeitos/as a um processo médico abusivo e mesmo, os transsexuais masculinos, à esterilização forçada, para poderem alterar os seus nomes no BI . Continuam impedidos/as de ver alterado o seu género noutros documentos de identificação, com prejuízo evidente das suas oportunidades de acesso ao emprego .

Nada se fez para limitar o impacto da exclusão social da maioria da população transsexual. A primeira violência de que esta é vítima, é institucional e legal.

Numa altura em que a política institucional volta a adiar o reconhecimento do direito ao casamento civil para os casais do mesmo sexo, lembremos que em Portugal ainda estamos na fase de debater medidas que poderiam significar a diferença entre a vida e a morte.

Quando alguma agenda política e mediática tende a resumir ao tema do "casamento" as reivindicações do movimento Lésbico, Gay, Bissexual e Transgénero (LGBT), o caso de Gisberta Salce Júnior aí está para nos lembrar e não deixar esquecer que em Portugal a homofobia e a transfobia continuam regra, que a verdadeira fractura social está na discriminação, e não no reconhecimento de direitos à população LGBT.

Sobretudo, que no combate a estas discriminações, temas como o do casamento civil são "parte" mas não "o todo", porque está quase tudo por fazer naquilo que pode em concreto melhorar as vidas sujeitas a estas discriminações e violências.

Certo é que a transfobia, a homofobia, e a violência discriminatória começam e acabam por ser institucionais, e pouco se alterará nas mentalidades enquanto assim for, e enquanto os políticos continuarem a escudar-se na necessidade de "um grande debate nacional" para não fazerem o que está certo: prevenir (a violência e a discriminação), educar e legislar. O que não dizem os políticos que assim falam, é que eles próprios não estão abertos a esse debate:

A legislar contra a discriminação pela orientação sexual ou pela identidade de género, ainda mais desprotegida.

A assumir responsabilidade por políticas activas de Educação para a prevenção destas discriminações, à semelhança de outras.

A assumir a extinção de normas discriminatórias, como a que continua a excluir homossexuais na doação de sangue.

A alterar a legislação discriminatória e contrária ao princípio constitucional de não discriminação em função da orientação sexual , reconhecendo as novas expressões familiares e as famílias não-heterossexuais e os seus direitos: reconhecer os milhares de famílias de homossexuais com filhos e, em consquência, o acesso à adopção, alargar, sim, o acesso ao casamento civil, regulamentar o acesso à inseminação artificial para lá dos casos de esterilidade, regulamentar e fazer aplicar a Lei das Uniões de Facto.

O Estado continua a ser o primeiro violador da igualdade. Não só não a combate como promove a discriminação através da sua inacção e das suas leis.

"Tema fracturante", realmente, só vemos um: a discriminação que nos expõe à desigualdade e à violência, sobre a qual ninguém em Portugal assume responsabilidades. Mas essa indiferença tem custos humanos e sociais, de que Gisberta é um lembrete incómodo. E prova trágica de que quem não assume as suas responsabilidades, é já responsável.

MOVIMENTO PANTERAS ROSA - FRENTE DE COMBATE À LESBIGAYTRANSFOBIA
www.panterasrosa.com
www.panterasrosa.blogspot.com

Exposto isto, concordo com o Rui, que mais importante que recordar a morte da Gisberta é «celebrar» a sua vida e a liberdade que ele(a) teve para a pode escolher.

Não me parece boa ideia!

A petição para a criação de um memorial para Gisberta, morta à um ano, não me parece boa ideia. A morte de Gisberta, embora trágica, insere-se num conjunto de violência que deriva da não aceitação da diferença. O combate que deve ser feito é o combate à ignorância, à estupidez, à intolerância. Gisberta tornou-se conhecida não pela sua morte, mas pelas razões da sua morte! Façam um memorial à liberdade, na sua plenitude. É capaz de ser melhor!

quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Gender Pay Gap

Interessante. Para ganhar tanto quanto um homem ganhou no ano passado, em média as mulheres teriam de trabalhar até amanhã, dia 22 de Fevereiro. Impressionante.
Gender Pay Gap - Shut it! Day of action
The PES has declared Feb 22 Equal Pay Day because women have to work until February 22 to earn what men earned last year! On average across the EU the gender pay gap is 15 per cent - meaning that to earn what the average EU man earns in a year the average women has to work for a year plus another 15 per cent of a year. Read more

Reflexão continua


A conversa com o Ricardo Revez ainda dura.
Na sua última reflexão afirma:

Concluindo: se fosse necessário iniciar uma revolução política em nome da Liberdade, ou, num caso extremo, em nome da Igualdade, qual seria a importância do cidadão comum no desenrolar dos eventos? Concerteza que teria alguma. Porém, comparada com a que tinha no tempo em que Delacroix pintou a A Liberdade Guiando o Povo, seria um papel secundário - quando faço esta afirmação refiro-me à parte violenta das revoluções, à luta armada, à resistência nas ruas, que estas quase sempre implicam. No final do século XVIII e durante o século XIX, o povo em armas derrotava guardas de elite. Hoje em dia, se o exército regular não estiver do seu lado, o povo nada pode fazer.É apenas isto.

Pergunto-me se o conceito de «Povo» que utilizes não será um pouco idílico, pouco «real». Pergunto-me também se o «Povo» de Paris antes e se barricar - nas diversas vezes que se barricou sabia que iria se barricar; ou seja, questiono-me acerca do carácter espontâneo da possibilidade transformista impulsionadora de uma atitude revolucionária. Isso é, até que ponto o «Povo» é actor, participante ou impulsionador.
Nos dias de hoje, concordo que ficaria muito surpreendido se os lisboetas, por exemplo, cercassem a Praça do Município e exigissem a demissão do Presidente da CML. Parece que o poder de decisão por tal resolução está restrito aos principais agentes políticos (e jurídicos) que, de forma táctica e estratégica, decidem entre si do bom timing de tal decisão. A população, o Povo, é afastada desta decisão. Será posteriormente chamada a pronunciar-se em eleições. Agora, deverá ser só esta a participação destinada ao «Povo»? que outras formas de participação mais directa e reactiva podemos conceber? Orçamentos participativos? Assembleias de Freguesia e Municipais (sempre às moscas)? É verdade que são os partidos que intermedeiam a participação política (e organizam as listas onde se elegem os representantes às mesmas assembleias, mas também é verdade que não são só os partidos que têm esse beneplácito. Grupos de Cidadãos Independentes podem se organizar e concorrer a eleições municipais. Porque não o fazem de forma mais regular?
(a continuar)

A questão da paridade.

Em Wimbledon passa a ser uma realidade.

O destaque de hoje

Eis o destaque de hoje do New York Times, na secção Travel.

Lisboa activa


Exposição Cesky Komiks
Sabemos que a Checoslováquia já era, que Kafka e Kundera continuam a ser obrigatórios, que Praga é um sonho de cidade e que “Miluji te” significa “amo-te” em checo. Mesmo assim, propomos uma espécie de “blind date”: “Cesky Komiks”. É uma mostra de BD checa, para conhecer os “quadradinhos” que temos andado a perder. Caricatura política e crítica social são as mensagens deste humor que foi marginalizado e considerado kitsch, mas que sobreviveu às ditaduras, à pressão crítica e à censura. São 40 quadros que retratam a BD checa desde 1874 até hoje, com clássicos como Kája Saudek, a tocar a estética “Pop Art” e “Erótica”, e trabalhos mais recentes como o livro “Bíly Potok” da dupla Jaroslav RudiÅ¡ e Jaromír 99, sobre episódios desconcertantes na fronteira checa e alemã. Tudo cool aos ‘quadradinhos’! /Vera Peneda

ONDE
Bedeteca de Lisboa Palácio do Contador-Mor
Rua Cidade de Lobito OlivaisTel.21 853 66 76

QUANDO
de 2ªf a 6ª, das 10h às 19h. Até 15 de Abril

QUANTO
Entrada livre

Teatro Tangos e Tragédias
A Sbornia já foi um país mas agora é uma ilha à deriva, com um sistema político anarquista hiperbólico, fazendo fronteira aqui e ali, conforme o país a que se cola. Importa todo o tipo de lixo cultural (de onde se aproveita sempre qualquer coisa) e exporta uma flor com poderes especiais. Duas importantes figuras oriundas de Sbornia, o Maestro Plestkaya e o Violinista Kraunus, fugiram de lá quando a ilha foi invadida pelo rock’n’roll, e andam pelo mundo a mostrar obras de compositores brasileiros mundialmente esquecidos ou ignorados. Quem viu este espectáculo, em cena há mais de vinte anos, diz que é de morrer a rir. Luís Fernando Veríssimo, por exemplo, já viu oito vezes. É melhor não perdermos isto. Nunca se sabe quando é que eles voltam de vez para a Sbornia. /Blindim
ONDE
Teatro Tivoli Avenida da Liberdade

QUANDO
de 21 a 25 Fev às 21h30

QUANTO
de 15 a 25€

-----

Cinema Monty Python e o Cálice Sagrado
Pessoas sérias não vêem destes filmes! A insanidade começa nos créditos iniciais a avisar que a anarquia e o surrealismo das cenas vão virar a Idade Média de pernas para o ar. Desta vez, a jornada do Rei Artur e dos seus Cavaleiros na busca pelo Santo Graal envolve sérios cortes orçamentais. O rei Arthur não tem cavalo (mas ‘cavalga’) e Merlin só possui um cajado lança-chamas, mas em Camelot há show de table-dance, há um coelho assassino, uma granada sagrada e os cavaleiros do ‘Ni’. Foi assim que o culto desta trupe chegou ao cinema: Graham Chapman, John Cleese, Eric Idle, Michael Palin e (o mestre) Terry Gilliam, são os delirantes Monty Python. Animação bizarra, nonsense e espírito truculento descrevem esta loucura do humor britânico, que critica enquanto mata a rir! Isto só (re)visto! De preferência em ecrã grande. /Vera Peneda

ONDE
Cinemateca Rua Barata Salgueiro, 39Tel. 21 361 02 20

QUANDO
dia 26 às 15h30

QUANTO
€2,5

O Estado Novo foi um Estado liberal?


O Daniel Oliveira (no Arrastão), faz referência a este post do Pedro Arroja no Blasfémias. A questão era simples: Foi o Estado Novo um Estado Liberal na economia? Ainda pensei em responder (que não, claro), mas, depois de ter averiguado a posta do Fernando Martins no O Amigo do Povo desisti.
Reproduzo alguns excertos.
Se eu fosse liberal nunca diria que o Estado português nos tempos de Oliveira Salazar e Marcello Caetano fomentou o crescimento económico. Diria exactamente o contrário. Afirmaria que a economia cresceu apesar do Estado Novo.

Aliás, quando Marcello Caetano chegou a presidente do Conselho – logo ele que tinha sido um dos maiores teóricos do corporativismo português – passou a queixar-se sistematicamente do peso do Estado na economia portuguesa (estão aí as “Conversas em Família” para o recordar), das regulamentações absolutas e absurdas que impusera desde a década de 1920 (ninguém se lembra dos preços tabelados a torto e a direito?) e da devoção que muitos portugueses – pobres, ricos e remediados – tinham pelo Estado e pelas regulamentações que, de igual modo, lhes afagavam a vida. Marcello Caetano quis, entre 1968 e 1974, dar aos portugueses um módico de liberalismo económico. Mas o raio dos portugueses não aceitaram. Parece, aliás, que ainda não aceitam. Portanto, o Estado Novo não foi, nem podia ter sido, um "el dorado" do proto-liberalismo económico português.

Adianta ainda o Fernando, quando interrogado na caixa de comentários:

Caros comentadores.
Não me parece que se possa comparar a "3ª. República" ao Estado Novo quanto ao grau de liberalismo económico. As circunstâncias são/eram totalmente diferentes. No entanto, gostaria de recordar que se o Estado, entre 1933 e 1974, pesou relativamente pouco na economia, e por "comparação", tal não sucedeu porque quisesse ser liberal. Simplesmente havia a convicção de que não devia desempenhar um papel importante em áreas como a educação, a assistência na doença, na velhice, etc.. Esta atitude permitia-lhe cobrar menos impostos mas não teve qualquer reflexo relevante ao nível do crescimento económico. Assim, e entre 1950 e 1973, a economia portuguesa não cresceu de forma muito destacada se comparada com a Alemanha, por um lado, ou com a Irlanda, a Grécia e a Espanha, por outro. Atente-se ainda, para perceber o grau de intervenção do Estado na economia, àquilo que eram os níveis absurdos de regulamentação de preços, salários e investimento ou o elevado nível dos gastos com a Defesa, algo que, aliás, precedeu o início da guerra nas colónias de Angola, Guiné e Moçambique.
Por outro lado, como é que podemos considerar que o Estado Novo foi (relativamente) liberal na economia quando, por exemplo, politicamente não era permitida a competição e o conflito ao nível laboral/sindical? É claro que foram criados serviços públicos novos, importantes e eficazes. Que se investiu muito no sistema de ensino, que se construíram novos tribunais e infra-estruturas ferroviárias e rodoviárias tanto na metrópole como no ultramar. E tudo isto foi feito com impostos sempre relativamente baixos, baixo endividamento interno e externo, ficando assim demonstrado alguma eficácia estatal. Porém, o investimento público foi claramente muito insuficiente durante o Estado Novo. Por exemplo, no que respeita à electrificação, ao abastecimento de água em rede pública, ao esgotos, à assistência materno-infantil. E tendo sido assim, pergunto se não teria sido preferível aumentar os impostos e a dívida pública para resolver estes problemas que empurravam Portugal para a cauda da Europa e, sobretudo, faziam com que muitos nossos concidadãos continuassem a viver pobremente?
Sem espinhas. Que lição. Excelente.

Lisboa activa

Concerto Filipe Melo Trio
Começou por ser pirata informático mas ter sempre a policia à perna não é vida para ninguém. Deu uma volta pela comunicação social, mas as palavras também não lhe enchiam as medidas. Quem for inteligente e vier ouvi-lo esta quinta-feira no Club Maxime, que merece uma visita por si só, sai apenas com uma duvida: porquê tanto tempo para descobrir aquilo que é óbvio até a um surdo: Filipe Melo nasceu para tocar piano. Parece um peixe a deslizar veloz por uma oceano de notas, sempre acompanhado por Bernardo Moreira no contrabaixo e Bruno Santos na guitarra, num swing alucinante que deixa qualquer um com o pezinho a pedir dança. O Jazz português no seu melhor. /Frederico Oliveira

ONDE
Club Maxime Pr. Da Alegria 58

QUANDO
dia 22 a partir das 22h (abertura de portas)

QUANTO
N/D
----

Conferência Walter Benjamin
Ver e falar. Os dois verbos conjugam-se no encontro de dois dias sobre Walter Benjamin na Culturgest. Será possível ver a estreia do documentário "Quién Mató a Walter Benjamin" de David Mauas, onde são abordadas algumas questões sobre o pretenso suicídio do filósofo. E vamos também ouvir falar da obra do ensaísta alemão, nomedamente sobre a saída do terceiro volume (A Modernidade), das Obras Escolhidas de João Barrento. É tempo de reflectir sobre a obra de um rapaz míope, doente e franzino feito homem ensaísta e crítico literário. Para ajudar à reflexão a Culturgest recebe Bernd Witte, Maria Filomena Molder, Manuel Gusmão, João Barrento, David Mauas e o compositor José Júlio Lopes. Para mais informação é favor clicar ici. /Catarina Medina

ONDE
Culturgest Rua Arco do Cego, Campo pequeno

QUANDO
levantamento de senhas 30 min antes do início de cada sessão

QUANTO
Entrada livre (lugares limitados)

---------

Festival Winter Jam
Nada que use para descrever o que fazem estará perto do louvor musical que os Groundation são. Roots reggae. Moderno. Energia que não pára nunca de crescer. Fusão perfeita com o jazz, harmoniosa como toda a luz que exaltam. Vêm apresentar o novo albúm, "Upon the Bridge", numa noite cheia de motivos para engrandecer o espírito. Em estreia absoluta: Júnior Marvin - a lenda jamaicana, autor do clássico “Police and Thieves” - e U-Roy - pai de todos os MC´s, “The Originator”, o homem que revolucionou a cultura musical jamaicana do fim dos anos 60. Este festival de lendas completa-se com a liberdade, paz e harmonia dos One Love Family e o som dos Julah Jah Soundsystem nos intervalos e pela noite dentro. Abram o coração e deixem entrar a luz. //Célia F.

ONDE
Pavilhão Desportivo de Lombos Carcavelos

QUANDO
dia 23 às 21h

QUANTO
25€

Lisboa informada


Retirado daqui


Adiamento da exigência de ida às urnas pelas forças partidárias pode redundar no aumento do “cinismo político” por parte dos eleitores
A situação que se vive na Câmara de Lisboa é insustentável e a ida às urnas para eleições intercalares inevitável. Pelo menos, é isso que pensam vários analistas ouvidos pelo Público sobre a crise que se vive na maior autarquia do país.
“Esta Câmara está ferida de morte do ponto de vista da sua capacidade de acção”, considera o especialista em sociologia política André Freire, que julga ser “mais do que duvidosa” a “estratégia calculista de curto prazo” do líder do PSD, Marques Mendes, de querer manter a todo o custo um executivo camarário “sem condições para continuar em funções”.
O sociólogo Manuel Villaverde Cabral pensa também que a ida às urnas é uma inevitabilidade e só estranha que o actual cenário não tenha surgido há mais tempo, numa cidade dominada nas últimas três décadas “pela especulação imobiliária desenfreada ligada ao financiamento partidário, pela corrupção e pela perda de população” – “à excepção dos tempos de Jorge Sampaio”. O analista diz que o papel que os maiores partidos têm desempenhado nesta crise, evitando exigir eleições por questões de conveniência estratégica, pode resultar no aumento do cinismo político dos eleitores: “Passam a pensar: ‘As forças políticas são todas iguais, não vale a pena. ‘”
Esse é também o raciocínio do especialista em ciência política António Costa Pinto: se os partidos tradicionais continuarem a desapontar a sociedade civil, corre-se o risco de “os seus sentimentos anti-políticos associados à passividade e ao desinteresse evoluírem para uma conjuntura propícia ao surgimento dos partidos populistas e anti-sistema, que defendem que os políticos são todos corruptos – à semelhança do que aconteceu em países como a Holanda”.
Muito dos problemas agora surgidos radicam no actual modelo de funcionamento das grandes autarquias, observa o politólogo Manuel Meirinho, que para levar a sua função “se desdobraram em extensões empresariais não sujeitas a fiscalização”. O resultado está à vista, mas o modelo mantém-se, “acarinhado por todas as forças políticas por via da proliferação de cargos que gera para as clientelas partidárias”. Chegados ao “total descrédito dos agentes políticos”, seria de esperar que alguém – além do Bloco de Esquerda*, que já o fez – avançasse para o pedido de eleições. O que não acontece por razões de agenda política e também porque pegar numa autarquia endividada e com apenas ano e meio de mandato pela frente “pode ser suicidário”.
“Talvez fosse altura de os partidos pensarem mais no interesse geral, de darem sinais positivos e apresentar rapidamente alternativas à sociedade civil. Mesmo sabendo das dificuldades do próximo mandato, não deviam ter uma atitude tão prudente em relação às eleições intercalares”, opina Costa Pinto.“Os cidadãos são os que menos contam nisto tudo, e não devia ser assim”, critica Meirinho. “Deve estar-se sensível à sociedade lisboeta – o que não tem acontecido”, diz também o especialista em sistema de governação de Lisboa “extremamente fragmentada, desconexa e sem projecto, que fica mais facilmente à mercê dos lobbies”.
In Público, 22.02.2007

Notícias


De França, via Margem de Erro.
Também aqui se espera uma eleição muito interessante (a antecipar esta...)
De Itália.
(visto aqui e aqui)

Alberto João Contorcionista

Alberto João Jardim fez mais um número de contorcionista. Agora afirma que não quer fazer "Guerra a Lisboa", depois de o andar a fazer nos últimos meses. A seguir e caso tenha uma maioria absoluta, ameaça ir falar com “os governos da UE - e a Assembleia Legislativa da Madeira pode dirigir-se a qualquer governo” por estes “estarem a falar com um executivo que em Portugal começa por não respeitar os direitos das suas populações” posicionando-se assim como principal defensor do estado democrático (logo ele!)

Mas o mais curioso, e número maior no contorcionismoa, são os comentários sobre o "Sr. Silva". Depois de atacar o Sr. Silva à cerca de 2 anos e meio, vem agora dizer (sobre a sua relação com o "Sr. Silva") «Enganam-se. Somos amigos há muitos anos e ainda há poucos dias tive a ocasião de lhe dizer que, passe-se o que se passar, a amizade e a lealdade são dois valores inalteráveis». Está tudo aqui.

Alberto João Jardim no seu melhor, indubitavelmente.

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Tempos de Antena

Sobre o primeiro tempo de Antena do Movimento Jovens pelo Sim alguns esclarecimentos. O Tempo tinha a totalidade de 150 segundos (2 minutos e meio), foi feito a pensar que seria apresentação do movimento, na RTP, numa quarta-feira pelas 19 horas (antes do «Preço Certo»). Decidi avançar por uma estrutura composta por duas ficções (de resto uma aposta fixa do Movimento dos Jovens pelo Sim), um depoimento (do Ricardo Araújo Pereira) e alguns separadores.

As ficções foram produzidas por mim e realizadas pela Maria Antunes (a primeira, intitulada «Diálogos de Café») e pelo Carlos Conceição (intitulada «Grafitti»). A ideia era apresentar o Movimento, num começo calmo e dialogante. Daí a cena, entre dois homens, nu qualquer café. Depois introduzíamos o depoimento. A escolha do Ricardo é mais que entendível (só o sketch que fez sobre o Marcelo contou mais que centenas de tempos de antena). Depois finalizámos com outra ficção, esta dedicada exclusivamente ao apelo ao voto jovem. Neste série, aqui inaugurada, procurarei relatar a minha experiência na campanha eleitoral. É minha intenção mostrar os tempos de antena que produzi, falar um pouco da estrutura dos mesmos, das sua estratégia de comunicação e da sua posição táctica no decurso da campanha.
O primeiro post funcionou um pouco como um teaser para o que pretendemos alcançar. Foi minha preocupação, ao estruturar a estratégia de comunicação, procurar articular os recursos existentes com um conteúdo definido numa estratégia de comunicação pensada. Os recursos foram quase inexistentes. Não só não havia quaisquer meios financeiros que pudessem comprar soluções como os recursos humanos disponíveis (nomeadamente eu) pouca ou nenhuma experiência tinham na área da produção audiovisual na altura da entrada no projecto. Mesmo eu vi-me envolvido porque, numa determinada reunião, quando perguntaram aos participantes onde gostariam de participar, eu disse «Tempos de Antena». Mal sabia onde me iria meter. É o que se pode dizer «estar no sítio errado na altura errada»… é que sou académico, investigador ligado ás áreas das Ciências Sociais e Humanas, História e Ciência Política. Pouco ou nada sabia de produção.


Devo dizer que aceitei relutantemente a responsabilidade de coordenar os Tempos de Antena, de Rádio e de Televisão. Somente após uma primeira reunião com o Daniel Oliveira (que, pelo que soube, tinha o «meu» lugar no referendo de 1998) que decidi começar o meu envolvimento.


E após essa decisão foi a sério.


(continua)

O Mundo ao contrário

Hillary Clinton aumenta apoio na comunidade negra democrata.
Barack Obama aumenta apoio em Hollywood.

Vá-se lá perceber estes americanos!!!

Reflexão natural


Ricardo,

Realmente Delecroix merece mais alguma reflexão.

Não acho que desacordes das minhas posições, pelo contrário até reforças algumas ideias. Agora, parece é não vemos olho a olho a desconstrução da tríplice aliança «Liberdade – Igualdade - Fraternidade». Para mim só a Liberdade é sujeita de atitude revolucionário.
Tu, quando respondes que Para além da Liberdade, que está conquistada, mas que, repito, não é um dado adquirido, existe a Igualdade. Deve ser esse o propósito. Não me refiro à Igualdade política, que já existe, mas à socio-económica. Não me refiro à Igualdade absoluta, utópica, mas sim à Igualdade possível, no acesso qualificado à Saúde, à Educação, à Justiça e a um emprego seguro e decentemente remunerado. São estas as novas causas. Só depois, infelizmente, será exequível passar à próxima e derradeira fase: a busca de uma verdadeira Fraternidade. Todavia, eu não defendo que façamos revoluções políticas sem mais, nem menos. Penso que devemos tentar resolver os assuntos relacionados com as desigualdades através do sistema e de uma forma gradual. Isto leva-nos à forma como eu encaro o conceito de "revolução" hoje em dia. acrescentas que também a Igualdade e a Fraternidade devem ser alvo de atenção política. Eu sei que não defendes totalmente o carácter revolucionário do acesso à conquista desses direitos, mas então concordamos, não? Só a busca da Liberdade deve ser revolucionária, não? A procura do ideal da Igualdade e da Fraternidade devem ser políticas, e não revolucionárias.

Adiante acrescentas:

2-Em circunstâncias consideradas normais, ou seja, em democracias ocidentais consolidadas, as revoluções só devem ser de cariz político e socio-económico se houver uma ameaça às liberdades das populações, ou se estas já tiverem sido destruídas ou amputadas. Penso que existe um outro tipo de revolução que ainda tem espaço nos sistemas democráticos: a das mentalidades.

Aqui concordamos. E aqui também partilho do teu ímpeto revolucionário. Também eu defendo que são necessárias revoluções nos quadros mentais que sustentam s sociedade portuguesa (e ocidental?). Mas aí já estamos num outro patamar. Já não nos referimos à revolução política – e mesmo social – que nos referíamos anteriormente. Referimo-nos à revolução mental que sedimenta todas as anteriores.

Tem piada, ontem, depois de ter escrito o tal post de diálogo contigo, foi colocar uns ímanes no frigorífico – umas frases soltas sobre política, trazidas dos EUA, que a minha irmã me ofereceu pelo Natal – e fiz esta frase «every generation needs a revolution». Pu-la acreditando nela, e porque acredito que se as revoluções políticas para mim deixaram de fazer sentido (na maioria dos casos), já as revoluções mentais escasseiam. E aí partilhamos a análise, e voltamos aos livros: o papel do intelectual, dos grandes e das pequenas revoluções (é tão importante para mim uma mudança revolucionária nos manuais escolares – na superestrutura, portanto - como uma mudança revolucionária na sala de aula – na infraestrutura).

Mas, e com isto termino, ainda acredito que o político é possível. Ainda acredito que a boa acção política – na gestão da coisa pública, na criação das condições necessárias para a boa vivência social – pode ser revolucionária pelo exemplo. Deixo uma ideia. Lisboa está desgovernada. Totalmente abandonada e desacreditada. Não será possível criar um nova equipa que governe a cidade de forma a ela reganhar o elan que já teve? Não será possível criar um programa e angariar uma equipa que possa, em 10 anos, por Lisboa novamente no caminho da modernidade? Não será possível construir programas políticos que, alicerçados na Liberdade e baseados na Igualdade almejem a Fraternidade? Eu acho que sim. Ou pelo menos assim quero pensar…

Novamente a questão das Semanas

Segundo Luís Graça, presidente do Colégio da Especialidade de Obstetrícia da Ordem dos Médicos, Amilia, o bebé nascido com 22 semanas nos EUA, pode ficar vegetal.


Gostava de ver os comentários daqueles que até há bem pouco tempo discutiam as 10 semanas...

Segurança

E ainda falam mal das nossas polícias. Decerto que isto terá algo a ver com o corropio de arguidos que andam a aparecer na Câmara Municipal de Lisboa:

Lisboa considerada a capital mais segura da Europa.

Engajamento


Estava a trabalhar (a rever um livro para publicação - espero - em breve) quando me deparei com esta pérola:


PCP (m-l) também concluiria: “o essencial da nossa concepção da literatura e da arte está já dito. Terminamos com as palavras do grande mestre do realismo socialista Andrei Jdanov: «Eu penso que cada escritor soviético pode dizer seja a que burguês obtuso for, seja a que filisteu for, seja a que escritor burguês for que lhe fale do carácter tendencioso da nossa literatura: “Sim, a nossa literatura soviética é tendenciosa, e isto orgulha-nos, porque a nossa tendência é que nos queremos libertar os trabalhadores e todos os homens do jugo da escravatura capitalista”».


Parte da citação é retirada de F. Pereira de Moura, A. Proença Varão, A. Borges Coelho, Avelino Rodrigues, Daniel Sampaio e Carlos Caldeira, Esclarecer o eleitor. Inquérito aos partidos políticos, Fernando Ribeiro de Mello/edições Afrodite, s.l., 1975.

Inquérito elaborado por Francisco Pereira de Moura, António Proença Varão, António Borges Coelho, Avelino Rodrigues, Daniel Sampaio e Carlos Caldeira e contando com a colaboração de Jorge Sampaio, Marcelo Rebelo de Sousa, Mário Sottomaior Cardia, Vilaverde Cabral e Fernando Ribeiro de Mello. (adiante F. Pereira Moura et al) em 1974-1975.

O livro em preparação é sobre a Assembleia Constituinte.

terça-feira, fevereiro 20, 2007

Tempos de Antena




Muitos não saberão, mas estive muito envolvido na campanha eleitoral do último referendo.

Fui responsável pelos tempos de antena (de Televisão e da Rádio) do Movimento Voto Sim e do Movimento Jovens pelo Sim. Foi uma experiência desgastante e enriquecedora, recompensada pela votação de dia 11 e pela oportunidade de trabalhar com muita e boa gente sem partido , de varios estruturas partidárias e associativas.
Nestes próximos dias, conto em partilhar convosco algumas das experiências que tive na campanha. Começo por vos mostrar o primeiro Tempo de Antena do Movimento Jovens pelo Sim, passado na RTP no dia 30 de Janeiro.





Divulgação


APRESENTAÇÃO DE LIVRO


Terça-Feira, 27 de Fevereiro, 18h30

Nouvelle Librairie Française
Entrada livre

Les Habitants d'Alcântara. Histoire sociale d'un quartier de Lisbonne au début du XXe siècle, Presses Universitaires du Septentrion
de Frédéric Vidal

Livro apresentado por Miriam Halpern Pereira

Este livro debruça-se sobre a história de um dos bairros industriais mais emblemático da capital portuguesa. È o ponto de vista da população que está aqui privilegiado. Segue-se o percurso de um grupo de habitantes de duas ruas de Alcântara, observando a diversidade das trajectórias individuais e familiares, das pertenças profissionais e das relações sociais.
Trata-se de analisar modos de encontro e de distanciação entre grupos socioprofissionais em permanente construção, ao longo das primeiras décadas do século XX. Através do estudo intensivo de uma fonte dita "pobre" – um conjunto de registos paroquiais e civis – é também sugerida uma reflexão em torno dos métodos e das problemáticas da história social das cidades
contemporâneas, na sua relação com os questionamentos mais específicos da antropologia e da sociologia urbanas.
Frédéric Vidal é historiador. Nasceu em França e vive em Lisboa há vários anos. È investigador no Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa e membro associado do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE. Este livro é retirado da sua tese de doutoramento defendida na Université Lyon 2 em França em 2003.
--------

28 de Fevereiro de 2007 pelas 18H

Auditório Afonso de Barros - ISCTE
Avenida das Forças Armadas - Lisboa

O Teatro da Sociedade
de Nuno Pinheiro

Apresentação:
José Augusto França

A Liberdade Guiando o Povo

Na Casa de Usher, num dos seus últimos textos, o Ricardo Revez deambula sobre um programa que a RTP 2 deu recentemente (e que, curiosamente, também vi na sua parte final) sobre o famoso quadro de Delacroix A Liberdade Guiando o Povo».

Esta pintura, relativa à Revolução de 1830, que substitui Carlos X por Luís Filipe de Orleães (que seria, por sua vez, afastado em 1848 - desta vez por uma República), procura humanizar a revolução, tornando-a mundana, acessível e reconhecível. Nela, na Revolução, é o Povo que se envolve e decide. É a gentalha, o commun people, o petit borguoise que toma armas em mãos e procura interferir directamente com o destino, liderado, idilicamente, apenas pelos ideais-tipo da Liberdade, da Igualdade e da Justiça. Esta mole humana, apenas organizada na ideia, é, muitas vezes, apenas geneticamente reactiva, actua geralmente motivada por razões económicas e políticas. Procura resolver os seus problemas imediatos (maus anos agrícolas, fomes, inflação), mas, na essência luta pela sua Liberdade (política – cívica e económica).
É esta luta pela Liberdade que torna a causa revolucionária universal. Ela torna-se, durante esta primeira fase, apenas destrutiva. Procurava destruir o «Antigo Regime», esse mundo velho aristocrático, por um novo mundo possível, concebido com novas formas políticas – a República. E uma vez garantido o acesso a esta possibilidade construtiva a revolução deixa de fazer sentido. Urge, então, construir um Estado e um sistema político que possibilite a vida em sociedade com a Liberdade e a Justiça como suas premissas. Sou muito mais americano que francês (e percebi-o agora), porque acredito na construção política e não apenas na destruição de sistemas anacrónicos e injustos.
A frequência revolucionária é, então, associada à percepção do alcance das suas medidas, nomeadamente em períodos de indefinição sistémica e estrutural. Foi assim durante todo o século XIX, enquanto o acesso político não era permitido às camadas reivindicativas da população (e apenas a estas – repare-se na história do acesso ao voto das mulheres, ou dos analfabetos).
Concluímos que a luta pela Liberdade é a luta primordial, sem a qual nada se poderá construir. Estamos de acordo com a necessidade revolucionária. Mas, uma vez conquistadas essas liberdades, para onde partir? Se a Liberdade é uma característica comum às lutas revolucionárias do século XIX (a luta pela Liberdade política e cívica), e se hoje é comummente aceite que a alcançámos, quais devem ser as causas revolucionárias de hoje? Deve a causa revolucionária servir algum outro propósito que não seja a busca de Liberdade?
Aí, Ricardo, divergimos. Eu acredito na mudança política, programática e progressista. Acredito que, uma vez construído, deve o sistema político dar respostas às necessidades sociais, políticas e cívicas dos seus cidadãos. Aí só é necessária a Política, não a Revolução.

Referes, Nessa época, quando se queria fazer progredir a civilização, levantavam-se duas ou três dúzias de barricadas na capital de França e passado uns dias o mundo pulava e avançava. Agora, com o gás lacrimogéneo e as balas de borracha, já não dá para mudar seja o que for, a não ser de canal de televisão quando algo não nos agrada.

Isto deixa-nos uma última questão: quais as barricadas que podemos erguer hoje, no início do século XXI? O que deve substituir as pedras da calçada e os barrotes de madeira? Como resistir, como mudar?

Como mudar? Envolvendo-nos. Na Política.

domingo, fevereiro 18, 2007

País


É este o país que votou a 11 de Fevereiro.
É este o «novo» mapa.
O SIM consolidou o SUL e os principais centros urbanos (nomeadamente as CAPITAIS DE DISTRITO).
O SIM conseguiu entrar no Norte como o não havia feito em 1998. Ganhou Distritos como LEIRIA, CASTELO BRANCO e PORTO, que havia perdido em 1998.
De maneira geral, o SIM subiu a sua votação pelo país todo.
O NÃO perdeu votos em todo o lado. Manteve as ilhas e parte do Norte, embora já sem o domínio acentuado de 1998 (onde tinha várias votações de 70-30 tem agora de 60-40 ou mesmo de 55-45).
A abstenção, apesar de ainda ser significativa, afastou-se da verificada em 1998. 43% de votantes não envergonha, ao contrário de 31%. A votação de 59.2% para o SIM e 40.8% para o NÃO dissapa quaisquer dúvidas relativamente ao vencedor da eleição (e do referendo).

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

CML


Durará a CML até ao Verão?
Não me parece.
A questão já não é se a câmara virá abaixo (com as consequentes eleições intercalares) mas antes quando.
(tema a regressar...)

Amigos...


... na blogosfera.


1. Ricardo Revez, na Casa de Usher.


2. Kindala Rocha, nas Cronicas de Longe (do Japão).


3. Rui Paulo Figueiredo, Lisboa quem te viu e quem te vê.

Tempo

Tenho de ter mais tempo para escrever

A Ler...

Sobre o programa "Os Grandes Portugueses" e reacções


Liberdade de Expressão para todos (mesmo, sobretudo, para os parvos!), n'"Os Putos e a sobrinha do faroleiro"

O Défice

Depois de tanto apertar o cinto, parece que começam a aparecer os resultados. Já é garantido que o défice vai ficar "bem abaixo" dos 4.6% estimados pelo governo. Segundo a notícia do DN, é possível até que no final deste ano (seguindo este caminho) se consiga baixar dos famosos 3%, o que faria com que cumpríssemos o prazo com um ano de antecedência (que coisa tão pouco portuguesa).

Por outro lado, o governo não modifica nenhuma das metas (de ter somente de cumprir em 2008).

De qualquer forma, parece que está a resultar a política financeira aplicada. Esperemos que se consiga, pelo menos, cumprir os prazos, para que se comece a apostar mais no investimento, e menos no corte (mas com rigor).

quinta-feira, fevereiro 15, 2007

Domingo




Domingo


Divulgação


Livraria Libritalia
Os bons nascimentos dão-se sempre da união do amor com algo que falta preencher. Juntou-se o amor de três italianos pela cultura do seu país à necessidade de haver um espaço especializado em língua italiana e…nasceu a Libritalia. Livros de ficção, teatro, cinema, arquitectura, turismo, banda desenhada, escolares e didácticos, ensaio…tudo. Aqui encontram-se livros, mas não só. O espaço, impregnado da boa energia dos seus criadores, é versátil e transforma-se ao sabor dos eventos de que é palco para melhor cumprir a missão de divulgar o que pertence ao circuito dito alternativo, ou menos visível, do que se faz em Itália ou por italianos. Exposições, projecções de filmes, concertos de jazz e música étnica…
Entrem e estejam como em casa! /Célia F.

ONDE
Rua do Salitre, 166b RatoTel. 21 3840245

QUANDO
Seg. a Sex. das 10h30 às 19h30

QUANTO
...

Café do Monte
Invulgarmente interessante. Em que sítio se poderia comer uma boa tábua de queijos (grande em quantidade e em variedade) a 7,5 euros num ambiente boémio – a inclinar para o parisiense – e boa música – com um Tom Waits predominante? Pois. Se houvesse também já lá eu tinha ido. Mas não é tudo. Ainda falta falar da ementa variada, da boa carta de vinhos e do ambiente intimista acoplado à simpatia do atendimento (afinal ainda existe). Melhor que isto? Só com uma boa companhia e um chaminé tinto. E pensando que mais perfeito seria impossível, eis que fica na rua que vai desaguar ao miradouro da Senhora do Monte (ou Bonsai, como lhe chamo). Nuno Rodrigues e Sousa

ONDE
Rua de São Gens, 1Tel. 916307653

QUANDO
3ª a Dom. das 9h às 22h

QUANTO
Médio (acessível)

Carnaval

Festa Carnaval é no Bairro Alto + LOMOCarnaval
“Samba, sol e Carnaval!”. Ou neste caso: “Bairro Alto, chuva, LOMO’s e Carnaval!” Este ano o Carnaval começa mais cedo. É então tempo de escolher a melhor farpela de fantasia possível e rumar até à Embaixada Lomográfica de Lisboa. Eis que começa a parada carnavalesca. O objectivo é que desfiles nas ruas do Bairro Alto, carimbando um cartão ao longo do percurso. Vai ser uma “noite hino” ao bairro do amor, do Majong, ao Bicaense, o verdadeiro desfile de Carnaval apresenta-se. E claro que há prémios para os melhores mascarados, a festa é no MusicBox . Para os mais lomográficos há ainda outro concurso, o LOMOCARNAVAL. Na Embaixada Lomográfica serão distribuiídas máquinas Lomo + uma lista de temas a fotografar. Siga a festa! /Catarina Medina

ONDE
ponto de partida: Embaixada Lomográfica de Lisboa R.Atalaia,31Tel.213421075

QUANDO
dia 19 a partir das 22h entrega de prémios ás 03h31

QUANTO
participação livre entrada na festa: 6€ =1bebida

Desfile Chapitô no 9º Desfile de Carnaval de Alfama
Alfama já de si é especial e merece a nossa atenção. O Desfile de Carnaval que todos os anos traz o povo à rua disfarçado a rigor também é espectáculo a não perder. A caminhada tradicional por entre ruas e ruelas em festa, seja em que época for, é coisa para ser vivida ao rubro nem que seja uma vez. Mas quando a tudo isto se junta a companhia de animação do Chapitô, então já é caso para anunciar na le cool. Senhoras e senhores, meninas e meninos, fechem a boca e abram os olhos. O espectáculo vai começar no Castelo e só acaba no Chafariz. Cheira-me que vai ser um Carnaval feliz./Plim

ONDE
Concentração no Castelo de S. Jorge (Praça de Armas) desfile até Largo do Chafariz de Dentro

QUANDO
dia 20 concentração às 14h30 desfile termina pelas 16h30

QUANTO
Grátis

Pesquisar neste blogue