quinta-feira, março 30, 2006

E agora... um discurso a sério!!!

Martin Luther King, Jr.

Proferido nos degraus do Memorial a Abraham Lincoln, Washington D.C.

28 de Agosto de 1963

Site: Memphis Educational Computer Connectivity Alliance

Fonte: Martin Luther King, Jr: The Peaceful Warrior, Pocket Books, NY 1968

"I Have A Dream"

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of captivity. But one hundred years later, we must face the tragic fact that the Negro is still not free.

One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languishing in the corners of American society and finds himself an exile in his own land.

So we have come here today to dramatize an appalling condition. In a sense we have come to our nation's capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir.

This note was a promise that all men would be guaranteed the inalienable rights of life, liberty, and the pursuit of happiness. It is obvious today that America has defaulted on this promissory note insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check which has come back marked "insufficient funds." But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation.

So we have come to cash this check -- a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice. We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to open the doors of opportunity to all of God's children. Now is the time to lift our nation from the quicksands of racial injustice to the solid rock of brotherhood.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment and to underestimate the determination of the Negro. This sweltering summer of the Negro's legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. Those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. There will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights.

The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges. But there is something that I must say to my people who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice. In the process of gaining our rightful place we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred.

We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. we must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force.

The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny and their freedom is inextricably bound to our freedom.

We cannot walk alone. And as we walk, we must make the pledge that we shall march ahead. We cannot turn back. There are those who are asking the devotees of civil rights, "When will you be satisfied?" we can never be satisfied as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the Negro's basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until justice rolls down like waters and righteousness like a mighty stream.

I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow cells. Some of you have come from areas where your quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive.

Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed. Let us not wallow in the valley of despair. I say to you today, my friends, that in spite of the difficulties and frustrations of the moment, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: "We hold these truths to be self-evident: that all men are created equal." I have a dream that one day on the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slaveowners will be able to sit down together at a table of brotherhood. I have a dream that one day even the state of Mississippi, a desert state, sweltering with the heat of injustice and oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice. I have a dream that my four children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. I have a dream today.

I have a dream that one day the state of Alabama, whose governor's lips are presently dripping with the words of interposition and nullification, will be transformed into a situation where little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls and walk together as sisters and brothers. I have a dream today. I have a dream that one day every valley shall be exalted, every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight, and the glory of the Lord shall be revealed, and all flesh shall see it together. This is our hope. This is the faith with which I return to the South. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.

This will be the day when all of God's children will be able to sing with a new meaning, "My country, 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my fathers died, land of the pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring." And if America is to be a great nation, this must become true. So let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York. Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania! Let freedom ring from the snowcapped Rockies of Colorado! Let freedom ring from the curvaceous peaks of California! But not only that; let freedom ring from Stone Mountain of Georgia! Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee! Let freedom ring from every hill and every molehill of Mississippi. From every mountainside, let freedom ring.

When we let freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual, "Free at last! free at last! thank God Almighty, we are free at last!"

quarta-feira, março 29, 2006

terça-feira, março 28, 2006

Cancelamento

Recebi isto.
Que pena, pois era um tema bem interessante com oradores fantásticos.
[mas, com o Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política na quinta e sexta-feira, era capaz de ser demasiado...]
Divulgamos:

Caros,
Devido a um imprevisto a conferência sobre a Esquerda na Europa e na América Latina anunciada há dias, teve de ser adiada.
Com os melhores cumprimentos,
Marina Costa Lobo

segunda-feira, março 27, 2006

Dos Outros

A esquerda na Europa e na América Latina:
Que presente, que futuro?

29 de Março, quarta-feira, 14:30 hs.
Auditório Afonso de Barros,
Ala Autónoma do ISCTE

André Freire
Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES) e ISCTE

Jorge Lanzaro
Instituto de Ciência Política, Universidad de la República (Uruguay)

Moderador: Andrés Malamud (CIES-ISCTE)

Organização:
Europe and Latin America Program (ELARP) do
Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-ISCTE)

Rita Guerra



Estou a ouvir o novo albúm de Rita Guerra, chamado "Rita".

Suave, melodioso, como a Rita nos tem habituado. Onze músicas que vão de encontro a um estado de libertação... Vai hoje actuar no coliseu dos recreios...

Eu gostei...

domingo, março 26, 2006

X, Y, Z ou uma boa descoberta

Já lá tinha parado, mas nunca lá tinha perdido tempo.

Boa novidade na blogosfera, agora que a direita desaparece...

Recomendo o «Kontratempo» do Tiago Barbosa Ribeiro. E comecem com este X, Y, Z
Está fantástica esta paródia.
Façam um favor a vocês próprios e vejam.
[Stop killing Judas...]

Do cacique

Contribuição do João Boavida sobre o tema
Do cacique I

Cacicar: verbo intransitivo, angariar votos para uma eleição in www.infopedia.pt

A actividade de "cacicar" existe desde que existe democracia em Portugal. Desde os chefes de família, que levavam toda a família a votos, até aos proprietários das terras, que exerciam pressão sobre os seus trabalhadores, passando pelos padres que faziam discursos do púlpito da igreja a incentivar o voto neste ou naquele candidato.

Devido à realidade actual, estes fenómenos são muito mais localizados visto que a partir de certo número de pessoas se torna impossível exercer este tipo de influência. Com uma grande excepção, que são os partidos políticos, que de maneira geral, por exigências operacionais, continuam a manter uma estrutura altamente hierarquizada e piramidal, incentivadora do cacique como forma de progressão politica.

Nos partidos continuam a existir os caciques como redes de influência, benigna ou não, direccionados ao voto interno. Existem diversas formas de cacique, mas podemos definir à partida os principais. Desde logo o cacique pessoal, em que se garante votos através dos laços familiares e de amizade; o cacique profissional, em que se influencia votos através das relações profissionais, muitas vezes através do tão afamado tacho; o cacique politico, em que se troca um lugar politico pelos votos; e o cacique ideológico, em que se garante votos através das ideias e dos projectos propostos. Normalmente o cacique ideológico costuma ter associado um juízo de valor benigno, e os outros costumam ser considerados como condenáveis.

De facto, poucos são os votos que se podem enquadrar em apenas uma destas classificações, pois normalmente têm um conjunto de 2 ou mais destes tipos de influência. É importante não confundir racionalização com razão, em que a razão que leva as pessoas a votar de determinada maneira pode ser de ordem pessoal, profissional ou politica, mas normalmente a racionalização é de ordem ideológica, pois normalmente as pessoas têm alguma dificuldade em admitir que a verdadeira razão para votarem de determinada maneira é de ordem pessoal, politica ou profissional.

João Boavida

Ps- A discussão que surgiu entre o José Reis Santos, do Clube «Loja de Ideias» e o Luis Tito, do Tugir pareceu-me ser uma discussão fruto de ruído na mensagem, em que o JRS começou por discutir o que existe e o porquê, e o LNT discutiu o deveria ser e porquê.
Da minha parte, e para que não haja duvidas, tentei neste texto dar forma ao inicio da ideia que criei a partir do que eu vejo e de quais eu acho que são as origens destes comportamentos. Reservo a minha opinião do que como deve e deveria ser a actividade politica para um próximo texto.

Dos Outros

É de ir. É um must.
Alguns nomes:
António Hespanha
Jorge Miranda
Vital Moreira
António Marques Junior
Rui Machete
Adriano Moreira
Luis Roberto barroso
Pedro Bacelar de Vasconcelos
Joorge Bacelar Gouveia
João Caupers
Maria Lúcia Amaral
Gabor Almai
Alexandre Pizzorusso
Pedro Cruz Villalón
José Carlos Vieira de Andrade
José Gomes Canotilho
Teresa Pizarro Beleza
Paulo Mota Pinto
Nuno Piçarra
Eu vou.
[não entendo porque é que não consigo carregar a imagem, deixo o link]

Pérolas linguísticas

É do Brasil, mas podia bem ser de cá da terra.

Gosto em especial do Diozoni e do Euninho.

Que o Filipe Vieira não saiba deles, que ainda os vai buscar...

sábado, março 25, 2006

Visão

Já aqui tinhamos feito referência a um texto que tinha saido na revista «Visão», sobre o Clube «Loja de Ideias». É da autoria de jornalista Alexandra Correia e, parece, sofreu alguns cortes na edição impressa.
O texto saiu no número 679, semana de 9 a 15 de Março.
Talvez ainda a encontrem...
Fica o Texto:

Debate político
O País dos clubes
Fora dos partidos encontra-se gente com vontade de discutir este nosso Portugal. Mas não se ficam pela conversa de café
Alexandra Correia

Se há clubes que aquecem as conversas dos portugueses, manipulam os humores e têm influência directa nos seus níveis de confiança (falamos dos futebolísticos, naturalmente), noutro tipo de clubes - como os de reflexão política - o País ainda está minguado. Timidamente, eles começam a aparecer, dinamizados por gente que não encontra em mais lugar nenhum a liberdade do debate descomprometido.

Sinal da vontade dos cidadãos em intervir na política nacional, o crescimento dos clubes políticos expõe também o calcanhar de Aquiles dos partidos tradicionais: o seu fechamento a quem procura mais do que a vida disciplinada do aparelho. Isso mesmo sucedeu a Joaquim Jorge, 48 anos, biólogo, fundador do Clube dos Pensadores, na zona do Grande Porto. «Comecei a pensar nisto quando me vi desencantado com a política partidária. As pessoas querem participar e não sabem onde. Dentro dos partidos, em vez de se falar de política, discutem-se as vaidades pessoais e as ambições», afirma este militante do PS.

Embora no PS surjam, volta e meia, clubes políticos (desde o do Chiado à Margem Esquerda), alguns dos quais reflectem tendências dentro do partido (como o Liberdade e Cidadania, que lançou Manuel Alegre na corrida à liderança dos socialistas), Joaquim Jorge garante que o seu Clube dos Pensadores nada tem a ver com o partido. Até porque na sua comissão permanente se encontra gente de várias ideologias. «Gosto do debate pelo debate», justifica, acrescentando: «Mas acho que as boas ideias devem ser aplicadas».

A sociedade mexe-se
É justamente a pensar no contributo que podem dar à sociedade que os promotores do Clube Loja de Ideias gravam todas as suas iniciativas. A ideia é transcrever para o papel o produto das suas reflexões e entregá-lo na Assembleia da República, aos partidos. A iniciativa Call For Papers, por exemplo, em que o clube convida todos os interessados a apresentar propostas sobre a reforma do sistema eleitoral português, tem como objectivo a publicação dessas mesmas propostas.

Com sede em Lisboa, este clube foi formado por dois amigos: José Reis Santos, 31 anos, investigador em Ciências Sociais na Universidade Nova de Lisboa; e Diogo Moreira, 24 anos, investigador em Ciências Políticas na Universidade de Lisboa. «Precisamos de uma maior actividade da sociedade civil, mas essa actividade não se substitui aos partidos», avisa Diogo Moreira. Para José Reis Santos, o clube nasce da «necessidade de desenvolver formas de participação cívica a que nem os partidos nem as academias conseguem dar resposta».
Para o jornalista Paulo Pinto Mascarenhas, 40 anos, as Noites à Direita, que organiza, surgiram da constatação de que «há pouco debate entre os partidos e fora deles». Além disso, a ideia «é provar que existe esquerda e direita e fazer com que debatam entre si». Depois de um debate, em finais do ano passado, que juntou na Sociedade de Geografia os economistas António Borges e Daniel Bessa, preparam-se mais dois, no final deste mês, em Lisboa e no Porto. Aos poucos vão surgindo espaços onde se pode dar largas ao prazer de trocar argumentos.

Caixa:
Próximas iniciativas
5 de Abril
- Debate Regionalização ou Descentralização?, com Luís Filipe Menezes, às 21h30, no Hotel Egatur, Maia
Organização: Clube dos Pensadores
6 de Abril
- Conferência Sistemas Eleitorais e Partidos Políticos II: que reformas para o caso português?; às 21h00, na Biblioteca Museu República e Resistência, Lisboa
Organização: Clube Loja de Ideias

Alexandra Correia

sexta-feira, março 24, 2006

Caciques

Sem querer deliberadamente tomar partido, apesar de o não esconder, aceitando mais os argumentos de JRS (aqui, aqui, aqui, e aqui) a detrimento dos apresentados por Luís Tito (aqui, aqui, aqui e aqui), toda esta questão dos caciques, ainda que tema não estar informado nem contextualizado de todos os pormenores que envolve esta discussão, no actual e até no anterior modo de praticar politica, eles SEMPRE EXISTIRAM...
Mais não fosse aparecia um Senhor Padre a customizar as lides da terra...
Ser cacicado, na minha humilde experiência não reduz a essência, nem tão pouco o protagonismo. Usar a expressão "o meu governo" ou o "governo a que pertenço" é meramente uma questão de semântica, e se não concordarem olhem para os ultimos governos... A substância das questões e as formas como elas são interpretadas sim... São diferentes... Um líder, entenda-se "chefe, dirigente ou guia de qualquer tipo de acção, empresa ou ideal;representante de um grupo, de uma corrente de opinião ou de uma bancada parlamentar;" ao assumir-se irá necessitar de apoios, pedidos ou não, os mesmos não deixam de ser caciques...
Um conjunto de pessoas que se envolvem por uma causa...A questão do protagonismo, deixo para a consciência de cada um...
Paulo Dias

quarta-feira, março 22, 2006

Não fomos nós...

Quando esperávamos que fosse o PSD a apresentar, na próxima sessão legislativa, eis que é noticiado o interesse do PS em marcar a agenda política prestando-se a apresentar propostas de alteração do sistema político (incluindo a lei eleitoral).
Que bem. O que vale é que já estamos a trabalhar o tema desde Junho de 2005, senão ainda nos acusavem de andar a reboque...
Mas também devemos dizer que não fonos nós que influenciámos o PS a apresentar agora (a partir de Setembro) as suas propostas.
Estas iniciativas, que saibamos, nada tem a ver com isto.
Ou terão?...

campanha permanente

Um artigo cheio de interesse no JN da autoria de Paulo P. Almeida deve ser examinado por todos os que gostam de saber o que se passa em Portugal com o milagroso governo Hiper-PoP que agora temos :

O actual executivo de José Sócrates foi também um dos primeiros a adoptar o estilo de "campanha permanente", inspirado na governação de Bill Clinton nos Estados Unidos da América. Mas este não deve ser confundido com propaganda. Qual é a diferença? A diferença é que não existe o receio de anunciar medidas concretas, mesmo com impacto só visível a médio prazo e existe, simultaneamente, o cuidado em incluir as preocupações do cidadão comum no discurso político.

Segundo este artigo, leiam bem :
o executivo tem tentado, de forma quase diária, corresponder às expectativas dos eleitores

Creio que esta oportuna dilucidação da nova governação é muito útil ao CLDI.

Descobri numa instituição que muito admiro o poder deste conceito de "campanha permanente"- não só com Clinton mas também com os actuais inquilinos da Casa Branca serviu bem a sua função :

In addition, the hiring of pollsters and political consultants to advise the president on an ongoing basis has only accentuated the White House focus on politics, resulting in the now familiar phrase, "the permanent campaign."

A lesson learned by Republicans and Democrats alike is the importance of the permanent campaign. It has all but displaced the old Rose Garden Strategy.

São de 2004 estas palavras- um comentário divertido sobre a inovação nas campanhas eleitorais.
Em Portugal, como sempre um pouco atrasados, reciclamos de um modo único as ideias "lá de fora". O grande mérito de poder melhorar as ideias estrangeiras pertence hoje ao Engº Primeiro-Ministro -vejo que SOUBE RECONCILIAR A ROSA COM A CAMPANHA PERMANENTE...

São Rosas senhor......
"Cumpriu-se o Mar e o Império se desfez...falta cumprir-se Portugal"

ATÉ BREVE CAMARADAS-E BOAS LEITURAS POÉTICAS

10.000

10.000
[não sou nada destas coisas, mas 10.000 são 10.000]

Desconversa

Caro Luis Tito,

Para acabar a conversa, que vejo não lhe interessa.

Em primeiro lugar, deixe-me que lhe diga, não tenho, nem este blog, nem este Clube, algum tipo de pré-juízo de valia, qualquer ela que seja. Em segundo lugar, não entendo porque se sentiu provocado. Pensava que estivesse a ser sério nos seus argumentos, e na vontade de discutir um tema/assunto que, relembro, foi você que puxou. Pelos vistos não queria diálogo.

As referências à candidatura do Manuel Alegre, como entende, não são pessoais, apesar de saber – e o Luis Tito não o esconder – que foi seu activo apoiante. Refiro a candidatura do Manuel Alegre e o Movimento que se está a formar como exemplos de novas formas de olhar, pensar e executar a política, fora das linhas tradicionais. É uma referência institucional e teórica.

Quanto às questões que levanto acerca das candidaturas políticas e partidárias refiro-me ao facto desta troca de impressões ter começado com um comentário seu neste blogue. Ele era, sem o esconder, de uma determinada candidatura a um determinado órgão partidário.

Em relação ao tema em debate, pergunto-me se entendeu o que seria o meu conceito. Estranho, pois neste ponto ainda exploro possibilidades, teorias e os conceitos que diz que defendo. Não lhe procuro apresentar resultados e/ou ideias pré concebidas. Não procuro expor-lhe alguma ideia já reflectida, pelo contrário, proponho-me a reflectir publicamente sobre o tema livre de determinismos, tabus ou partidarismos. Quero, isso sim, criar pensamento sobre o assunto; aprender e apreender com a contribuição do outro. Isso é um debate. Lamento que procurasse também a colocação de soundbites estéreis e sem consequência. Pensei, genuinamente, que queria aprofundar um debate importante e bem actual. Pensei que queria falar sobre caciques, sobre partidos políticos, sobre política interna partidária, sobre formas de exercício da cidadania nas democracias contemporâneas. Pensei que queria fazê-lo de forma livre, de igual para igual (não com a atitude de «mestre-escola») e com a humildade de poder aprender alguma coisa no caminho, durante o debate. Enganei-me (ou não?)

Da sua última impressão retiro isto: "Tenho para mim a política como uma actividade de cidadania participativa e os partidos políticos como conjuntos de cidadãos (militantes ou não) determinados em serem os agentes da mudança na inscrição dessa cidadania. Assim sendo, combato abertamente o conceito de cacique político e apoio a ideia de democracia participada, inovadora, progressista e social. Isto não é uma concepção de grupos de trabalho (ou gabinetes de estudo, conforme refere) mas sim de Workgroup, isto é, trabalho em grupo, comprometimento, colaboração na busca das soluções e abstenção no protagonismo individual. O dinamizador é membro, não é cacique (nem chefe)".
Questiono, e lideres, não existem? O dinamizador não tem Poder? Não tem ambições, estes grupos? Como podem exercer Poder? Não aceitam a representatividade dos sistemas políticos? Se sim quem é que se candidata? Como são controladas as candidaturas? As listas?

Bom, muitas mais questões me suscitam, essa sua sustentada observação, mas por mim termino a conversa. Escusa responder.

Voltarei ao tema dos caciques em breve.

PLANOS PARA A SALVAÇÃO DO MUNDO

Vai uma pinguinha? -Podia perguntar isto aos conselheiro da Casa Branca.
Vi que andaram a ler o economist preparando os discursos sobre o PetrOIL deste mundo - uma bebedeira destas é séria:

so strong it's almost like a narcotic


Isto para introduzir o tema de como a CIA inflluenCIA as "ralações" do mundo livre com a Venezuela. Não existe muito amor entre a cruzada Republicana (vulgo Bush Doctrine) e a promessa de um socialismo bolivariano mas algo explicará tudo isto:

Hugo Chavez calls George W Bush a terrorist - the US president accuses him of being a left-wing dictator. But they have one thing in common: oil.

Seja como for o carismático caudillo da Venezuela reiterou alguns insultos e planos de ataque Nomeadamente um tal "Plano Balboa" que seria uma invasão planeada pelos Estados Unidos em segredo e com objectivo de mais um uma mudança de regime numa zona petrolífera!

Os americanos adoram estas coisas e são especialistas em investigar (não só do lado dos reporters como do lado do governo) por isso temos um desmentido completo:


In the May 2, 2004 issue of the pro-government Venezuelan weekly Quinto Dia, General Lopez claimed, falsely, that “Operation Balboa” was a U.S./NATO war plan. Since then, pro-Venezuelan government media and Internet reports have repeated the story.

Como a proganda (chamada agora public diplomacy) não tem limites pelo Globo deixo-vos a meditar nisto com um vasto relato do Socialismo que nos pode salvar- uma alegre mistura das teses neo-conservadoras da redenção do planeta com a iluminada batalha bolivariana.

Camaradas do CLDI : das famosas WMD (armas de massivo tédio) voltamos em força ao debate IDEOLÓGICO -bem HAJAM BUSH E CHAVEZ :


Como este POST foi motivado pelo jovem Diogo Moreira -que não conhecia o "Plano Balboa"- é com todo o gosto que lhe deixo duas intervenções memoráveis;

S
e houve vida em Marte, deve ter havido também um FMI que a destruiu», comentou.
Chávez defendeu que Bolívar seria socialista se tivesse vivido mais 20 anos


e ainda do U.S. PRESIDENT:

I say that I'm talking realistically to people. We have a plan for victory and it's important we achieve that plan

Dos Outros

No próximo dia 28 de Março, na livraria Almedina, às 18h, no Atrium Saldanha, vai decorrer uma sessão do ciclo ICS - "Perguntem ao sociólogo", com dois ilustres sociólogos da nossa praça "pública": Villaverde Cabral e António Barreto. O livro em debate é justamente Globalização e Migrações. Vou lá espreitar. Querem aparecer?

Beijinhos, Sandra Mateus

Almedina Atrium Saldanha
28 de Março
18:00 – 19:30h
CICLO ICS:
PARA ONDE VAMOS. PESSIMISTAS OU OPTIMISTAS?
- PERGUNTEM AO SOCIÓLOGO
Em torno dos livros da Imprensa de Ciências Sociais
Moderador: José Manuel Fernandes (Público)
Perguntas de: Manuel Villaverde Cabral (ICS/UL)
Respostas de: António Barreto (ICS/UL)
Livro em debate: Globalização e Migrações, António Barreto (organizador)

Petição Online: "Não Apaguem a Memória!"

No passado dia 5 de Outubro, um conjunto de cidadãos reuniu-se junto à antiga Sede da PIDE/DGS, reafirmando o protesto público contra a conversão daquele edifício em condomínio fechado e contra o apagamento da memória do fascismo e do sofrimento causado aos portugueses. No local, ficou então uma faixa com os nomes de muitos dos que foram assassinados pela ditadura que oprimiu Portugal durante quase 50 anos.
É finalidade desta iniciativa cívica continuar essa acção, convertendo-a no impulso simbólico dum vasto movimento de cidadãos, plural e aberto, de exigência da salvaguarda, investigação e divulgação da memória do fascismo e da resistência, como responsabilidade do Estado, do conjunto dos poderes públicos e da sociedade.
1. Reclamamos dos poderes públicos que, mais de 30 anos passados sobre o 25 de Abril, assumam a responsabilidade de constituir um espaço público nacional de preservação e divulgação pedagógica da memória colectiva sobre os crimes do chamado Estado Novo e a resistência à ditadura, que aproveite os espaços emblemáticos dessa realidade como são o Aljube, o Forte de Peniche, Caxias, a sala do plenário da Boa-Hora, a sede central da PIDE/DGS e a sua Delegação do Porto, e que coordene a sua acção com o valioso trabalho desenvolvido neste domínio por diversas instituições;
2. Condenamos a conversão do edifício da sede da PIDE/DGS em condomínio fechado e exigimos a criação de um espaço e de um elemento memorial naquela área, que assegurem a memória e a homenagem ao sofrimento de muitos portugueses e a condenação dos crimes cometidos pela polícia política do fascismo, que constituiu um dos principais pilares da ditadura;
3. Apelamos a todos os cidadãos e organizações que multipliquem, partilhem e tomem nas suas mãos, pelas formas e iniciativas que entenderem, a preservação duradoura da memória colectiva dos combates pela democracia e pela liberdade em Portugal, como elemento indispensável à construção de um futuro melhor.

Porque sem memória não há futuro.

Outubro de 2005

Os abaixo-assinado:

Continuação

Muito bem, um pouco de clareza.

Estava tão escondido no texto, soterrado nas advertências formais e na aula de sintaxe e caligrafia, que quase nem reparei no seu subtil levantar de véu: "Ao conceito Network em Sociologia o meu caro JRS faz analogia ao de Cacique em política. Prefiro o conceito Network em Sistemas da Informação para a analogia política de Workgroup."

Muito bem.
E que consequências prática tem esses Workgroups para a vida interna dos partidos? Foi essa a experiência da candidatura/ Movimento de Cidadãos de Manuel Alegre?

Entendo que conecte os tais Workgroups a uma ligação de qualidade entre pessoas livres que partilham interesses comuns. Em política isso não existe, pelo menos em teoria, nos célebres Gabinetes de Estudo partidários? Ou não deviam ser esses tipos de relação, qualitativa e específica, potenciadas nos tais gabinetes intrapartidários ou mesmo mistos (com gente de dentro e de fora do partido)?

Por outro lado, uma vez que a vida partidária se faz de votos (no sentido em que os seus órgãos internos são elegidos), como vê articular esses Workgroups com a vida diária do partido? Devem esperar, os potenciais participantes nesses grupos, por líderes que os motivem? Ou devem também organizar-se no sentido de procurar alcançar o Poder? De puderem moldar a política interna?

Sinceramente considero a sua sugestão bem interessante, se bem que não domino totalmente os conceitos relacionados com os Sistemas de Informação (penso, no entanto, que apanhei bem o que queria dizer, não?).

Em teoria a organização interna deveria ser mista, não descurando a atracção de ambas as ligações em rede: por um lado uma que atrai interesses individuais, naturais, e luta pelo Poder e pela oportunidade de aplicar programas e discursos políticos; e outra, com ligações colectivas de cariz reflexivo e doutrinário que se importasse com o Discurso e com o Projecto político (não com a forma ou com a aritmética).

O político moderno, na minha opinião, tem e deve conciliar estas duas vertentes. Deve construir as suas equipes em redor desta articulação.

Em síntese, o que proponho é uma tríade entre a Ideia, o Trabalho e a Responsabilidade; ou seja, da Ideia deve vir o projecto. A Ideia é fruto de uma reflexão colectiva sobre o discurso político com intenções de mudança. O Trabalho é a tentativa de aplicação do projecto. É o «cacique» no sentido em que é necessário granjear os votos, a máquina, que possibilite a implantação da Ideia/Projecto desenvolvido. Por fim a Responsabilidade fecha o ciclo. É a execução do Projecto. É o assumir a carga de cumprir o designado; de do Discurso compor Acção. É colher os louros, políticos, por todo o caminho percorrido; mas é também saber reconhecer que se errou, e retirar-se em consequência. Há que ser consequentes. Não acredito em consecutivas regenerações de projectos, pessoas, equipes. Não acredito que se percam eleições, consecutivamente, e se apresentem de cara lavada para tentarem outra vez o que anteriormente não conseguiram. Há que ter noção da Responsabilidade.

Está outra vez longo. Espero continuação?

terça-feira, março 21, 2006

Resposta

Não entendi, caro Luis Tito. Desculpe mas não entendi a sua resposta.

Eu pensei que tinha interesse em debater, discutir o que são e devem ser os caciques hoje, no PS ou noutro partido qualquer. As suas interrogações, que aqui citei, levaram-me a julgar que tinha um interlocutor válido para algumas aí.

O post que escrevi, assumido como um work in progress, não era mais que o começo de uma tentativa de refrescar o olhar sobre o tema, debatê-lo, teorizar um pouco. Essa era a minha intenção e julguei que queria envolver-se.

Imagina portanto que tenha ficado bem surpreso com a sua resposta: dá-me um «respanete» porque não usei a linguagem IO, porque cometi um qualquer erro inaceitável na Blogosfera (que ainda não entendo qual foi). Ou seja, do debate nada.
Não só entende não responder a algumas questões que me tinha suscitado neste post como as julgou serem um método interessante mas igualmente não me parece apto, por ser interminável. Não entendo que tipo de debate esperava. Um sem questões? Onde a troca de argumentos fosse estanque, não dialogante e predeterminada? Ou então este debate nunca o interessou, se calhar apenas pensou responder a uma análise política, dentro do âmbito de uma candidatura política, retirando daí dividendos políticos.
Quando foi necessário sair desse milieux e apresentar argumentos refugia-se numa defesa de uma linguagem castradora e pouco ágil (não digo que ela não seja importante, mas tem de admitir que regras, preceitos e moral de escolinha não são geralmente muito bem vindos a um espaço de liberdade-muitas-vezes-pura-demais que é a blogosfera) e nada refere em relação ao que de fundo se discutia. Em suma, mostra, e estranhei-o vindo de si, um interesse desenfreado pela questão da forma em detrimento do conteúdo. Para quem advoga uma elevação dos espíritos políticos deve admitir que é curto…
Era esse o seu contributo para o debate? Nada de mais lhe suscitou dizer que essa declaração generalista? Qual é, então, o seu cacique moderno? Encara-se como um, como um cacique? E concebe política sem eles?

Eu tenho uma teoria acerca da evolução dos caciques nos principais partidos políticos portugueses no pós 25 Abril. Irei-a partilhar em breve (uma vez que este post já está grande…).
Eu iria desafia-lo a debater este tema, caro Luis Tito, posso?

A Vereadora

Nos últimos tempos tenho andado meio desaparecido dos mundos dos Blogs, para além do muito trabalho que tenho tido e de outras prioridades que se tem sobreposto, tenho a arranjado tempo para ajudar a Carla Valente de Almeida no Blog: A Vereadora.
Porque é que o Blog se chama assim?
Esta nova Blogueira a Carla Valente de Almeida é Vereadora eleita pelas listas do Partido Socialista á Câmara de Cascais, minha vizinha da freguesia de São Domingos de Rana, adopta neste Blog uma veia literária bastante apurada, bem como pretende também, falar sobre as suas actividades na Câmara de Cascais.
Desejo-lhe por esse motivo a melhor sorte e que seja bem vinda ao mundo dos Blogs.
P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

Dia 21 de Março

Não podia deixar de assinalar este importante dia...
Refiro-me claro está ao dia mundial da poesia. Sendo nós um país de aventureiros e poetas, que todos aqueles que apreciam o pensamento, livre, sonhador, libertador, mostrem através das mais diversas formas o estado comovido de alma para comunicar entusiasmo lírico ou épico.
Bem hajam todos aqueles que não têm medo de sentir...
Que mostram a alma a quem a quiser ler...
Continuemos assim...
Aventureiros, sonhadores e poetas...

Mais Sérgio

O Primeiro Dia

A principio é simples, anda-se sózinho
passa-se nas ruas bem devagarinho
está-se bem no silêncio e no borborinho
bebe-se as certezas num copo de vinho
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
diz-se do passado, que está moribundo
bebe-se o alento num copo sem fundo
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E é então que amigos nos oferecem leito
entra-se cansado e sai-se refeito
luta-se por tudo o que se leva a peito
bebe-se, come-se e alguém nos diz: bom proveito
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
olha-se para dentro e já pouco sobeja
pede-se o descanso, por curto que seja
apagam-se dúvidas num mar de cerveja
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar, sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
e outra maré cheia virá da maré vazia
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida.

Sérgio Godinho

Sobre caciques

Caro Luis Tito,

Obrigado pelas palavras amáveis com que brinda a minha análise. Pena é que, nos comentários, os seus leitores não tenha entendido a sua ironia. Decerto que não se sentiu censurado, nem – penso eu – poderia pensar que o seu texto não seria publicado. Como referi, e concerteza concorda, entre moderar e censurar vai uma grande diferença.

Bom, vamos ao que interessa. Vamos falar de cacique.

Em primeiro lugar duas notas em relação o seu texto. [1] Não entendi o que queria dizer do confronto entre os novos e os velhos cacique. Como os identifica e distingue? [2] Fala, a certa altura, que o PS devia voltar a ser um partido de militantes. O que é isso hoje? O que deve ser?
[Isto é um work in progress]
Sobre caciques, posso começar por dizer que sem eles não há partidos ou democracia. São conjuntos de interesses organizados em torno de um representante. Este, não eleito, é o responsável pelo grupo. É ele que o organiza, vela pela sua consistência e retira dele a sua máxima rentabilidade. A partir do momento em que se inventou a história da representatividade que eles fazem parte integrante nos sistemas democráticos. Inicialmente emergiam de realidades locais, associados à elite local, e organizavam os votos que ou o elegiam ou a quem designasse. Representavam, geralmente, ou interesses corporativos definidos ou realidades regionais desligadas de estruturas partidárias nacionais. Andavam fora dos partidos e, geralmente, andavam a soldo.

Com o advento dos partidos políticos, inicialmente de massa, os caciques moldaram-se à nova realidade. Já não representavam regiões e, com a excepção do sindicalismo, os interesses classistas ou corporativos são menosprezados perante a necessidade de apresentar resultados numéricos; ou seja, não interessa a qualidade do voto organizado interessa sim a sua quantidade.

Se nos deslocarmos para o interior dos partidos que praticam militância organizada (como o PS ou o PSD) e se observarmos a organização institucional dos mesmos, facilmente percebemos como os caciques podem ocupar os cargos médios da hierarquia partidária (Concelhias e Federações/Distritais). São eles, afinal, quem faz o contacto com as bases. São eles quem, muitas vezes, recrutam as bases, transformando-as (através de mecanismos de recompensa) em verdadeiros sindicatos de voto. Estas sustentarão os caciques até que estes ou percam atractividade ou outro cacique emirja com mais poder e atracção.

Um cacique geralmente nunca anda só, procurando maximizar o seu poder através de uma lógica de grupo, fabricando redes densas e alargadas. É assim que consegue subir na hierarquia partidária, sentar-se nas mesas de decisão e poder gerir a sua carreira. Este post mostra bem o que é uma «candidatura moderna», como uma rede bem estruturada pode chegar, rapidamente, a uma estrutura partidária. Agora imagine que em causa está uma Federação/Distrital, onde cada cor é uma Concelhia e cada Secção as extremidades. Pode repetir o exercício para casos nacionais, de secção, de concelhia, internacionais, etc. A lógica é sempre a mesma.

[Por hoje chega. Espero que comentem, pois escrevi um pouco à pena larga, queria ver comentários para evoluir o texto]

Partidos Políticos

O Clube «Loja de Ideias» no seu ciclo sobre a reforma do sistema eleitoral está a preparar mais duas conferências sobre partidos políticos, estando confirmados presenças do PSD, PS, PCP e BE. Já fizemos uma conferência com o PP e o MRPP.

É por isso natural que aqui se venha a falar, com mais intensidade, de democracia partidária.

Antes de iniciar algumas considerações, urge relembrar que sou militante do PS, activo. Tanto sou que me envolvi na última campanha interna para a Concelhia de Lisboa do partido. Digo isto para que saibam de onde falo e não me acusem de me esconder.
Venho também trazer para este espaço, o blogue do Clube «Loja de Ideias», um debate que se está a desenvolver sobre os acontecimentos do tal último acto eleitoral e que decorre deste post. Faco-o porque o espaço em que escrevi este post é um espaço político, de uma candidatura colectiva. Os comentários que agora faça são pessoais, e não implicam, em nada, as pessoas da lista B.
Trago esta polémica para o blogue também porque este é um espaço de polémica, de debate, e que se interessa por estes (e outros) temas. Interessa-nos o debate construtivo, civilizado e educado. Interessa-nos tratar os tabus, falar de partidos políticos, de caciques, de democracia interna, de militância, de consciencia democrática, de cidadania, de política.
Dito isto, meu caro Luis Tito, transporte a conversa para aqui.

quinta-feira, março 16, 2006

NÃO TENHAIS MEDO!

O inefável DN não parou ainda de nos surpreender; além de nos explicar que a equipa escolhida por Cavaco é composta por "conservadores" afirma que a "saúde deve estar próxima dos doentes". Enfim uma riqueza de reportagens!

Este estilo de investigação está a criar toda uma escola com resultados muito inesperados -é o que se pode ler no artigo com este título:

Gostas de homens? Então talvez sejas a freira perfeita!

Nesta magnífica peça -mais um tesouro do novo jornalismo em voga- descobrimos
que :

O próprio Jesus Cristo desafiou o apóstolo Pedro a usar os saberes da sua profissão para se tornar "pescador de homens" dispostos a anunciar o Evangelho. Daí que a iconografia tenha colado à imagem do primeiro Papa a rede de pesca.

Após a RTP-outra instituição inefável-nos ter mostrado que o Engº Guterres mudou de vocação mas, apesar disso,não se confessou desiludido com a política nacional(!!!!!) parecem uma benção as revelações do DN...

Gostaria de sugerir ao neo-jornalismo que na sequência dos cowboys gay faça uma peça com os pescadores gay- já tenho título e tudo:

Não tenhais medo... e não te metas com as freiras pela net!

Marte

Já viram Marte?

[aí se o Pacheco Pereira descobre isto...dá-lhe para mais de um mês, seguro...]

quarta-feira, março 15, 2006

A ITÁLIA SEM FORZA

O debate italiano é bem importante para os Europeus – traz novamente a questão da coragem de diagnosticar erros passados, associando os temas da vil manipulação mediática, da força dos “bem-pensantes” e, mais crucial para o CLDI, da necessidade de reforma do sitema eleitoral.

Na opinião dos editores do Financial Times a reforma impulsionada por Berlusconi poderá ter o efeito de “reduzir perdas” no seu campo e aumentar a fragmentação do adversário.

Aconteça o que acontecer nenhum dos dois grandes candidatos poderá fugir ao teste pós-eleitoral como nos explicava o já citado jornal a 7 de Março:

Neither side can figure out how to get away with further labour or welfare reforms without "shock absorbers" to soften the impact. But it is still cowardice. Both coalitions need to have the courage to lay out emergency plans to save their country's economy. Without this there will be no rising tide to carry Italy's ship of state off the rocks

Devo acrescentar que, como no post anterior do zeca ficou claro, a prestação televisiva é uma das poucas armas para influenciar o eleitor-.considerando hoje o mesmo Financial Times que Prodi venceu o primeiro Round!!

Resta ter esperança e pensar quais serão as vantagens e desvantagens da reforma do sistema eleitoral:

At the April 9-10 poll Italians will have a left-right choice. This is an improvement on the post-war decades of Christian Democrat domination, but both formations contain trouble-making parties that could frustrate policy implementation. The Berlusconi coalition's 20-page manifesto and the Prodi coalition's 281-page tome have one thing in common - far more detail on spending than revenue-raising.

Eleições Italianas

Vamos pegar nelas...
Uns appetizers.
Viram esta entrevista? É o momento do ano em Itália. É incrível o que a democracia demo-liberal pode produzir. (aqui mais momentos do signori). A este momento macabro a resposta foi: «ainda dizem que controlo a RAI...». Inacreditável.
Os contenders.
Este é um ponto delicado, pois não só os partidos ainda existem por si e com a denominação antiga, como assumem formas regionais e nacionais, como ainda mudaram de denominação recentemente, como ainda se agrupam em coligações pré e pós eleitorais nacionais e regionais e ainda todas as alternativas anteriores juntas. (uff e espero não me ter nem enganado nem esquecido de nada...)
Alguns partidos e/ou forças políticas (incompleto)
Direita
Esquerda
Vou convidar alguém para escrever sobre o assunto...
E vou convidar os blogues que me parecem mais atentos a este tema, o Tugir e o Blasfémias a seguir as eleições até ao apuramento dos seus resultados.
Claro que convido o Clube a refletir.

Ninguém fala?

Estranho estar fora do ciclo noticioso as próximas eleições italianas.

Que pasa?

terça-feira, março 14, 2006

O MUNDO ESTÁ LOUCO!!

O Irão voltou a ser nº1 nas agendas mundiais; se o embaixador dos EUA no Iraque diz que
se abriu uma "caixa de Pandora" o que virá do vizinho Irão??

Os mais interessados nestas intrigas internacionais poderão saber mais através do
testemunho do influente K. Pollack, autor de um vasto estudo sobre o futuro do Iraque, e especialista nestas andaças no conceituado Brookings Institution, na sua argumentação surge a ideia de um ataque, como derradeira hipótese:

within the framework of a new containment of Iran, the United States should consider the possibility of waging a targeted air campaign aimed at Iran's nuclear facilities as a last resort. However, Pollack belies that as long as U.S. allies remain firm, there is every reason to believe that Tehran will eventually be forced to change course

Esta opinião parece contestada com razões de peso-nomeadamente a impossibilidade de determinar se não existirão locais desconhecidos onde continuaria a actividade de fabrico de material para bombas, tornando o bombardeamento americano inútil. Por outro lado o regime
de Teerão seria premiado com uma atenção que o faria mais uma vítima de Mr.Bush .

Como se diz na linguagem da casa branca "todas as opções estão na mesa"...

A chegada do problema ao CS da ONU é um ponto importante para a agenda mundial.
Estamos perante um teste importante para qualquer diplomacia que queira jogar
o jogo dos grandes ; será um bom teste para a Europa, um desafio para a União pois
o Irão não vale só por si mas por toda uma relevante (e desiquilibrada) parte do mundo

MEUS AMIGOS, Tinham os membros do CLDI acabdo de nascer e começava toda esta história complicada:

as Ahmadinejad himself pointed out, that his comments were hardly new. In threatening the destruction of Israel, he noted he was only repeating the 27-year-long stance of the Iranian revolution

para seguirem os acontecimentos relacionados com este assunto consultem este site, em busca de surpresas! ATÉ breve

Para quem ama...

Imagino a tocar-te na água,
Ardente ao olhar,
A lua fulminante e sem mágoa,
O sol resplandecente a brilhar...

A brisa atravessando nossos corpos,
Ondas salgadas... E calmas...
Através de nossos poros,
Através de nossas Almas...

Alex

AS DOCES ILUSÕES DO COSTUME

Segundo o reputado El Pais o dr.cavaco tomou posse em plena crise económica...
Meu Deus-que ideia tão estranha! o jornal espanhol não pode estar a informar bem
Então não estamos maravilhoso ??

NÃO FOI LOGO APÓS A POSSE que viemos a saber como estamos !
Disse Sua Exª o P.M, falando nas fronteiras:

"essencial não é tanto ter novas políticas, mas executá-las melhor"

Haverá um mistério aqui? segundo alguns sim... Para outros tudo está no melhor dos mundos Meus amigos-não era preciso ser objectivo? não seria melhor chamar os bois pelos nomes:

O Governo não pode fazer crescer o produto, criar empregos, fomentar desenvolvimento. Quem trata disso são as empresas e trabalhadores, mercados e consumidores. Esta afirmação não é uma opinião político-ideológica, mas uma constatação objectiva.

O meu desejo mais profundo é que meditem sobre estes escritos-meus amigos digam de vossa justiça; não é melhor a doce ilusão do que a dura realidade??

ATÉ BREVE CAMARADAS DO CLDI

Hoje soube-me a pouco

COM UM BRILHOZINHO NOS OLHOS

Com um brilhozinho nos olhos
e a saia rodada
escancaraste a porta do bar
trazias o cabelo aos ombros
passeando de cá para lá
como as ondas do mar
conheço tão bem esses olhos
e nunca me enganam
o que é que aconteceu, diz lá
é que hoje fiz um amigo
e coisa mais preciosa
no mundo não há

com um brilhozinho nos olhos
metemos o carro
muito á frente, muito á frente dos bois
ou seja, fizemos promessas
trocámos retratos
traçámos projectos a dois
trocámos de roupa, trocámos de corpo
trocámos de beijos, tão bom, é tão bom
e com um brilhozinho nos olhos
tocamos guitarra
p'lo menos a julgar p'lo som

e que é que foi que ele disse?
e que é que foi que ele disse?
hoje soube-me a pouco
hoje soube-me a pouco
hoje soube-me a pouco
hoje soube-me a pouco
passa aí mais um bocadinho que estou quase a ficar louco
hoje soube-me a tanto
hoje soube-me a tanto
hoje soube-me a tanto
hoje soube-me a tanto
portanto
hoje soube-me a pouco

com um brilhozinho nos olhos
corremos os estores
pusemos a rádio no "on"
acendemos a já costumeira
velinha de igreja
pusemos no "of" o telefone
e olha, não dá para contar
mas sei que tu sabes
daquilo que sabes que eu sei
e com um brilhozinho nos olhos
ficamos parados
depois do que não te contei

com um brilhozinho nos olhos
dissemos, sei lá
o que nos passou pela tola
do estilo: és o "number one"
dou-te vinte valores
és um treze no totobola
e às duas por três
bebemos um copo
fizemos o quatro e pintamos o sete
e com um brilhozinho nos olhos
ficamos imóveis
a dar uma de "tête a tête"

e que é que foi que ele disse?......... bis

e com um brilhozinho nos olhos
tentamos saber
para lá do que muito se amou
quem eramos nós
quem queríamos ser
e quais as esperanças
que a vida roubou
e olhei-o de longe
e mirei-o de perto
que quem não vê caras
não vê corações
e com um brilhozinho nos olhos
guardei um amigo
que é coisa que vale milhões

e que é que foi que ele disse?....... bis

Sergio Godinho


Faltas cá tu.

Todos os dias vejo algo diferente.

O «LL» que não me tira o lugar. O lixo, que acumula. Não como sopa. Não há sopa. Nunca tenho lugar. Levo sempre o lixo.

Que importa? Faltas cá tu.

segunda-feira, março 13, 2006

Já viram a Visão desta semana.

Missão cumprida

Estes não são os únicos. Pelos vistos a moda pegou e nem esperaram que o homem lá dormisse. Bastou o outro de lá sair, para que o trabalho fosse dado por terminado…

Naturalmente gozo. Gozo pelo timming.

Na verdade o projecto do Sinédrio falia a olhos vistos. Serviu de experiência, de veículo, de promoção. Teve bons momentos, teve momentos de absoluto tédio e pseudo arrogância de querer ser um acidental júnior.

Deixa, não pelo que conseguiu ser mas pelo que chegou a prometer, alguma saudade. Nem que não seja por conhecer alguns dos seus colaboradores.

Que os reveja em breve.

[decerto ressuscitarão para a reeleição do Cavaco – pelo menos – ou aquando dos decisivos ataques às lideranças do CDS/PP e do PSD com vista as legislativas de 09]

sábado, março 11, 2006

Já?...

Ainda agora chegaram e já se vão embora?...

Vá lá... fiquem mais um bocadinho...

O que é que a malta que esperava, com ansia, pelos posts do Vasco ou da Constância (para os comentar, não para os ler) vão agora fazer?

E os agarrados aos links e às referências? E os jornais diários que alargaram a sua rede de colaboradores à blogosfera, quem vão agora citar?

Não vai ficar facil... Pelo menos até um Paulo Portas, um Marcelo ou um Vitorino aterrarem na blogosfera...

Eu cá os espero...

POMPA ESTRATÉGICA

Segundo o blog que se despede - citando um artigo publicado no Público do sempre irreverente vpv – a nossa democracia esconderia os seus podres usando para esse efeito a pompa e/ou circunstância. Não concordo acho que a pompa esteve ausente da “tomada de posse”, na medida em que o “caos nacional” surgia à vista de todos durante a confusa cerimónia.

Ora vejam esta explicação publicada no Correio da Manhã tentado elucidar o que se iria passar :

"O Parlamento abre as portas bem cedo para receber os convidados que entrarão pela porta central, ou à direita, para facilitar o acesso ao Salão Nobre, Passos Perdidos e ao Hemiciclo.
Às 09h00 em ponto, o presidente da Assembleia declara aberta a sessão, mas, meia hora mais tarde, deixa o Hemiciclo e dirige-se à entrada principal do Palácio para receber Cavaco Silva. Este deverá chegar acompanhado da sua mulher da qual se separará para subir para o Salão Nobre. Esta ‘operação’ demorará alguns minutos porque Jaime Gama terá de voltar à entrada do Palácio para receber o Presidente da República cessante. O cortejo segue depois para o Hemiciclo: Jaime Gama vai no centro, Cavaco Silva ao seu lado esquerdo e Jorge Sampaio à sua direita."

Perceberam?? Eu não! Se querem ver os detalhes façam favor

Quanto a mim, depois de ver pela tv acho que poucos (jornalistas incluídos) captaram o sentido de tudo isto. Pensando bem se calhar era isto que vpv queria dizer-que significa afinal este ritual pouco claro!!?!

Sua Exª o novo PR fez questão de assinalar que iria passar a um autêntica cooperação estratégica, não sei se esta declaração de intenções não torna tudo ainda mais confuso- como nos explica o energético Nuno Rogeiro o Presidente :

contribui para a definição das grandes políticas do Estado. Se estas já estão formuladas, pronuncia-se sobre a sua manutenção ou revisão, se elas não estão adoptadas ainda, ajudará a pensá-las.

Perceberam?? Eu também não!....................!

Um Abraço caros membros do CLDI

Dos Outros

Conferência Debate
www.clube-x.com

O Orçamento Participativo

Com:

Manuel Monteiro
José Sá Fernandes
José M. Carvalho Ferreira
Nuno Gaioso Ribeiro

Segunda-feira, 13 de Março
Auditório da Universidade Lusíada
18.30h

sexta-feira, março 10, 2006

O Arco da Governabilidade


Um dos maiores pressupostos da direita portuguesa, e talvez aquele que mais discrimina os apoiantes da esquerda, é a noção do “arco da governabilidade”, também conhecido como “área democrática” ou “partidos de governo”, entre muitas outras expressões, que segundo os seus autores tende a reflectir os partidos com sentido de estado, os partidos responsáveis e sistémicos (PS, PSD e CDS) daqueles que seriam irresponsáveis e anti-sistémicos (PCP e BE).

Essa visão dos partidos anti-sistémicos, que deriva sobretudo da reacção ao marxismo-leninismo do PCP, e que foi inculcada no BE com uma faceta de irresponsabilidade juvenil da sua imagem, afinal um partido de causas dificilmente poderá ser um partido com sustentabilidade programática, fez história nas elites portuguesas, se fez ou não no povo é outra questão, e tem sido o principal argumento que impede o PS de fazer alianças governativas à sua esquerda.

Portanto, uma pessoa poderia pensar que seria do interesse desses dois partidos (PCP e BE) começarem a dar sinais de maior respeitabilidade, como prenuncio da necessidade de a médio/longo prazo de se tornarem parceiros governativos do PS, sob pena de uma hipotética maioria de esquerda se tornar sempre numa minoria. Contudo, tal análise pressupõe que é do interesse desses partidos tentarem captar o voto dos eleitores desse mesmo arco governativo. Por exemplo, não sendo eles partidos de maioria, não é do seu interesse captar o voto mediano, podendo concentrar-se nos votos dos descontentes, dos radicais, e sim, dos próprios anti-sistémicos, ou daqueles que gostam de demonstrar irreverência juvenil ou outra, ou simplesmente terem nichos eleitorais concretos, que poderiam perder caso caminhassem para esse “arco governativo”.

Isto tudo para dizer que discordo da atitude do PCP e BE em não aplaudir o Acto de Posse do Presidente da República, só porque Cavaco Silva era a pessoa que ia exercer esse cargo. Tal demonstra uma ausência de sentido de estado, que em última análise poderia ser anti-sistémica. O quis aqui dizer é que tais atitudes poderão ser coincidentes com os seus interesses e estratégias.

Em relação ao discurso propriamente dito, o facto de haverem partidos (que basicamente foram todos, excepto o PSD) que não aplaudirem partes do discurso do Presidente da República, é na minha opinião apenas sinal de concordância e discordância, e portanto legítimo em democracia.

Em relação ao CDS-PP, mais uma vez se demonstrou a clara esquizofrenia que trespassa todo o partido, tendo o seu líder, Ribeiro e Castro, aplaudido o mais possível, para se distinguir da sua própria bancada, que pouco ou nada aplaudiu o discurso. Isto levantou-me duas simples questões:

O PP de Manuel Monteiro era um partido sistémico ou anti-sistémico?

A sua retórica anti-europeísta, a sua irreverência contra as instituições, entre outras coisas, poderia permitir dizer que sim. Então a minha outra pergunta é:

O PP de Pires de Lima, que se está a afirmar contra o CDS de Ribeiro e Castro, será anti-sistémico ou não?

Algo em que as elites de direita terão que pensar, afinal em nada está escrito que sistémico vs anti-sistémica significa esquerda vs direita. Ou seja poderemos ter um partido anti-sistémico de direita.

Ou é o sistema político, propriedade exclusiva da direita?

Relembro

Relembro isto.

Abril é já aí, e esta deve de ser das boas...

Nem de propósito



O outro dia, um amigo tirou «isto» de um Multibanco.

Hoje vem muito a propósito...
[censurei o outro nome por não ter nada a ver com o filme de hoje - ou até tem? - mas dou uma bola-de-neve a quem acertar no «companheiro» do Aníbal]

1/4?

Hoje acordei, bem pela manhã, com um estranho e ruidoso som.

Pensei, 1/4? Não me digam que ainda por aí andam... Ah, disse eu, se fosse na final...

Fui ver – Helicópteros por todo o lado, o barulho era ensurdecedor. O Luís Filipe? Grande esbanjo.
Abri a janela. Era o Aníbal.

[moro em São Bento]

Dos Outros

A noite passada

A NOITE PASSADA*

A noite passada acordei com o teu beijo
descias o Douro e eu fui esperar-te ao Tejo
vinhas numa barca que não vi passar
corri pela margem até à beira do mar
até que te vi num castelo de areia
cantavas "sou gaivota e fui sereia"
ri-me de ti: "então porque não voas?"
e então tu olhas-te
depois sorriste
abristes a janela e voaste
.
a noite passada fui passear no mar
a viola irmã cuidou de me arrastar
chegado ao mar alto abriu-se em dois o mundo
olhei para baixo, dormias lá no fundo
faltou-me o pé, senti que me afundava
por entre as algas teu cabelo boiava
a lua cheia escureceu nas águas
e então falámos
e então dissemos
aqui vivemos muitos anos
.
a noite passada um paredão ruiu
pela fresta aberta o meu peito fugiu
estavas do outro lado a tricotar janelas
vias-me em segredo ao debruçar-te nelas
cheguei-me a ti, disse baixinho "olá"
toquei-te no ombro e a marca ficou lá
o sol inteiro caiu entre os montes
e então tu olhas-te
depois sorriste
disseste "ainda bem que voltaste"

.
Letra e Música de Sérgio Godinho

[*blague sobre o dia de ontem]

[Mais a sério, - quando é que voltas? fazes-me falta]

quinta-feira, março 09, 2006

Duma de Moscovo quer banir os “curandeiros” de exercerem a sua prática.

O Comité para a Saúde Pública e Segurança Social da Duma de Moscovo propôs fortes medidas para por cobro ás praticas dos chamados “curandeiros” que reclamam para si poderes de cura, será então obrigatório para alguém que queira exercer tal profissão tenha que provar que tem formação médica seja superior para exercer medicina, seja secundária de enfermagem (na Rússia os enfermeiros são formandos com a área de saúde nas escolas secundárias e que tiram uma especialização neste campo) para fazer curativos.

Deste modo todas as práticas religiosas seriam banidas da prática médica, proibindo que estes “curandeiros” não pudessem fazer publicidade das suas práticas nos média, segundo Lyudmila Stebenkova a presidente do comité “A grande maioria dos chamados “curandeiros” abriram lojas mágicas e extorquem ás pessoas somas consideráveis sem tratarem na realidade dos problemas e das doenças das pessoas” o mesmo deve-se segundo esta “A estes usarem a recente crescente crença no ocultismo que se generalizou dentro da sociedade Russa”, vai ser por isso acrescentada uma emenda á lei federal Russa da Saúde Publica que responsabiliza a violação das regras acima referidas.

Ora aqui está uma coisa que nós aqui neste canto ibérico deveríamos efectuar, pois está-se a generalizar preocupantemente este tipo de charlatães, que agora até fazem anúncios nas rádios e nas televisões generalistas tal é o seu poder económico.

Existem as chamadas práticas medicinais tradicionais e as naturais, ambas são reguladas, e tanto umas como outras fizeram um grande esforço para se auto regularem e são reguladas pela Inspecção-geral de Saúde.

Mas quem controla o limbo dos charlatães? Embora as suas vítimas possam recorrer á justiça para se verem ressarcidas das eventuais charlatanices e burlas que são alvos, não será pedir demais para se crer no nosso sistema de justiça, pois com o tempo que se leva, só com uma crença sobrenatural do mesmo é que se poderá ver as resoluções dos casos satisfeitos, para além de que, uma vez acontecido o dano muito dificilmente o seu ressarcimento será razoável face ao dano já realizado e ás expectativas goradas, provocadas pela falta de protecção de um estado que neste campo assumiu uma posição cobarde de vazio regulamentar.
P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

Missionários evangélicos a caminho da França laica e de uma Espanha cada vez mais laica...

Deixando o Quénia, Zimbabué e a Africa do Sul para trás, a França tornou-se o alvo numero um dos missionários protestantes britânicos, estes dados foram publicados em Setembro de 2005 na revista Religious Trends, numa compilação de estatísticas sobre os evangélicos protestantes britânicos, a segunda posição que é ocupada pelo Quénia, não é estranha pois este país foi desde 1991 o principal de destino dos evangélicos protestantes britânicos, a Espanha aparece no terceiro lugar do ranking, subindo do oitavo lugar do ano passado, os dados indicam uma grande mudança das actividades missionárias evangélicas do terceiro mundo para a Europa.

Em França, e graças á sua clara separação entre a Igreja e o Estado, o antigo papel da todo-poderosa Igreja Católica Apostólica Romana (I.C.A.R.) está enfraquecido, enquanto que as Igrejas Cristas Evangélicas têm um papel marginal, com muitos poucos fieis, os missionários evangélicos tentam desse modo preencher o lugar da I.C.A.R. tentando obter simpatias face ao medo contra a dominância do Islão, pois de acordo com a revista France Mission, o número de praticantes do Islão em França é doze vezes superior á dos evangélicos protestantes praticantes.

Na revista acima citada reconhece-se que os evangélicos também tentam fazer proselitismo contra os praticantes ocultistas e mediúnicos, e segundo o mesmo artigo os escritórios abertos por estes são superiores aos dos médicos registados.

Também em Espanha o rápido decréscimo de privilégios da I.C.A.R., estando próximo da França no que respeita a laicismo, sobre o consulado do Governo do P.S.O.E., está encorajar a missionarismo evangélico.

Fonte: Boletim racionalista internacional.
P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

Não sei porquê...

Não sei porquê, hoje apresentei, por varias vezes, um estranho comportamento recorrente.

Vi o jogo, saí de casa e fui comer. Vi a lista. Tinham meias dozes. Pedi 1/4. O pessoal foi para as cervejas, eu pedi uma mini, 1/4 de litro.

Dei por mim, repetidamente, a perder-me no dia: «é quarta-feira, diziam com insistência».

Não entendia. Não entendia aquela estranha obsessão.

Fui à casa de banho. Havia fila. Eu era o quarto. Nunca saí dessa posição. Sempre que alguém saia eu deixava a próxima pessoa passar à frente. Muito estranho.

Quando cheguei a casa, e depois da adiada mija, rapidamente fui para o quarto, com ¼ de leite, frio.

Já deitado, liguei a TV, na quatro. Não dava nada. Mudei para a SIC Noticias. Diziam: o Benfica ganhou 2-0 em Liverpool. Feito único, histórico, fantástico. Estava nos ¼ de final.

Tudo fazia sentido. Hoje não tinha sido um dia normal.

E eu nem sou nada disto

Hoje tem de ser.
.
Digam em conjunto:
.
1/4

quarta-feira, março 08, 2006

(No Final)

Aham!!!

Hum!

YYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEESSSSSSSSSSSS
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!

(Ao Intervalo)

Meu caro Simão Sabrosa,

Estás desculpado do facto de, por causa de ti, ter entornado a cerveja. Que entorne mais umas quantas, hoje não me importo.

Um Abraço

Pesquisar neste blogue