sexta-feira, abril 13, 2007

Limpeza


Quando aqui expus a minha admiração sobre a notícia do afastamento de Ruben de Carvalho e do Medeiros Ferreira do Diário de Notícias, nunca pressupus que a razia fosse tão delirante.

Então, foram corridos os seguintes colaboradores:

- Pedro Mexia, Luciano Amaral, Miguel Gaspar, Joana Amaral Dias, Sarsfield Cabral, Pedro Rolo Duarte, pelo menos. É uma razia e peras.

Mudemo-nos para o Público. Hoje comprei um jornal do qual já me tinha desabituado e, logo por azar, deparei-me com um texto verdadeiramente inacreditável da Helena Matos sobre um Salazar-incapacitado-a-cair-da-cadeira-e-a-ser-hospitalizado e um José Sócrates que, diz a brilhante comentadora, está a fingir ser Primeiro-Ministro. No meio de umas comparações escabrosas, sem nexo ou casualidade, há uma clara tentativa de passar um atestado de incapacidade ao PM (com que argumentos? O debate engenheiro/licenciado em engenharia?) Por favor, se a governabilidade de um país se medisse pelo grau académico dos titulares políticos há muito que os doutorados tinham a vida feita. Bom, seria como dizer que a opinião da Helena Matos é credível e bem fundamentada. Quem acreditaria?

Honestamente não entendo como é que gente desta qualidade medíocre tem espaço de escrita, e, penso, é paga por isso.

Resumo. Tchau DN, Publico nem ver... e depois ainda me perguntam porque é que não compro jornais?...

Podem ver aqui e aqui algum do feedback que a questão do DN tem levantado.

4 comentários:

Daniel Oliveira disse...

O Pedro Mexia já tinha ído (hoje já escreveu no Público) pelo seu pé

Rui Pedro Nascimento disse...

É uma certa direita a tomar conta dos meios de comunicação, escondida na gritaria do suposto controlo governamental sobre a RTP e RDP. E nós a ver!

Ricardo Revez disse...

Hoje vou comprar o DN (compro sempre à 6ª por causa do suplemento cultural) - sempre quero ver como é que aquilo está. Pelos vistos o Mexia foi corrido. Espero que pelo menos o Galopim, o João Lopes e o Tendinha sem mantenham.

Esse tipo que tá agora no DN, se for o que era do Correio da Manhã, temo que o vá transformar num jornal do mesmo género. Como o Correio era o diário q mais vendia foram buscar o homem. Esquecem-se é que o público é outro e a não ser que o homem torne o jornal noutro Correio...

Quanto à direita, não sei... vamos ver quem é que eles vão buscar agora. Mas o Mexia e o Luciano Amaral são de direita (embora o Mexia seja um tipo algo afastado da política e, por isso, acaba por ser indiferente).

Ricardo Revez disse...

Já comprei o DN - frustração total. Já não existe o 6ª e aquilo parece-se muito, de facto, com o Correio da Manhã, com grandes destaques para crimes e histórias da carochinha. Enfim...

Pesquisar neste blogue