sábado, janeiro 31, 2009

A crise à espera de um Messias

Tá a chover lá fora... Frio, mau tempo... Enfadonho, portanto!

Tenho lido, ouvido algumas opiniões sobre esta crise que nos afecta a todos. Tenho lido, ouvido manifestações de pessimismo outras de optimismo, que é um problema da conjuntura... Que o problema do subprime será ultrapassado e que o equilibrio será reposto...

Continua o mau tempo... Enfadonho, portanto!

Os economistas, têm consecutivamente errado os prognosticos sobre os mercados. Os grandes icons deste actual paradigma têm nos dado maus exemplos, lembro o escandalo tipo "D. Branca" provocado por um dos homens mais conceituados Bernard Madoff, ex-presidente do Nasdaq, o qual montou uma fraude através do esquema de pirâmide, quando a corda não esticou mais... Rebentou... Mas não terá sido para ele, especulo...

Assim, perguntou eu, se terão estes economistas interpretado mal as formulas, o mercado, ou errado com algum proposito?

Qualquer das respostas é má... Mas pensar que é de proposito... Vamos assumir que não.

Enquanto não se pensar que esta crise é estrutural e não se actuar de forma acertiva e convicta para mudarmos de paradigma, só estaremos a adiar a resolução da crise...

Pelo menos, algo esta crise esta a obrigar o mundo a fazer...

A ser mais solidario...

Cruz Quebrada e Dafundo

Os blogues e a Web 2.0 vão, em geral, entrar em força nas três campanhas que este ano vamos ver decorrer. Com já todos os candidatos às Juntas definidos em Oeiras definidos, o PS apressa-se para poder vir apresentar as suas propostas aos seus concidadãos.

Na Cruz Quebrada e Dafundo, o candidato é Paulo Freitas do Amaral. Dinâmico como sempre, o Paulo já tem (mais) um blogue na blogosfera nacional para se apresentar aos seus fregueses e com eles construir um projecto que se deseja vencedor.

Cruz-QuebradaeDafundo, é o nome do blogue. Vão lá dar uma espreitadela. E, se assim o desejarem, deixem uma ideia.

Força, Paulo.

Pergunta Indiscreta

Depois dos casos "Agência Lusa", "José Manuel Fernandes – Público", "TVI – Pina Moura" e do caso recorrente de controlo da RTP, há luz do caso Freeport, ainda alguém consegue dizer que este governo é um governo de génese fascista que controla a comunicação social?

Alguém, por favor?

sexta-feira, janeiro 30, 2009

Comunicado da PGR

Camarada,

Para conhecimento remeto comunicado da Procuradoria-Geral da República/Departamento Central de Investigação e Acção Penal, relativo ao chamado "Caso Freeport", que esclarece o seguinte:

"1º

O processo relativo ao "Caso Freeport" encontra-se a ser investigado pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal desde Setembro de 2008, estando neste momento a ser efectuadas perícias pelo Departamento competente da Polícia Judiciária sobre diversos fluxos bancários e a serem realizadas diligências várias, consideradas essenciais para a descoberta da verdade, pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal.

Tais diligências foram consideradas prioritárias e a elas serão afectados todos os meios considerados necessários.

Serão seguidas quaisquer pistas consideradas com interesse, analisados todos os fluxos bancários e inquiridas todas as pessoas ligadas ao caso, realizando-se as diligências tidas como necessárias para a descoberta da verdade.

Não foram recolhidos até este momento indícios que permitam levar à constituição de arguido de quem quer que seja.

Logo que a Lei Portuguesa o consinta será dado conhecimento público das diligências efectuadas, desde que o processo se iniciou em 2004, com uma carta anónima recebida na Polícia Judiciária de Setúbal.

A carta rogatória inglesa agora divulgada pela Comunicação Social, foi recebida no Departamento Central de Investigação e Acção Penal em 19 de Janeiro do corrente ano e irá ser cumprida, de acordo com a Convenção sobre a Cooperação Internacional em Matéria Penal, como tem acontecido durante a investigação.

Os alegados factos que a Polícia inglesa utiliza para colocar sob investigação cidadãos portugueses são aqueles que lhe foram transmitidos em 2005 com base numa denúncia anónima, numa fase embrionária da investigação, contendo hipóteses que até hoje não foi possível confirmar, pelo que não há suspeitas fundadas.

A carta rogatória inglesa não contém nenhum facto juridicamente relevante que acresça aos factos conhecidos e investigados pelas autoridades portuguesas, nem contém nenhum elemento probatório considerado válido e que justifique uma alteração da posição tomada nos comunicados anteriores.

Ninguém está acima da lei, mas nenhum cidadão português pode ser considerado arguido, nem sequer suspeito, unicamente porque a polícia de outro país o coloca sob investigação com base em hipóteses levantadas e não confirmadas e que servem somente para justificar um pedido de colaboração."

Peço a sua melhor atenção para o ponto 7.º onde está, de forma objectiva e concreta, que "Os alegados factos que a Polícia inglesa utiliza para colocar sob investigação cidadãos portugueses são aqueles que lhe foram transmitidos em 2005 com base numa denúncia anónima" e que "não há suspeitas fundadas".

Com os melhores cumprimentos e estima;

André Figueiredo
Chefe de Gabinete do Secretário-Geral do PS


Partido Socialista
Largo do Rato, 2 - 1269-143 Lisboa



Os lobos. Les Loups ... et la dévastation

Os Lobos. De Franz Marc. 1951. Em exibição em Madrid, Dezembro de 2008, na exposição 1914! La Vanguardía y La Gran Guerra.
"Les loups ont envahi Paris". Canção de Serge Reggianni.

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Sondagem

À pergunta "Como espera que o ano de 2009 seja em relação a 2008?" os nossos leitores responderam divididos, mas a tenderem para o pessimismo. Seis (6) pessoas responderam que este ano que começa irá ser melhor (40%), Oito (8) que vai ser pior que o último (53%) e uma (1) que vai ser igual (6%).

A pergunta que já pode ver aqui à esquerda é sobre o tema do momento: o Freeportgate. Mais do que ser ou não ser culpado, o que queremos é ver a percepção de quem nos honra com a sua leitura, e perguntar se "Em sua opinião, Sócrates é culpado ou inocente, no caso Freeport?" . Por querermos ver a percepção de cada um, não existe o famoso "Não Sei".

Agora é clicar, pessoal!

New York, New York



Aprender é mesmo uma "coisa" lenta. O resto, o que é rápido, será fast-education, treino ou o que se quiser chamar-lhe, nomeadamente hamburguers para enganar a fome. Há cerca de dois anos e meio estive em Manhattan, com os "eyes wide open"; vi museus e exposições, passeei, de barco no Rio Hudson, e a pé por Central Park, frequentei um pouco do ambiente de jazz, vivi Little Italy e China Town, estive na Igreja de Saint Patrick, bebi poemas e prosas norte-americanas e algum whiskey from Tennessee (um dos Estados mais pobres). Voltei, após 10 dias, à minha Europa, com uma enorme incompreensão sobre as gentes e os modos de vida da grande maçã e uma porta alta entreaberta por Walt Whitmann e o mesmo fascínio cego, cheio de repulsa e de admiração emotivas, que me levara ao lado de lá do Atlântico.

Com o tempo e ao sabor do vento fui conhecendo os EUA, nomeadamente a "política", explicada pelos meus queridos compagnons Rui Pedro e Diogo, em Viena. Apreendi, creio, algumas razões para a forte presença religiosa naquele povo: perante um enorme continente desconhecido, agreste e cheio de canyons, por conquistar, só uma força atribuída a um deus poderia justificar tormentos, afastamentos, torturas e secessões; perante culturas tão diversas, a coesão social cimentou-se na religião, que re-liga o que está disjunto. Da esperança nasceram os divinos Espirituais Negros, tal como do trabalho-escravo, os blues.

Esta tese é minha e espero vê-la rebatida, aqui ou algures... A contra-prova é observável nos modos de viver e de ser na Europa. Ser não religioso é um privilégio europeu conquistado pela História: as guerras fratricidas que nos edificaram como nações e nos pacificaram, o Iluminismo reflexivo, a Revolução Francesa e a Comuna de Paris que nos trouxeram experiências, mesmo que incompletas, de liberdade e igualdade, as heranças culturais da Pérsia, da China, do Japão, do mundo judeu e árabe, o Cristianismo - e as Cruzadas contra os "Infiéis" - o Protestantismo e o coevo desenvolvimento do industrialismo, as lutas dos Sindicatos por condições dignas para os trabalhadores - tais como durações de trabalho humanas e estabilidade de emprego - foram moldando uma forma de estar na qual os deuses, sobretudo os da Cristandade, não têm de estar presentes.

Tal como nos EUA, as religiosidades têm uma forte persistência em todo o continente americano. Nas máscaras mortuárias do México, no profundo cristinianismo brasileiro, nas religiões-fusão de Cuba, com os seus deuses semi-africanos e semi-católicos que tão bem coexistiram com Fidel nos 40 anos de Revolução Cubana. Quando proibidas, as religiões não inexistem, entram na clandestinidade ou tomam formas admissíveis para os poderes em exercício e emergem ao mais ínfimo sinal de abertura política. As Razões para a força do não-Racional são explicáveis pela antropologia.

E, voltando à minha relação complexa com os EUA, eis que, last but not least, no princípio deste ano chega Barack Hussein Obama ao poder. E com ele, um vento fresco que desejo que não passe e que me faz sentir o pulsar optimista e empreendedor de um povo feito de povos e de estados.

Um dia voltarei a Manhattan para cumprir o que me faltou: atravessar a pé a Ponte de Brooklyn e talvez viver o Bronx por dentro.

Para aprender é preciso ter curiosidade, Mestre(s) e tempo e deixar este esculpir o conhecimento cimentado a partir da informação. Do conhecimento ao Saber vai um passo de gigante, uma travessia para o outro lado. Um dia ...

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Our first test of 2009


Repower America

Dear Rui Pedro,

Today, I will be testifying before the Senate Foreign Relations Committee about repowering America and the need for us to resume global leadership on the climate crisis. As you know, it's a critical time in our country and we all have a role to play.

I've recorded a short video message to share my perspective on what's at stake right now. Take a moment and please watch it.

Al Gore's message on the recovery.

In Congress, our leaders are debating an economic recovery package. It includes unprecedented support for putting Americans back to work building a clean energy economy.

But entrenched interests in Washington will be working hard to weaken the legislation -- opposing funding for clean energy programs that support things like wind, solar, energy efficiency and a new national electric grid.

As members of Congress work out the details of a bill that can pass both the House and the Senate, it's important that you let each of your elected representatives know that you want the recovery to be about repowering America.

You and I know that continuing with the status quo will not revitalize the U.S. economy. Please make sure your elected officials know, too.

Watch the video and send a quick note to Congress:

http://www.wecansolveit.org/page/m2/396e8948/6ff9d251/9383eba/19ba5404/3291915240/VEsC/

Today, we can start to get America back on track.

Thanks for everything,

Al Gore

http://www.wecansolveit.org/page/m2/396e8948/6ff9d251/9383eba/19ba5403/3291915240/VEsA/


domingo, janeiro 25, 2009

Acordo Microsoft-Apple

Por vezes, ao falar com pessoal amigo, aqui do blog ou sem ser do blog, refiro o acordo Microsoft-Apple de há uns anos atrás. Toda a gente fica incrédula…

Hoje posto aqui a prova J!


terça-feira, janeiro 20, 2009

Inaugurantion Day

We whish you the best of luck!
We want, luckly, the best of you!

44


[via arrastão]

Leitura obrigatória

Moções políticas de orientação nacional propostas ao XVI Congresso do PS.

PS: a força da mudança. 1º subscritor, José Sócrates.
Mudar para mudar. 1º subscritor, António Fonseca Ferreira.

Inauguration

Dear friends,
Be part of history! Watch Obama’s historic inauguration with Avaaz members around the world:
Click here!
When Barack Obama was elected President, hundreds of thousands of us sent messages to the global Avaaz Obama wall erected in Washington DC. This time for the inauguration, Avaaz is creating a virtual wall with our first ever online global community meeting. Click here to see the extraordinary coverage we’ve achieved so far and join the discussion as we view Obama's inauguration live on Tuesday January 20.
The speech event will occur from 11AM New York, 2PM Rio, 5PM Geneva, 12AM (Wed) Hong Kong. Click here to see the hub page where we'll be able to make comments, take polls, send Obama a message while we watch the speech on our site, live and direct - the discussion has already begun.
This new president is a chance to put an end to years of failed US Administration policy - and to celebrate the possibilities of hope. The expectations for Obama are high and the pressures on him to stop short of his campaign promises are powerful. But together our push for real change -- as well as inspiring words -- has only just begun. Catch other Avaaz members online at our global meeting place as together we plan how to work with and influence the new Obama government.
Some of us might be at work when Obama speaks, some at home in front of the TV, but either way it will be inspiring to keep the computer open to the Avaaz hub page and share this moment with Avaaz members around the world. The Obama hub is already humming with ideas and comments -- we can join the online conversation now by clicking here.
Movements are built on moments. And our movement for a better world has something to celebrate with the election of Obama. He has promised to reverse President Bush's policies on climate change and human rights, and work closely with the global community to tackle poverty and injustice. None of it will be possible without sustained global citizen engagement -- change won't happen overnight, and it won't happen without great effort. But let's share this moment together, and talk about how to engage and influence this new and listening president.
Obama's inauguration is not just important as a symbol of hope -- it signals the possibilities of a people-powered movement. Left to the bureaucracy of government and the pressures of conservatives, many of our highest goals risk failure. At AVAAZ.org, we can avoid the TV station's talking heads, listen to the next President of the United States set out his statement of intent and comment purposefully with fellow Avaaz members around the world:

Looking forward to seeing everyone on Tuesday,
Brett, Pascal, Paula, Ricken, Graziela, Paul, Iain, Alice, Luis, Milena, Veronique, Ben and the entire Avaaz team.
PS: Tune in to avaaz.org for live event coverage commencing at 11am (EST) on Tuesday 20th January [2PM Rio, 5PM Geneva, 12AM (Wed) Hong Kong] and check in now to see the previews.

Farewell and goodbye

Admito que vai ser de dificil repetição...

sexta-feira, janeiro 16, 2009

2009: bicentenário de Proudhon

Pierre-Joseph Proudhon, né le 15 Janvier dans le Doubs et mort le 19 janvier 1865 à Passy, était un polémiste, publiciste, économiste, sociologue et socialiste français, le premier à se qualifier d'anarchiste. Proudhon est célèbre pour sa fameuse formule « la propriété, c’est le vol ! » dans son mémoire Qu’est ce que la propriété ? Ou recherches sur le principe du droit et du gouvernement qui fut son premier ouvrage majeur, publié en 1840.

La publication de Qu'est-ce que la propriété ? attire l’attention des autorités françaises mais aussi de Karl Marx qui entame une correspondance avec Proudhon. Les deux hommes s’influencent mutuellement ; ils se rencontrent à Paris où Marx est en exil. Leur amitié s’achève quand, en réponse à La Philosophie de la Misère de Proudhon, Marx écrit La Misère de la Philosophie. Au sein de l’Association internationale des travailleurs (première Internationale), il y eut une scission entre les anarchistes de Bakounine et ceux de Proudhon. Les mutualistes proudhoniens pensaient que la propriété collective était indésirable et que la révolution sociale pouvait être atteinte pacifiquement.

Proudhon donna dans son Système des contradictions économiques publié en 1846 une explication de la société fondée sur l’existence de réalités contradictoires. Ainsi la propriété manifeste l’inégalité mais est l'objet même de la liberté, le machinisme accroit la productivité mais détruit l’artisanat et soumet le salarié, in fine la liberté elle-même est à la fois indispensable mais cause de l'inégalité. Ces contradictions sont éternelles et n’annoncent nullement l’autodestruction du capitalisme qu'aurait annoncée Marx.

Dans son livre Les Confessions d’un révolutionnaire pour servir à l’histoire de la Révolution de Février, Proudhon écrit entre autres choses la fameuse phrase « l’anarchie c’est l’ordre sans le pouvoir ». Il tenta de créer une banque nationale qui donne des prêts sans intérêts, similaire d’une certaine façon aux mutuelles d’aujourd'hui.

Um comentário pessoal, en passant
Parece que Proudhon tinha razão, se olharmos para a capacidade de sobrevivência e transmutação do capitalismo. As formas actuais - capitalismo de consumo e capitalismo financeiro - esbracejam, adoecem, estrebucham e liquidam pessoas e organizações; o que se lhes seguirá?

quinta-feira, janeiro 15, 2009

A Incompetência nos Aeroportos

Ontem, voltei do estrangeiro para o nosso país. No aeroporto de Barcelona, o check-in do voo para Lisboa estava anunciado para um determinado conjunto de balcões que estavam fechados. Lá se fez uma fila lusitana à frente dos balcões, com pessoas sempre a irem olhar os monitores para verem se o balcão tinha mudado. Quando faltava menos duma hora para o avião partir, o balcão de check-in muda... para outro terminal!

Lá vão os portugueses e outros numa corrida desenfreada (bem sei que no aeroporto de Barcelona os terminais estão relativamente próximos, mas é o princípio da coisa) para alcançar o novo balcão. Deixando-nos pouco tempo para passar os controlos kafkianos de segurança dos aeroportos espanhóis.

Pessoas que tenham problemas de mobilidade, como é o meu caso, não vale a pena irem mais cedo para os aeroportos. Com episódios destes, todos temos que correr na mesma.

Quando chegamos a Lisboa, depois do tempo interminável que temos de ficar no avião já em terra, à espera que arranjem sitio para o avião estacionar, ou à espera dos autocarros (ambos exemplos clássicos dos defensores num novo aeroporto em Lisboa), então não é que quando chega o autocarro, não cabem todos os passageiros do avião nele!!!

Eles têm o manifesto de voo, sabem tudo sobre as pessoas que lá vão de forma a garantir a nossa “segurança”, e não conseguem ver que há pessoas a mais no avião para a capacidade do autocarro que nos ia buscar? E o tempo que nós demoramos até que o autocarro apinhado pudesse partir, mesmo sem parte dos passageiros. 20 minutos em que o pessoal de terra via que o autocarro não aguentava mais gente (eu fui o último a conseguir entrar), mas não deixavam o autocarro partir...

Enfim, Lisboa e Barcelona, aeroportos "irmãos" unidos pela incompetência....

domingo, janeiro 11, 2009

Fluviário de Moura

A visitar...

Nós somos todos palestinianos.

Este foi, assim julgo, um grito que por toda a Europa se ouviu hoje. Sei que em Londres o gritaram, e em Madrid também. Do resto nada sei. Imagino que, pelo menos, Paris, Berlim e Roma terão feito algo e, segundo me pareceu ver em alguns blogues, Lisboa também ia organizar alguma coisa. Bom, mas não estou aqui para vos falar dessas iniciativas. Estou para vos falar do que aconteceu hoje em Bruxelas, onde foram largas as dezenas de milhares de vozes que em vários tons pediam a mesma coisa: o fim da invasão de Israel à Palestina, a Gaza.
Bom, é verdade que não tenho muita experiência em manifs na Bélgica, mas das que já fui esta foi, de longe, a maior. Anspach estava cheia (uma das principais avenidas no centro de Bruxelas). Mesmo cheia. Muito cheia. Quase 3 horas de manif (ou seja, se ficasse parado num lugar, a manifestação demoraria três horas a passar pelo mesmo), o que em qualquer barómetro é um bom número.
Claro que dentro desta mole humana coabitavam muitas tendências, muitas diversidades, muitas mensagens. Eu estava à espera de muita violência, de muito ódio, de raiva; e, se bem que eram muitas as fotografias dos massacres, dos mártires, de bebés mortos, também reparei que havia muito espaço para a Paz e para a reconciliação.
Gostei de ver muita gente diversa e dispersa. Europeus e ocidentais. Mulheres muçulmanas, Judeus. Vi poucos políticos – o que prova que estes tipos de movimentos sociais operam-se fora dos sistemas partidários – mas muitas ONG’s. Vi também muitos miúdos e miúdas, criançada que repetia com facilidade os slogans mais apelativos. Vi ainda uma postura policial à distância. Não se via um único polícia no percurso da manif, talvez temendo algum confronto (e se calhar com razão). A verdade é que a cabia à organização a boa conduta da marcha e, do que me apercebi, todo correu de forma ordeira e correcta. A polícia, descobri mais tarde, colocara o seu aparato nas artérias circundantes, além de dispor de um helicóptero, que regularmente sobrevoava a Anspach (onde era sempre recebido por um coro afinado de fortes assobiadelas).
Que não se pense, no entanto, que tudo eram rosas e pombas. Nada disso. Bruxelas tem uma fortíssima comunidade muçulmana, e ela saiu massivamente à rua – marroquinos, egípcios, turcos, palestinianos, sírios, líbios, libaneses, iraquianos, iranianos, etc, gentes de todo o mundo árabe (e não só) num espírito de comunhão muito forte e contagiante - o que deu à manifestação um ar real, contrariamente do que vemos, por exemplo, em Lisboa, onde quem se reúne nestas causas são brancos ocidentais mais ou menos politizados e identificados com o tema. Não, nesse sentido, e as fotografias provam-no, esta manif foi bem real.
Tão real que vimos manequins com cintos de bombas, grupos de jovens paramilitarizados, caixões e toda a histeria colectiva que vemos nas reportagens de Gaza, ou de qualquer cidade palestiniana. Assim, junto da «tranquilidade», coabitava a agressividade de muitos, especialmente nos jovens rapazes adolescentes (e, curiosamente, em algumas jovens mulheres. Vimos os tradicionais gritos de ódio, caixões que simulavam o infanticídio (ver foto), bandeiras de Israel a arder, slogans de apoio ao Hezzbolah e ao Hamass, e raiva. Muita raiva.
Por fim deixo-vos um par de fotografias e alguns dos slogans da tarde, gritados por homens e mulheres de diversas cores, credos e tendências políticas. Gostava de saber o que se passou por essa Europa fora (o Euronews nada dizia) e ver reportagens de Lisboa. O problema é que estas iniciativas ainda têm pouco peso no processo de decisão política, pelo que temo que nada de prático saia do dia de hoje. Até quando? Até quando irão os líderes políticos esquivarem-se destas formas de participação política? O que falta? Convidá-los? Envolvê-los? Até agora o que se sente é que, mesmo nestas avenidas de protesto e de palavras de ordem, por detrás de qualquer janela fechada nada se ouve. E nada se faz. (tema para outro post?)
Nous sommes tous… des palestiniens
Resistance… jusqu’à l’Independence
Une seule solution… arrêté l’occupation
Israël… Assassins
Libéré la Palestine… terminé l’occupation
[também publicado nos Canards Libertaires]

Sobre a situação na faixa de Gaza...

Só me ocorre isto:

"What we've got here is failure to
communicate.

Some men you just can't reach...
So, you get what we had here last week,
which is the way he wants it!
Well, he gets it!
N' I don't like it any more than you men." *


Look at your young men fighting
Look at your women crying
Look at your young men dying
The way they've always done before
Look at the hate we're breeding
Look at the fear we're feeding
Look at the lives we're leading
The way we've always done before

My hands are tied
The billions shift from side to side
And the wars go on with brainwashed pride
For the love of God and our human rights
And all these things are swept aside
By bloody hands time can't deny
And are washed away by your genocide
And history hides the lies of our civil wars

D'you wear a black armband
When they shot the man
Who said "Peace could last forever"
And in my first memories
They shot Kennedy
I went numb when I learned to see
So I never fell for Vietnam
We got the wall of D.C. to remind us all
That you can't trust freedom
When it's not in your hands
When everybody's fightin'
For their promised land


AndI don't need your civil war
It feeds the rich while it buries the poor
Your power hungry sellin' soldiers
In a human grocery store
Ain't that fresh
I don't need your civil war

Look at the shoes your filling
Look at the blood we're spilling
Look at the world we're killing
The way we've always done before
Look in the doubt we've wallowed
Look at the leaders we've followed
Look at the lies we've swallowed
And I don't want to hear no more

My hands are tied
For all I've seen has changed my mind
But still the wars go on as the years go by
With no love of God or human rights
'Cause all these dreams are swept aside
By bloody hands of the hypnotized
Who carry the cross of homicide
And history bears the scars of our civil wars

"WE PRACTICE SELECTIVE ANNIHILATION OF MAYORS AND GOVERNMENT OFFICIALS FOR EXAMPLE TO CREATE A VACUUM THEN WE FILL THAT VACUUM AS POPULAR WAR ADVANCES
PEACE IS CLOSER" **

I don't need your civil war
It feeds the rich while it buries the poor
Your power hungry sellin' soldiers
In a human grocery store
Ain't that fresh
And I don't need your civil war
I don't need your civil war
I don't need your civil war
Your power hungry sellin' soldiers
In a human grocery store
Ain't that fresh
I don't need your civil war
I don't need one more war
I don't need one more war

Whaz so civil 'bout war anyway





* The song samples Strother Martin's speech in Cool Hand Luke ("What we've got here is... failure to communicate. Some men you just can't reach. So you get what we had here last week, which is the way he wants it... well, he gets it. I don't like it any more than you men.")

**a Peruvian militant general's speech ("We practice selective annihilation of mayors and government officials, for example, to create a vacuum, then we fill that vacuum. As popular war advances, peace is closer").

sexta-feira, janeiro 09, 2009

Uma breve explicação


Não ando exactamente com falta de ideias mas sim a levá-las para ... outra Loja. Não para algum blog mas sim para a minha tese, em curso.

Para que não se pense que zarpei, aqui fica esta breve e singela explicação. E como há mais marinheiros, eu posso descer ao convés.


Deixo um exemplar, para desfolhar.

quarta-feira, janeiro 07, 2009

Notícias da Crise: Até a pornografia quer ser apoiada pelo Estado!

Gigantes da Indústria Pornográfica como Larry Flynt (Hustler) e Joe Francis (Girls Gone Wild Series) exigem que o Congresso dos EUA lhes dê apoios da ordem dos 5 Biliões de Dólares (Fonte: NY Daily News)

Com a devida vénia ao Blog Big Picture.

Serão para o Bush?

Milhares de sapatos cortaram o trânsito em auto-estrada de Miami. Se calhar o Bush estava a passar...

Elisa Ferreira para o Porto


Começa-se a entrar em velocidade de cruzeiro nas candidaturas para as várias eleições que irão ocorrer este ano.

terça-feira, janeiro 06, 2009

Maioria | Minoria | Maioria; ou como duas entrevistas marcaram o reveillon e o dia de Reis e me inspiraram a voltar à escrita em blogues

Hoje apeteceu-me escrever. Já tal vontade me tinha passado pelo corpo no outro dia, a propósito das últimas intervenções do Presidente da República. Na altura, em conversa com um bom amigo, ele dizia-me «o Cavaco acabou de tirar a maioria absoluta ao PS». Confesso que aquando dessa tirada ainda não tinha escutado com atenção a interlocução de Cavaco Silva. Rapidamente me inteirei do conteúdo da intervenção e logo concordei com o meu sábio amigo. Acabáramos de perder a maioria absoluta. (aliás, na intervenção de Cavaco só não entendo o porquê da manutenção da Assembleia da República. 4/5 do seu discurso apontam para a dissolução do Parlamento. Adiante).


Hoje, e também com alguma decalage, vi a entrevista do Primeiro-ministro à SIC (passou na generalista ou na SicNot? É que se foi no canal 3 da grelha deveria ter tido direito à bolinha no canto superior direito, tal a violência gratuita do Ricardo Costa para com José Sócrates [e o que é que se passou com o Ricardo Costa?]. Bom, sigamos) e telefonei a esse meu bom amigo a dizer-lhe que «o Sócrates acabou de voltar à maioria absoluta...». Ele riu-se. Mas acabou por me dar alguma razão.

Não quero armar-me em Zadinga, espécie em demasiada abundância no nosso querido país e que vê na blogosfera um habitat natural, e sei que será bem difícil passar dos 43%, mas uma coisa é clara: Sócrates está num pico de forma fantástico (pudera o resto do Governo, e as oposições, o acompanharem) e tudo fará para ter mais quatro anos de governação estável.

Começámos bem 2009. Promete.

[pode conferir a entrevista na integra aqui]
[texto também publicado no Les Canards Libertaires]

A acompanhar...

Uma nova descoberta: Delito de Opinião.

Armas?

video

Entrevista do Primeiro Ministro José Sócrates à Sic

segunda-feira, janeiro 05, 2009

Uma ideia sobre começos

Para este novo ano, uma idea sobre começos:

"De tudo, ficaram três coisas:
A certeza de que estamos sempre a começar,
a certeza de que é preciso continuar,
a certeza de que seremos interrompidos antes de terminar...

Portanto, devemos:
fazer da interrupção um caminho novo,
da queda um passo de dança,
do medo uma escada,
do sonho uma ponte,
da procura um encontro..."

(Fernando Pessoa)

Não parem. Continuem.

Um fantástico 2009

Beijos & abraços

José Reis Santos

domingo, janeiro 04, 2009

Nova Poll

Parece que a poll anterior teve mais interesse que as que a precederam, embora também tenha tido mais "tempo de antena".

De qualquer forma, e previsivelmente, Obama arrasou a concorrência, com 16 votos em 19 possíveis. Sarah Palin, Nicolas Sarkosy e Osama Bin Laden arrecadaram um cada um.

A próxima pergunta é sobre expectativas: a expectativa individual para o ano que agora começa.

"Espera que o ano de 2009 seja melhor, pior ou igual a 2008?"

Depois disto, recomeçaremos a falar de coisas sérias, neste blog.

sexta-feira, janeiro 02, 2009

A star is born

Muitas vezes falamos de estrelas doutros países, miúdos que demonstram uma fantástica aptidão para cantar ou dançar numa tenra idade. Afinal tal também acontece por cá (ainda bem).

Parabéns à TVI por descobrir este miudo.

Pesquisar neste blogue