quarta-feira, abril 29, 2009

A Feira do Livro de Lisboa: É esta a política cultural que queremos?

Sabia que a Feira do Livro de Lisboa deste ano começa já amanhã e decorre até 17 de Maio? No lugar de sempre, Parque Eduardo VII?

Eu também não. Obviamente porque estive em Marte até hoje. Caso contrário não me teria passado ao lado a promoção do maior evento cultural do país... Adiante.

Indo ao site oficial http://feiradolivrodelisboa.pt/, e faltando menos de 24 horas do início da Feira, ainda não estão disponíveis: o programa, o mapa do recinto e os vários catálogos. Neste momento, o site muito bonito não serve para nada.

Obviamente, para os menos experientes nisto, a culpa não é da empresa que faz o site mas sim de quem deve entregar e responsabilizar-se pelos conteúdos, que é a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL).

Espero que a Câmara de Lisboa não tenha apoiado com um único cêntimo a feira do livro deste ano, em virtude de não estar presente uma única menção ao seu apoio no site.

Caso a Câmara de Lisboa, ou outra entidade pública, tenha apoiado este evento, alguém me explique como ninguém acautelou o direito dos cidadãos em serem informados atempadamente e em condições sobre os conteúdos da própria Feira.

Já para nem falar na absoluta irresponsabilidade da APEL em não fornecer os instrumentos necessários para que a Feira seja um sucesso comercial. Se não há um programa atempado, como é que as pessoas podem planear as suas idas? Eu poderia estar aqui a dar n exemplos das consequências desta ausência de informação. Parece que se tem prazer em que a Feira do Livro seja um fracasso.

Enfim, palavras para quê? É a política cultural que temos... Até quando?

4 comentários:

Clara Pinto disse...

Eu também não sabia Diogo!!!Mas descansa que não és tu quem está em Marte...é a própria Cultura...aqui não passa nada...mas em Marte deve haver qualquer evento interessante para ver...aguardemos, então, notícias de Marte!

Pedro Miguel Cardoso disse...

Não sabia. Costumo lá ir todos os anos e este ano lá irei. Obrigado Diogo!

Vera Santana disse...

Desculpem mas a Cultura em Portugal está a funcionar: temos Orquestras nacionais e regionais como nunca antes houve; temos espectáculos de teatro de grande qualidade, temos música clássica muitíssimo boa; temos um ensino musical bom; temos montes de festivais e montanhas de exposições. O jazz está florescente, bem como muita "nova" música (de fusão, world music, etc.).

Se soubessem como era antes do 25 de Abril! Havia a música clássica na Gulbenkian e também no Coliseu. Teatro? As companhias funcionavam na semi-clandestinidade. Artes plásticas? Muitos pintores portugueses estavam exilados em Paris (Helena de Almeida e Lurdes de Castro, por ex.)..

O que faz falta, em Portugal, é implantar uma Educação pela Arte, a funcionar junto das Escolas. Uma parceria entre o Ministério da Cultura e o Ministério da Educação.

Paulo Dias disse...

Clivagens à parte, separemos a cultura deste evento, que no meu entender é bem mais abrangente...

Embora concordo com o texto do Diogo, em achar no mínimo triste a forma pouco séria como foi tratado todo este evento. Vamos ver como corre. Combinemos lá um encontro para mais uma bela turtulia, que acham?

Pesquisar neste blogue