quinta-feira, setembro 04, 2008

Convenção Republicana

1. Ontem só consegui ouvir o discurso de Mitt Romney (ver aqui, deixo também o link para a intervenção do Giuliani, que não vi). Foi um bom discurso, de ataque, demarcado da lamechice do «américa first» que, ligado ao «Gustavo», marcou os primeiros dias da Convenção Republicana.
2. Hoje consegui ouvir o discurso da Sarah Palin, e devo dizer que fiquei impressionado. Muito bom mesmo. Não no sentido da oratória ou da mensagem política, mas na combatividade e na marcação ao oponente (que nunca identifica por nome). A governadora do Alaska marcou a noite, definitivamente, até porque as expectativas eram baixas. Ao longo da sua intervenção destacam-se as referências à política internacional (o seu filho mais velho vai embarcar a 11 de Setembro para o Iraque), à família (os seus cinco filhos), e aos valores americanos. Claro que bateu também na tecla da maternidade, da experiência governativa e do anti-establishement de Washington. Os ataques, muito ácidos, tiveram um efeito devastador e incisivo porque, apesar da agressividade, nunca foram gratuitos mas sim políticos. Os democratas terão nesta senhora uma dura adversária. Curiosamente, e concordando com a Marta, também acho que a questão do VP, perante a idade de McCain, deve ser colocada. Quem quer que seja a governadora do Estado do Alaska a primeira na linha de sucessão da presidência americana? Anchorage não é Washington, decerto todos concordarão...
3. O discurso da Sarah Palin


4 comentários:

Pedro Miguel Cardoso disse...

Que fera!

Rui Pedro Nascimento disse...

Muito boa a discursar. O discurso em si é fraco, mas ela é excelente no palanque.

A ter em atenção para os próximos anos, até porque conservadora mais conservadora não há! Ao pé dela, Bush é um progressista...

José Reis Santos disse...

podes crer, Rui...

Boavida disse...

Concordo com o Rui, temos aqui a candidata ás próximas eleições "disputadas". Talvez uma corrida Hillary vs. Palin?
Foi um bom discurso, com muita familia e bastante acido, mas com algumas bocas "bellow the belt". A ideia dos impostos é aterradora para os americanos e vai buscar os piores esteriotipos em relação aos Democratas.
A campanha negativa dos republicanos vai-se virar contra eles se o Obama coninuar positivo, na minha opinião. Acho que foi no Daily Show que vi o Bill Clinton a decrever como, durante a sua campanha, conseguiu manter-se positivo sem deixar de responder aos Republicanos. Vamos a ver se o Obama consegue fazer o mesmo.
Talvez fosse interessante ver os spots publicitarios dos candidatos...
Ainda não ouvi todos os discursos que quero ouvir, como o do Fred Thompson e do Al Gore, para além dos principais, mas acho que os Democratas se referem ao McCain com bastante mais respeito do que os Republicanos se referem ao Obama.

Pesquisar neste blogue