quinta-feira, maio 31, 2007

Lisboa Cool e Informada


Teatro Namanha Makbunhe
Uma peça de teatro onde não há actores de cara pálida. Aqui só entram intérpretes africanos. São 17. Da Guiné, de Angola e de Moçambique. A história é a da ascensão e queda de um guerreiro do Mali, Namanha Makbunhe. Uma transposição de um “Macbeth” europeu, de William Shakespeare, para o universo africano. Esta é a uma viagem à floresta, às suas cores e formas, luz e sonoridades, ritmos e cheiros. Vamos abandonar a cidade por algumas horas e conhecer o Macbeth africano. / Sónia Castro

ONDE
Teatro da Trindade Largo da Trindade 7A21 342 00 00
QUANDO
Até 1 de Julho, 4ª a Sáb. 21h30; Dom. 16h
QUANTO
12€ (+descontos)
Concerto Legendary Tiger Man + Rui Pregal da Cunha
Rui Pregal da Cunha, vocalista das bandas Heróis do Mar e Lx 90 é o Guest Star de Maio do Musicbox e para celebrar a “melhor campanha publicitária dos últimos tempos” – “Flashmobs”, convidou uma série de artistas que estiveram envolvidos no projecto. Na noite a que o vocalista dos Heróis do Mar apelidou “Do you remember Flashmobs” sobem ao palco Legendary Tiger Man que vem apresentar o seu último álbum “Masquerade”, Tiago Santos dos Cool Hipnoise nos pratos, acompanhado pelos vídeos da Tangerina Azul (produtora de audiovisuais), que irá reproduzir algumas das imagens da campanha publicitária. / Catarina Ferreira

ONDE
MusicBox Rua Nova do Carvalho, 24, Cais do Sodré
QUANDO
Dia 31, pelas 23h
QUANTO
10€ (com bebida)
Concerto Orquestrinha do Terror
Ainda estou para descobrir o porquê deste nome! Uma orquestra de maravilhosas fusões literárias, cinemáticas e artísticas, das quais nasce uma linguagem musical muito própria, com uma sonoridade original e dinâmica que viaja por paragens tão diferentes como interessantes. Do mistério erudito ao oceano jazzistico. Forte secção rítmica em fusão com percussões árabes e latinas. Aliança com as sensações do video, uma história contada em projecção Super 8. Sentimentos multiplos e diversos. Realmente, aqui só vejo amor…Talvez o terror venha quando a música acaba, a luz se apaga e a orquestrinha vai embora! Célia F.

ONDE
Onda Jazz Arco de Jesus,721 88 73064
QUANDO
Dia 31, às 23h
QUANTO
6€

Teatro Festival Fimfa Lx7 – The Great War
Os bonecos manipulados, seja por varetas, cabos, fios regressam a Lisboa. Falamos claro de marionetas e formas animadas. É tempo de Fimfa, vulgo Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas. Dezasseis companhias de teatro vindas de Brasil, Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Portugal e Reino Unido apresentam as suas mais recentes criações. Para abrir as hostes o espectáculo "The Great War" da companhia holandesa Hotel Modern. Aqui mistura-se teatro, artes plásticas, teatro de marionetas e de objectos, música, cinema e performance. Em "The Great War" fala-se de guerra, vida e morte, com o recurso a maquetas em miniatura, câmaras digitais, marionetas e actores. A festa continua durante 11 dias! Siga para Fimfa! / Catarina Medina

ONDE
Teatro Maria Matos Av. Frei Miguel Contreiras, 52218 438 800
QUANDO
Dias 31 de Maio e 1 de Junho, às 22h
QUANTO
5€ normal, 4€ c/ desconto

Concerto Night Jazz
Summertime... the weather is easy... Algures entre 1890 e 1910, nasceu, de improviso, em Nova Orleães, o Jazz. Um ritmo quente, que evoca ao nosso lado mais primário, aquele nos põe a dançar mesmo quando não queremos, que apela à nossa sexualidade, aquela que evitamos mostrar durante o dia no escritório. Agora, no séc XXI, o Jazz ganha nova forma, e junta-se à Bossa Nova e ao Swing. Mas não se esquece das suas origens: Gershwin, Cole Porter, Charlie Chaplin. Não há nada que apeteça mais depois de um dia cheio de stress: balançar o corpo, deixar-me ir pelo ritmo. Hoje com a voz de Inês Ripamonti, o piano de Miguel Cordeiro, o contrabaixo de Pedro Pinto e a bateria de Pedro Lima. / Marta D'Orey

ONDE
Arena Lounge Casino de Lisboa, Parque das Nações
QUANDO
Dias 1,2 e 3 de Maio, às 21h30m e 23h30m
QUANTO
Gratuito


Clube kubik lisboa
A música electrónica tem, durante todo o Verão, uma nova casa em Lisboa... É uma casa sem tecto, aberta ao céu, em frente ao rio e cheia de luz interior. Uma instalação efêmera, uma fusão entre luz, arquitectura e música. Um objecto de design para viver e experimentar por dentro. Um club para grandes festas. As paredes são grandes cubos iluminados cuja geometria de luz muda reagindo às batidas, ao ritmo da música. O objectivo é fazer festa, mas também reabilitar os vazios urbanos, os espaços que ninguém usa na cidade e que devem ser reclamados como zonas a habitar. Arquitectura e jogos de luz. Uma casa para receber Dj´s de cá e de lá, da Alemanha, terra da origem da ideia e da equipa kubik. O cubo está aí e não é esquizofrênico, é festivo! / Célia F.
ONDE
Poço do Bispo, em frente ao rio (direcção Santa Apolónia- Expo)
QUANDO
Até Setembro. 3ª, 4ª e dom. 22h-03h. 5ª a sáb. 22h-06h
QUANTO
Variável ( de grátis a 5, 10 euros)


Projecto Obras na Fachada
Na movimentada rua – suspensa no mastro que se encontra na fachada da casa – está elevada uma estrutura. Reflectindo luz na sua superfície cor de prata, esta sugestão de possível habitação, vai adquirindo diversas formas que vão permitir diferentes tipos de ocupação. A sua disposição na rua quase que tenta o transeunte a se refugiar naquele espaço (ora de pé, ora sentado ou, até mesmo, deitado). À sua volta estão os habituais operadores de call center que aproveitam o escape para fumar um cigarro e espaços convidativos. E para terminar a visita em beleza, nada como entrar na casa e disfrutar das variadas ofertas habituais. / Nuno Rodrigues e Sousa

ONDE
Casa d'Os Dias da Água (fachada) Rua Dona Estefânia, 175213 140 352
QUANDO
Até 24 de Junho
QUANTO
Visita livre e recomendada

quarta-feira, maio 30, 2007

Divulgação


Bem sei que é um pouco em cima da hora, mas não percam a oportunidade de ir ouvir sobre um fundador da República.
A Alice não vos deixará mal.

Mitos e plágios

Recentemente destruiram-me o mito Solnado. Não é que o seu scketch da guerra é uma adaptação de um espanhol? Li aqui e nem acreditei. Parece que tudo começou com o que parecia ser uma questão de plágio envolvendo os Gato Fedorento, e que parece que afinal não era nada.
O scketch espanhol, re-apresentado já nos dias de hoje está exposto embaixo



Esta é uma versão remix do scketch do Solnado, versão 2004 anti-bush 2.1. Só a letra e o som são do Raul Solnado.



terça-feira, maio 29, 2007

30.000

30.000 visitas. Já é bonzito...
Gosto de assinalar os números redondos.

A preocupação de Carmona.

Carmona Rodrigues manifestou-se ontem “bastante preocupado” com a possibilidade de os cerca de 1400 trabalhadores da autarquia a recibos verdes ficarem no desemprego. A integração destes funcionários, garante, “estava prevista” pelo anterior executivo.

O homem está lá há 3 anos e agora é que ficou preocupado com a possibilidade dos avençados ficarem no desemprego. Pois!

Ora deixa cá ver... 1400 avençados + (digamos) 1200 cônjuges + (voltamos a supor) 700 descendentes + (ultima suposição) 2500 ascendentes directos ou do cônjuge = 5900 votantes.

Para uma eleição a 15 de Julho, com 12 candidatos, não sendo números decisivos, não serão de desprezar. Mas isto é´, como diria o outro, um suponhamos!

Violência anti-gays em Moscovo

Temos o espaço do Clube Loja de Ideias como um espaço de liberdade, de tolerancia e de divulgação. É dentro destes parametros que temos desenvolvido o trabalho destes quase dois anos. É dentro deste espirito que divulgamos este comunicado das Panteras Rosas. Não concordamos com a totalidade do escrito, mas estamos, sempre, do lado de quem defende o direito à liberdade se de poder construir um estilo de vida condizente com os nossos valores, estilos, manias, o vontade de ser. O que aconteceu em Moscovo não pode acontecer numa Europa que se quer civilizada e civilizadora. Compreendo muito do que rodeia a Realpolitik da política internacional. Entendo que se tenham de gerir dossiers. Entendo o negócio. Não entendo que nada se diga, quando o atropelo dos direitos humanos é feito na nossa face de forma crua e directa. Não entendo que nada se diga.
Violência anti-gays em Moscovo, durante a presença de Sócrates
UNIÃO EUROPEIA CALA DIREITOS HUMANOS EM NOME DO NEGÓCIO

"O movimento Panteras Rosa, Frente de Combate à LesbiGayTransfobia, vem por esta via manifestar o seu protesto contra as autoridades russas, pela forma vergonhosa como abdicaram de intervir quer relativamente à proibição, pela Câmara Municipal de Moscovo, da Marcha pelos direitos da comunidade Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero (LGBT), quer perante o bárbaro ataque de que ontem foram vítimas os manifestantes que se manifestavam contra aquela proibição.

Porém, mais vergonhosa ainda do que a impunidade dos elementos ultra-religiosos e de extrema-direita que atacaram esta Marcha - no contexto actual da política russa em que todas as expressões de oposição ao regime de Putin têm, como é sabido, sido calados pela repressão policial e prisão de dirigentes da oposição - é o silêncio insuportável da União Europeia, que em nome dos acordos comerciais em negociação com aquele país, cala fundo as violações dos Direitos Humanos.

A presença e o silêncio de José Sócrates, que se encontrava em Moscovo e está à beira de assumir a presidência da União, não são senão o comprovativo do duplo peso e dupla medida da União Europeia, cuja retórica parece só evocar os Direitos Humanos e a sua violação quando os grandes interesses comerciais e financeiros não são afectados.

Em pleno "Ano Europeu para a Igualdade de Oportunidades", comemorado com pompa e circunstância pelos governos europeus, a não-atitude do primeiro-ministro português é um sinal particularmente hipócrita que permite antever o que será, em termos de promoção e defesa dos Direitos Humanos no mundo, a presidência portuguesa da União Europeia, e de como a Europa hoje em construção, a tal dos "princípios humanistas" e dos "Direitos Humanos", só tem lugar quando não prejudica o negócio.

Ontem foi um dia de vergonha para as autoridades russas. Mas foi também um dia de vergonha para José Sócrates e para a União Europeia. E não deixaremos de o lembrar!

Panteras Rosa

segunda-feira, maio 28, 2007

Estado do mundo

Através de um post do António Dornelas, no Canhoto, deparei-me com uma visão da realidade mundial actual, muito bem expressa nestas figuras. Espectável, mas sempre impressionante

Figura 1.
Mapa do mundo segundo a sua população.

Figura 2.
Mapa do mundo segundo a projecção da sua riqueza, em 2012.

domingo, maio 27, 2007

campanha


Não sei o que tem acontecido ultimamente ao Paulo Gorjão . Só posso pensar que a vida não lhe tem corrido bem. Só isso pode justificar a acidez (para não utilizar outro nome) com que tem tratado a candidatura de António Costa a Lisboa. Eu até acho normal que se critique o governo, a forma de se fazer oposição, que se opine sobre a vida interna de todos os partidos políticos portugueses e em nenhum deles participe.

Já me vou acostumando ao discurso anti-partidos, professado com maior ou menor facilidade por muitos dos comentadores e / ou pseudo comentadores que nos invadem o quotidiano com opiniões sobre tudo. Já dou isso por barato.

Não entendo é o ataque pessoal e o baixo nível de comentários que qualificam António Costa de «autista» ou «arrogante». Não entendo, e tudo isto porquê? porque saiu do governo e estava a fazer um bom trabalho? porque deixou Sócrates sem o seu último Ministro de Estado? ou porque foi ele o candidato do PS?

Quase que apetece perguntar: caro Paulo, se quiser participar na campanha, inscreva-se. Tenho muito gosto de lhe poder indicar um ou outro candidato que, decerto, o gostariam de acolher...

Divulgação

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

CONFERÊNCIA

"El papel de las Comunidades Europeas en la promoción de la democracia en España antes de 1978"

Fernando Guirao
(Universidad Pompeo Fabra)

28 de Maio de 200717h
Sala Polivalente

Conferência no âmbito do Mestrado de Política Comparada
Cadeira de Teoria e História das Instituições Europeias

Local:
Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
Av. Prof. Aníbal de Bettencourt, 9 (junto à Biblioteca Nacional)

sábado, maio 26, 2007

Abraços e beijinhos


Dois especiais abraços, para o José Medeiros Ferreira e para o Daniel Oliveira por, respectivamente, celebrarem dois anos e um ano de actividade permanente na blogosfera.
Como, bem, refere o bicho carpinteiro, esta que é umas das fronteiras de defesa da expressão livre tem nestes dois exemplos, eu não diria pistoleiros, mas mordazes defensores do pensamento livre e opinativo. Aos dois, parabéns da Loja de Ideias.
Passem por cá, e vejam se há alguma prendinha que vos agrade...
(claro que as congratulações se extendem à restante equipa dos Bichos Carpinteiros)

sexta-feira, maio 25, 2007

Lisboa, Cidade Cri@tiva.


Troquei uns mails com o Rui Branco sobre cidades criativas, assunto que me tem vindo a interessar, no contexto da próxima eleição para a Câmara Municipal de Lisboa.
O Rui, amavelmente, trocou comigo algumas ideias, e apontou algumas pistas de investigação e de reflexão, que agora partilho convosco.
A primeira é o de realçar os nomes de Leonel Moura (artista plástico, que faz pintura automática com robots e escreve no jornal de negócios) e de António Câmara (da Ydreams), que organizaram um seminário sobre cidades criativas no âmbito da Associação Nacional de Municípios Portugueses no final de Março passado, com a participação do Carlos Zorrinho, e cujo link é este.
Depois o Rui citou os exemplos de cidades criativas como Austin, Barcelona e Birmingham. Birmingham, por exemplo, dizia-me, “está a reconverter-se de mausoléu industrial numa cidade criativa. Um aparente milagre”.
Depois citou outros exemplos, de indústrias criativas, cidades criativas ou «creative class» e deixou este, este, este e

Grande artista

E depois ainda dizem que o tipo não sabia o que fazia...
Salazar, após ter escrito um prefácio de 41 páginas à obra de António Ferro sobre ele (Salazar, Lisboa, Emprensa Nacional de Publicidade, 1933, 3ª edição), termina assim:
«Peço desculpa por ter escrito este prefácio. Não é que me envergonhe de o haver feito; é que me robou tempo de que eu precisava para outras coisas. 16 de Janeiro de 1933. Oliveira Salazar»
Qual agencia de comunicação, o homem sabia disto e muito... e ainda hoje o tomam por não político... o que ele fez foi definir o que é SER político. E nisso foi mestre e artista.

Glam


Se tivesse idade ainda ia...

“ MOVIMENTO FEMININO E SUFRAGISMO EM PORTUGAL”

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS
MESTRADO EM ESTUDOS SOBRE AS MULHERES

CONFERÊNCIA

“ MOVIMENTO FEMININO E SUFRAGISMO EM PORTUGAL”

Mestre João Esteves
Universidade Católica

Dia 25 de Maio de 2007
17h00

LOCAL
Universidade Aberta – Salão Nobre
Rua da Escola Politécnica, 147
1269-001 Lisboa

ORGANIZAÇÃO
Mestrado em Estudos sobre as Mulheres

quinta-feira, maio 24, 2007

Lisboa informada



Instalação Art Building
Lisboa sem obras não existe. É um ruído adquirido que passa por altos e baixos, das fachadas às calçadas. É a vida. Para evitar a queda do património instala-se a confusão. É um trabalho ingrato à imagem de uma cidade linda de morrer. Art Building é a primeira manifestação de agrado ao desagrado, levado à letra pela expressão "obra de arte", foi criada em benefício das fachadas tapadas por lonas. Um suporte visualmente forte que pede para ser explorado e enriquecido aos olhos de quem passa. Tiago Batista é o artista convidado a apresentar o seu trabalho e contributo à imagem urbana. Esta noite cai o pano e os queixos dos mais surpreendidos por wonder constructions. / Fiti

ONDE
Rua Victor Cordon, 27
QUANDO
Dia 24 às 22h
QUANTO
Estão todos convidados


Festival Puro Tango
De origem latina tangere, que significa palpável, tangível; ou de raiz africana, tambo que indica festa ou celebração. Qualquer que seja a origem…o resultado é sempre…humm…um festim de sedução. As ‘vueltas’, os corpos entrelaçados, os ‘ocho’, a volúpia negra e escarlate, as ‘sacadas’, o jogo de forças, os ‘giros’, o equilíbrio partilhado… Eles, com pinta de gangster com mau feitio, Elas com a pele aquecida pelo desejo carnal…a dança dos bares e ruas de Buenos Aires continua a cativar-nos. Workshops, espectáculos, milongas (bailes de Gala)… o Festival Internacional é uma oportunidade única para os amantes do Tango poderem acompanhar as exibições de alguns dos nomes mais célebres da actualidade, ou ensaiarem os primeiros passos de Tango, guiados pelos melhores bailarinos. Alguém quer resistir? / Vera Peneda

ONDE
Auditório Voz do Operário Rua Voz do Operário, 13218862155
QUANDO
Espectáculo Puro Tango dia 25, às 21h. Consultar programa completo.
QUANTO
Em confirmação

Cinema Filmes no Lençol
Lembram-se da vida antes do plasma, do DVD e do digital em geral?! Eu lembro. Lembro-me de subir à cadeira para estender o lençol no quintal no Verão ou de pedir a alguém mais alto que o pusesse na parede vazia da sala. Lembro-me de ficarmos todos sentadinhos em silêncio a ouvir o projector a aquecer à espera que a magia de uma imagem incendiasse a brancura do lençol. Já se lembram agora?! Não?! Então passem um destes dias pela Casa dos Dias d´Água...lá encontrarão Graça Castanheira, Fernando Vendrell, Acácio de Almeida e Manuela Viegas com memórias bem vivas destes tempos de filmes no lençol. / Célia F.

ONDE
Casa dos Dias d´Água Rua Dona Estefânia, 17521 3140352
QUANDO
Dias 25, 26 e 27, 21h30; 19h+21h30; 19h
QUANTO
Gratuito!

Concerto Diego El Cigala
Nasceu e cresceu em família de artistas e desde cedo quis levantar a voz ao flamengo. Aos 12 anos chamou à atenção dos grandes e foi apadrinhado pelos melhores em diversas colaborações. A sua carreira a solo foi um sucesso inevitável e em Cuba revelou a simbiose perfeita entre o flamengo e o bolero de Bebo Valdés. Diego Jiménez Salazar, ganhou a alcunha “El Cigala” (crustáceo parecido com o caranguejo) por ser um músico de rua capaz de encontrar riqueza na simplicidade. Um artista crente na magia e na essência, que dá a voz ao mundo e à tradição, canta como um génio e entrega-se ao palco esta noite no CCB. “y tú me estás enamorando y chanelando, con esa manera de pintar por tangos” Puro Cigala. CCB. / Fiti
ONDE
CCB
QUANDO
Dia 29, às 21h
QUANTO
Entre 20 e 40€


Dj Set Dimitri from Paris
Andamos todos loucos com França. Não é pelo Sarkozy nem pelos carros incendiados que têm oferecido às seguradoras europeias. É a música que nos faz vibrar – culpados? As editoras Ed Banger e Kitsuné. No meio da histeria colectiva recorre-se aos Daft Punk como os percussores da fusão mas esquecemo-nos de outros personagens que a partir de França só conhecem o vocábulo “originalidade”. Dimitri From Paris é um deles: Em 1900 gravou bandas sonoras para Chanel, Lagerfeld e Gaultier; com álbuns como “Monsieur Dimitri's De-Luxe House of Funk” ou “A Night at the Playboy Mansion” deu ao house um encontro com disco sound ao bom estilo Larry Levan e ao exotismo de ascendência Martin Denny. Estamos loucos com a nova vaga gaulesa mas depois das histerias passarem, Dimitri ainda estará sondado com... bom gosto. / Artur Soares da Silva

ONDE
Lux Santa Apolónia
QUANDO
Dia 30, pela 01h
QUANTO
12€

Convite

O CIES - Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE, em colaboração com o Departamento de Sociologia do ISCTE,
Têm a honra de convidar V. Exa. a estar presente na conferência proferida pelo Mr. Pat Cox, Presidente do Movimento Europeu e Antigo Presidente do Parlamento Europeu
Sexta-feira 25 de Maio, pelas 18h00

“Building Europe for Future Generations – Achievements and New Tasks of the European Union”

Relator: Dr. Mota Amaral (Deputado e Antigo Presidente da AR)

Coordenadores: Luís de Sousa & Catherine Moury
Apoios: FCT, British Council e Fundação Calouste Gulbenkian

Auditório Afonso de Barros (Ala Autónoma) – ISCTE
Avenida das Forças Armadas, 1649-026 Lisboa
R.S.S.F. (até ao dia 24 de Maio) 217 903 077 / 217 941 404 • e-mail: ana.ferreira@iscte.pt

Fórum Europa 2007 Cartaz:

O Deserto


Sr. Ministro, se é esse o problema, então porquê tirar o aeroporto da Portela?

Sicko

A Letter from Michael Moore: 'Sicko' is Socko in Cannes!


May 23rd, 2007


Friends,


Well, as you may have read by now, our premiere of "Sicko" at the Cannes Film Festival has been an overwhelming success. The 2,000 people inside the Lumiere Theater were alternately in tears and laughing during the two-hour film -- and when it was over, they gave it a standing ovation that seemed to go on for nearly 15 minutes! Many came up to me and said (and critics seem to agree) that this is my best film yet. I don't know about that, and it seems weird to compare any of these movies in the first place. But I do feel safe in saying that I am very, very happy with this film and I can't wait to show it to you when it opens on June 29th.
Cannes is a crazy place. There are film lovers here from nearly every country in the world. And then there are the people in "show business." These dark forces have virtually ruined this art form (invented by the French and nurtured to brilliance by the country I call home). There are so many bad, awful films now and less and less people are going to the movies. Many who run Hollywood believe that the American people are too stupid to enjoy a film that respects their intelligence.
At the press screening for "Sicko," the Wall Street Journal reported that hardened reporters and critics wept. Even those who have been harsh to me in the past, or who have not agreed with my politics, were moved. Aside from my stated desire that "Sicko" ignite a fire for free, universal health care (and a larger wish that we, as Americans, do a better job of treating each other with a true sense of solidarity and respect), I continue to hope that I can make a contribution to the art of cinema and give people a good reason to get out of the house for a few hours.
At my festival press conference, the only negative word came from the Canadians. Two critics didn't like all the nice things I said about their health care system. Yes, Canadian health care has its flaws, but when I asked the two critics if they would exchange their health care cards for mine, they said "No!" Of course they wouldn't. Canadians live longer than we do and their infant mortality is not as high as ours. Their system is underfunded because their leaders have been trying to push for more American-style health care.
The rest of the week has been good and I am now on my way back to the U.S. The New York Post reported Sunday that the Bush administration, in addition to going after me for filming scenes in or near Cuba, may now go after the 9/11 rescue workers I took with me to get the medical care they were denied by our own government. I couldn't make up irony like this if I wanted to, and I will do whatever is necessary to defend the human right of these true American heroes to receive the medical attention they deserve.
We've also received word that the HMO and pharmaceutical industries are gearing up to fight "Sicko." We received so many great whistleblower letters while we were making the movie from employees of these companies. We'd like to hear from you again! Send us the internal memos and any other plans you run across at the company copying machine or internet server. It will help to stay ahead of whatever they are up to, and it will also give us a chance for a bit of fun at the industry's expense.
I will soon have a special section of my website devoted to "Sicko." Until then, we'll move forward toward our June 29th release date. Hope to see you all there that weekend!
Yours,

Michael Moore

michael@michaelmoore.com

MichaelMoore.com

Lisboa

Alguém dizia recentemente (penso que foi o Medeiros Ferreira, mas não encontro o post) que Lisboa bem merece uma missa. Uma missa de Santo António, acrescentamos, uma vez que não há miséria que não dê em fartura. Eu já tenho candidato: é o António Costa, o melhor que podia ter acontecido à cidade. (voltaremos a falar no assunto).

Deixo o elenco. 12 ao momento. Não sei se está fechado, uma vez que o POUS ou o PDA ainda não se pronunciaram...


1. António Costa, PS



2. Fernando Negrão, PSD

3.Rubem carvalho, CDU


4. José Sá Fernandes, BE





5. Telmo Correia, CDS-PP


6. Carmona Rodrigues, independente (ainda sem movimento registrado)





7. Helena Roseta, Movimento Cidadãos por Lisboa





8. Manuel Monteiro, PND








9. Gracia Pereira, MRPP









10. Gonçalo da Câmara Pereira, PPM






11. José Pinto Coelho, PNR




E ainda 12. Paulo Trancoso, do MPT (não consegui encontrar foto).

quarta-feira, maio 23, 2007

FCT - Ciencia Política

Eis os 30 projectos que este ano concorrem a bolsas da FCT na área da Ciencia Política. Em breve publicaremos os de História e Sociologia (pelo menos)

PTDC/CPO/64022/2006
A proliferação das Armas Nucleares, Biológicas, Químicas e Radiológicas (NBQR): qual a abordagem da Europa para enfrentar esta ameaça? The Proliferation of Chemical, Biological, Radiological and Nuclear Weapons (CBRN): What is the European Approach to Face the Threat?
Maria do Céu de Pinho Ferreira Pinto, Universidade do Minho
PTDC/CPO/64365/2006
A Coordenação Europeia Multinível no Combate ao Terrorismo Transnacional: Os Casos de Portugal e Espanha. The European Multilevel Coordination in the Fight against Transnational Terrorism: the Cases of Portugal and Spain.
Ana Paula Lima Pinto de Oliveira Almeida Brandão, Universidade do Minho
PTDC/CPO/64469/2006
Os Deputados Portugueses em Perspectiva Comparada: Eleições, Liderança e Processos de Representação. The Portuguese MPs in Comparative Perspective: Elections, Leadership and Representation
André Renato Leonardo Neves dos Santos Freire, Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
PTDC/CPO/64505/2006
Novos Actores Governamentais de Combate à Corrupção: o papel das Agências Anti-Corrupção (ACAs) no contexto da globalização. New Governmental Anti-Corruption Actors: the role of Anti-Corruption Agencies (ACAs) in the context of globalization
Luís Manuel Macedo Pinto de Sousa, Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
PTDC/CPO/64923/2006
Fazendo a transição: A história de um projecto intelectual. Making the Transition: The Story of an Intellectual Project
Andrés Malamud, Instituto de Ciências Sociais
PTDC/CPO/65419/2006
Patronagem Política em Portugal. Political Patronage in Portugal
Varqá Carlos Jalali, Universidade de Aveiro
PTDC/CPO/65551/2006
Kaladi, Firaku, Kafir...Timor Óan: Etnicidade e Nacionalidade em Timor-Leste. Kaladi, Firaku, Kafir...Timor Óan: Ethnicity and Nationality in Timor-Leste
Paulo Alexandre do Nascimento Castro Seixas, Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa
PTDC/CPO/66001/2006
Transições Ibéricas à Democracia: Portugal e Espanha em Perspectiva Comparada. Iberian Democratic Transitions: Portugal and Spain in Compared Perspective
António Jorge Pais Costa Pinto, Instituto de Ciências Sociais
PTDC/CPO/66537/2006
Os contextos do comportamento político: escolhas eleitoral e atitudes políticas no Portugal contemporâneo. The Changing Contexts of Political Behavior: Electoral Choices and Political Attitudes in Contemporary Portugal
António Miguel Morais Barreto, Instituto de Ciências Sociais
PTDC/CPO/66553/2006
A Sociedade Internacional e a Abolição da Pena de Morte: Desafios, Resistência e Disputas Normativas - a Europa e os Estados Unidos da América. International Society and the Abolition of the Death Penalty: Challenge, Resilience and Disputation of Norms - Europe and the United States of America
Ana Raquel Coutinho Rosa Vaz-Pinto, Instituto de Estudos Políticos
PTDC/CPO/67269/2006
Desenvolvimento do Conhecimento sobre Teoria da Intervenção Pública - Estado, Sociedade Civil e Administração Pública: para um novo paradigma do serviço público, do papel do Estado e das políticas públicas. Development of the knowledge on the Theory of Public Intervention: the State, Civil Society and Public Administration: towards a new paradigm of public service, of the role of the State and of public policies
José Manuel Lopes da Silva Moreira, Universidade de Aveiro
PTDC/CPO/67573/2006
O pensamento social sobre a imigração e os imigrantes: contributo para a definição de um Livro Branco para Portugal. The social thought on immigration and the immigrants: contribution for the definition of a White Book for Portugal
Rui Leandro Alves da Costa Maia, Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa
PTDC/CPO/67865/2006
A democratização nos Balcãs: Uma prioridade Europeia. Democratization in the Balkans: an European priority
Teresa Maria Resende Cierco Gomes, Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade
PTDC/CPO/68150/2006
A Igreja Católica e o Estado Português no Século XX Os Cardeais Mendes Belo (1906-1928), Gonçalves Cerejeira (1928-1972), António Ribeiro (1972-1998) e a República Portuguesa. The Roman Catholic Church and the Portuguese State in the XXth Century The Cardinals Mendes Belo (1906-1928), Gonçalves Cerejeira (1928-1972), Antonio Ribeiro (1972-1998) and the Portuguese Republic
Luís Filipe Salgado de Matos, Instituto de Ciências Sociais
PTDC/CPO/68167/2006
Promoção do Capital Social na Sociedade do Conhecimento. Social Capital in the Knowledge Society
Maria Alfreda Cordeiro da Cruz Ribeiro Viana, Fundação da Faculdade de Ciências
PTDC/CPO/68958/2006
A Construção da Democracia e do Desenvolvimento em Timor-Leste: constrangimentos internos e regionais. Building Democracy and Development in East Timor: internal and regional constraints
António Pinto Barbedo de Magalhães, IASI - International Institute for Asian Studies and Interchange
PTDC/CPO/69737/2006
Pensamento Político Português. Portuguese Political Thought
Maria Cristina Montalvão Marques Sarmento, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
PTDC/CPO/70097/2006
As transformações jurídico-sociais em Goa derivadas da aplicação do código civil português. Social and juridical changes in Goa due to the maintenance of the Portuguese civile code
Narana Sinai Coissoró, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
PTDC/CPO/70149/2006
Desenvolvimento de um modelo de avaliação da sustentabilidade dos municípios Portugueses (DeMASMu). Set up a model for sustainability evaluation of Portuguese municipalites
Maria Elisabete Ferreira Freire, Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa
PTDC/CPO/70485/2006
Implementação e Avaliação de Políticas Públicas em Portugal. Implementation and Evaluation of Public Policies in Portugal
João Abreu de Faria Bilhim, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
PTDC/CPO/70509/2006
Avaliação de Políticas Públicas para o Combate à Sinistralidade Rodoviária. Evaluation of Public Policies to Reduce Traffic Fatalities
António Fernando Freitas Tavares, Universidade do Minho
PTDC/CPO/70561/2006
TRATADOS DO ESPAÇO IBÉRICO (1816-2006). TREATIES OF IBERIAN SPACE (1816-2006)
Júlio Joaquim da Costa Rodrigues da Silva, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
PTDC/CPO/70800/2006
Avaliação da Qualidade da Democracia em Portugal. Evaluation of the Quality of Democracy in Portugal
Bernardo Forjaz Vieira Ivo Cruz, Instituto de Estudos Políticos
PTDC/CPO/71295/2006
Direitos Sociais em Portugal: A sua Constitucionalização e Implicações Socio-políticas. Social Rights in Portugal: Their Constitutionalization and Sociopolitical Implications
Filipe Miguel Carreira da Silva, Instituto de Ciências Sociais
PTDC/CPO/71659/2006
O debate sobre State-bulding e State Failure nas Relações Internacionais: análise do caso de Timor-Leste. State-building/State-failure debate in International Relations: the case of East Timor
Nuno Gonçalo de Carvalho Canas Mendes, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
PTDC/CPO/72340/2006
O Estado de Segredo: Armas, Interesses e Comissões - Para a definição de uma política transparente de contrapartidas no sector da defesa. Secrecy of State: Arms, Interests and Commissions - A Framework for the definition of a transparent offsets policy in the defence sector
Luís Manuel Macedo Pinto de Sousa, Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
PTDC/CPO/73366/2006
Políticas Públicas Europeias e Governação Global: a externalização da segurança interna europeia como factor de integração e de estabilização ambiental. European Public Policies and Global Governance: the externalization of european internal security as a factor of integration and environmental stabilisation.
Victor Manuel Ferreira Marques dos Santos, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
PTDC/CPO/73980/2006
As Políticas da União Europeia: perspectiva sobre a competitividade e o desenvolvimento sustentável - política de concorrência e media. European Union Policies: a perspective on competitiveness and sustainable development - competition policy and media
Carla Margarida Barroso Guapo da Costa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas
PTDC/CPO/76741/2006
O Projecto Europeu no Imaginário (Político) Português e a Imagem de Portugal entre os Parceiros Comunitários. Imagining Europe and Imaging Portugal: The EU in our Heads and Portugal in their Heads
Rui Alexandre Sousa da Costa Novais, Faculdade de Letras da Universidade do Porto
PTDC/CPO/77766/2006
Os Cinquenta Anos do Tratado de Roma. The Treaty of Rome at Fifty
João Carlos Mosqueira Mendes Espada, Instituto de Estudos Políticos

Emissões de CO2 a nível mundial

É ver aqui.

O que foi...

Sobre o que foi e como foi fazer campanha na Irlanda é ir aqui, no Blog do PES Activists Portugal.

terça-feira, maio 22, 2007

site


A candidatura de António Costa já tem site.

Não está mau, pelo contrário, com os devidos conteudos, pode vir a ser um elemento de comunicação importante. Falta o blogue (que não deve demorar).

Comunismo e sacos de batatas

CICLO DE SEMINÁRIOS
COMUNISMOS: HISTÓRIA, POÉTICA, POLÍTICA e TEORIA

Organização: Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa do ISCTE

24 de Maio de 2007 às 17H30
ISCTE – Auditório B203 (Edifício II)

Comunismo e sacos de batatas
com Fernando Oliveira Baptista e Paula Godinho

Em O 18 de Brumário de Louis Bonaparte, Karl Marx descrevia as famílias camponesas à imagem de sacos de batatas, expressão que marcaria uma relação sempre complexa entre marxismo, comunismos e camponeses. Nesta sessão do Seminário Comunismos é justamente esta relação que vai ser objecto de discussão, da célebre “Questão Agrária” debatida por Kautsky, Lenine e outros, até à forma como as populações camponesas lidaram com a ideia comunista em Portugal.

A sessão estará a cargo de FERNANDO OLIVEIRA BAPTISTA, ministro da Agricultura e Pescas no IV e V governos provisórios em 1975 e hoje professor catedrático do Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, e de PAULA GODINHO, professora de Antropologia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e, entre outros, autora de Memórias da resistência rural no Sul – Couço (1958-1962).


CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA PORTUGUESA
Ed. ISCTE – Avenida das Forças Armadas 1649-026 Lisboa
Tel: 21 790 30 94 Fax: 21 790 30 14 E-mail: cehcp@iscte.pt

Sobre a lei do tabaco.

Após apreciar (alguma) da discussão que anda por aí, apraz-me dizer o seguinte: Como ex-fumador, tanto me faz se se pode fumar nos espaços de diversão nocturna ou não. Como fumador que fui, compreendo, porque também gostava, que os fumadores queiram fumar o seu cigarrinho enquanto estão a beber um copo ou a dançar num qualquer espaço. Já como ex-fumador, embora quando o era gostasse de fumar o meu cigarrinho com o café após uma refeição, acho perfeitamente aceitável que não o possa fazer em restaurantes, a não ser em determinadas condições.

Mas, já agora, gostava de deixar uma pergunta e uma constatação para quem quiser, pensar:

A Pergunta - Esta mesma discussão já não aconteceu quando proibiram o tabaco em casas de espectáculo fechado, como cinemas e teatros? E hoje algum fumador se importa de não fumar aí?

A Constatação - Acabadinho de chegar da Irlanda, reparei que a lei proíbe o fumo em sítios fechados, sem descriminar esses mesmos sítios, o que levanta a questão dos espaços de diversão nocturnos. Sabem o que se faz por lá? Vem-se fumar cá para fora. E ninguém se chateia. Parece-me, inclusive, que lá chove um bocadinho mais e faz um bocadinho mais de frio do que por cá.

Podem seguir com a discussão, após esta minha intromissão...

Tese

Não sai nada... É impressionante. Não tenho escrito nada estes últimos dias.
Amanhã vai ser melhor.

domingo, maio 20, 2007

Há que dar os Parabéns ao Futebol Clube do Porto...

Foram os mais consistentes ao longo de toda a Época...

sexta-feira, maio 18, 2007

Candidata



Tania Derveaux é candidata ao Senado Belga, pelo partido anti-sistema NEE, e pretendeu inovar, nao prometendo «jobs», mas «blowjobs».
Segundo o Sol, o site do micropartido NEE, com 6 militantes, é, hoje, dos sites políticos mais visitados do mundo (passando mesmo os do Partido Democrático e Republicano).
.
Se a moda pega...
.
Ler ainda, sobre o tema, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui ou aqui.
.
Site do NEE e mais fotos aqui
.




Leituras


A ler


Marta Rebelo, «O papel de parede de Lisboa», exelente inicio de colaboração no 5 dias (um abraço, Marta).




Pedro Magalhães, «Game theory», in Margens de Erro.

quinta-feira, maio 17, 2007

Hello People!



Ola pessoal. Este que vos quer bem da-vos um abraco aqui de Drogheda, perto de Dublin. Isto esta a ser giro, embora muito trabalhoso.

Um Abraco!

P.S. - Desculpem a falta de acentos, mas estes estrangeiros nao sabem o que e isso!

quarta-feira, maio 16, 2007

Intercalares

Retirado daqui
Eleições intercalares na capital
José Miguel Júdice é o mandatário da candidatura de António Costa à Câmara de Lisboa.
Em declarações ao site do semanário, Júdice confirmou que aceitou o convite “por considerar que de todos os candidatos conhecidos António Costa é o melhor”, lembrando que foi com base nessa premissa que, recorda, apoiou, em 2005, a candidatura pelo CDS-PP de Maria José Nogueira Pinto à Câmara de Lisboa.
Fonte: Fonte “Expresso Online”

Carmona Rodrigues avança como candidato independente
Carmona Rodrigues decidiu avançar com uma candidatura independente às eleições intercalares para a Câmara de Lisboa, que deverá ser anunciada esta quinta-feira.
Depois de várias reuniões, ao longo das últimas semanas, com o seu núcleo duro – no qual se integram Fontão de Carvalho, Gabriela Seara, António Cunha Vaz e Remédio Pires – Carmona deverá apresentar-se como candidato às eleições intercalares.
Margarida Davim – “Sol”

Sá Fernandes e Roseta negoceiam candidatura conjunta
José Sá Fernandes e Helena Roseta encontram-se amanhã para discutir a união das duas candidaturas num movimento independente conjunto.
A proposta partiu de Sá Fernandes e implica que o Bloco de Esquerda prescinda formalmente de apresentar um candidato às eleições para a capital.
Se for aceite, Helena Roseta será candidata a presidente da câmara e Sá Fernandes surgirá como número dois.
Manuel Agostinho Magalhães e Margarida Davim – “Sol”

terça-feira, maio 15, 2007

Lisboa, Cidade Cri@tiva.


Lisboa, Cidade Cri@tiva.

Tenho para mim, já há algum tempo, que é essencial que o PS em Lisboa apresente um bom candidato, uma boa equipa e um bom projecto. Candidato já temos. Falta a equipa e o projecto.

1. A equipa
António Costa, pelo estatuto e pela experiência política que acumulou, tem a possibilidade de poder construir uma equipa dele, pouco influenciada por pressões que possam vir deste ou daquele quadrante do PS. O pior que poderia acontecer em Lisboa, nestas eleições, era o PS apresentar um candidato completamente remendado, fruto de acordos dentro das suas estruturas internas. Lembro que não seria o primeiro, Manuel Maria Carrilho deixou que se apresentasse como equipa um conjunto de figuras pouco coesas e dificilmente sustentáveis num projecto que se quer solidário e a rumar para o mesmo lado.
A António Costa é vital que consiga a equipa que quer, onde todos saibam respeitar a hierarquia e o projecto a apresentar a Lisboa, e onde a determinante de pertença não seja exclusivamente política e partidária. Já o disse, e repito, o PS necessita de valências que, temo, não encontra com facilidade no seu seio. Há que ou ir à «sociedade civil» ou desenvolver um projecto suficientemente agregador para potenciar a relação PS - Sociedade Civil, no meu entender essencial para o futuro da cidade.
Há já algum tempo que tenho reflectido sobre que projecto, que Ideia deve sustentar o desenvolvimento de Lisboa para a próxima década e, no seguimento do que acima escrevi, penso que esse não pode, hoje, ser suportado exclusivamente por uma força partidária.
É aceite que os partidos políticos estão em off, não atraem massa crítica, não conseguem se libertar do estigma da má politica, do amiguismo, dos jobs for the boys. Por mais bons exemplos que existam, a verdade é que as condicionantes das suas vidas internas são demasiado visíveis nos organismos estatais, autárquicos ou afins. É assim quando o PSD e o PP estão no poder, é assim, infelizmente, e em alguns casos, com o PS.
É visto com naturalidade a colonização de Ministério X ou de Departamento camarário Y com elementos do sindicato de voto interno, concelhio, federativo ou mesmo de nível de secções (nomeadamente quando essa secção tem poder nas freguesias). É disto que Pacheco Pereira tem vindo a alertar e esta é uma realidade demasiado dispersa. Isto afasta o cidadão comum da política dos partidos, reduz o leque de recrutamento destes e atrai o político oportunista de segunda, que facilmente sobe na estrutura partidária se souber colocar bem as suas peças no xadrez da secção/concelhia/federação.
Lisboa não necessita desta gente. Basta ver o lastro que os mais de 1000 acessores deixaram na CML, no consulado PSD / PP.
Isto não quer dizer que os partidos políticos estejam, para mim, falidos, ou que necessitemos de alguma refundação democrática à italiana e tal; não. Quer dizer apenas que na vida política a definição da acção tem de passar do próprio para o outro. Cabe aos partidos saberem se apresentar com outros argumentos, com outras lógicas e com outras figuras. E eles têm-nas.
Neste sentido, o PS, ao escolher António Costa, apresenta um exemplo do melhor que há ao nível do serviço público altruísta de qualidade, responsabilidade e de projecto. Ao escolher António Costa, o PS procura desmentir a inevitabilidade da má escolha e demonstra que um partido que quer ser progressista e ter a responsabilidade de gerir o bem comum - como a CML - , pode gerar, de dentro dos seus militantes, candidatos e equipas de qualidade superior.

2. O projecto
Mas não basta candidato e equipa, penso que é decisivo o projecto. Claro que a condição financeira da CML condiciona, à partida, muito do que se possa avançar, remetendo mesmo tudo o que não seja a solvência financeira da câmara para plano secundário. Mas, apesar de entender ser absolutamente estruturante a apresentação de uma task force de exclusiva dedicação ao assunto financeiro, a Ideia para Lisboa não pode ficar refém de uma política e de uma visão exclusivamente monetarista. Lisboa é, e tem de ser, muito mais. Tem de ser modernidade, tolerância, criatividade. Tem de ser competitiva, contemporânea, capital. Lisboa tem de ser Cultura.
Defendo, assim, que haja uma Ideia agregadora para servir de catalizador de uma nova fase de desenvolvimento na vida de Lisboa, atirando-a para a contemporaneidade e para a dinâmica do século XXI. A Lisboa institucional ainda não entrou no novo século. A sua sociedade civil sim. Hoje Lisboa pulula de ideias, iniciativas e projectos. Todos feitos à margem do poder autárquico. E este divórcio necessita de ser anulado.
Do que tenho visto, lido e reflectido, parece-me que o conceito das «Cidades Cri@tivas», devidamente enquadrado na cultura lisboeta, pode e deve poder ser utilizado e desenvolvido. Sumariamente, este conceito consagra três «t’s»: Talento, Tecnologia e Tolerância, e assume que as políticas de desenvolvimento sustentáveis e integradas nas cidades contemporâneas se assentam na maximização do seu potencial de criação sustentada na sua massa humana envolvente e envolvida.
Esta Ideia sustenta que uma Cidade com capacidade de apoiar e promover criadores consegue ser atractiva e socialmente mais equilibrada; que uma cidade com capacidade de se apoiar nas suas redes sociais e humanas pode transformar o seu cosmopolitismo transversal numa existência solidária e competitiva.
Seria através do aproveitamento das diversas redes já existentes na sociedade civil, devidamente enquadradas com a experiência de gestão pública da equipa liderada por António Costa, que se desenvolveria a nova atitude para cidade. Uma vez retomada esta ligação (já existente, por exemplo, no tempo das grandes realizações culturais de Lisboa de Jorge Sampaio e João Soares), o potencial de construção multiplica-se.
A Ideia é envolver a cidade na cidade, construindo um discurso mais inclusivo e moderno. A Cidade Cri@tiva que defendo, albergando gentes de todas as raças, credos, tendências, géneros e formas de vida, é uma cidade que vive nela, de forma orgânica. É uma cidade que se solidariza e que cria. É uma cidade que atrai e compete. É uma cidade que projecta e cumpre.
E hoje, no panorama político actual, e com a anúncio de António Costa, estou certo que só o Partido Socialista pode liderar este novo ciclo de desenvolvimento da cidade capital de Portugal. Um ciclo que, em dez anos dará a Barcelona o exemplo… de Lisboa.

Fialho de Almeida

Oráculo: 5 nomes para 17 de Maio
É de hoje a uma semana, a 17 de Maio de 2007, a partir das 17.30, que terá lugar no Gabinete de Estudos Olisiponenses, em Lisboa, o colóquio «Fialho de Almeida – 150 Anos» - uma iniciativa que, recordo, resulta de uma ideia minha. Estarão presentes, como oradores, António Cândido Franco, António Valdemar, Isabel Cristina Mateus, Guilherme de Oliveira Martins e Ricardo Revez.
posted by Octávio dos Santos in octanas.
Já sabem, dia 17 no Gabinete de Estudos Olissiponenses. Vai lá estar o «nosso» Ricardo.

Divulgação


Os encontros da Arrábida, de reconhecido valor académico e «político», estão prontos para consumo.
Deixo a divulgação.

Congresso




Divulgação


Organizado pelo Movimento «Não apaguem a memória».
E porque é mesmo necessário fazer alguma coisa, inscrevi-me (finalmente...).
A ideia de se criar um roteiro da memória e da resistência é boa, embora a Universidade Nova de Lisboa, através do Hinstituto de História Contemporanea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e a revista História, faça visitas guiadas às Lisboas Revolucionárias (5 de Outubro 1910, 7 Fevereiro 1927, 25 de Abril 1974, pelo menos) há já algum tempo.
Não deixem morrer a memória.

sábado, maio 12, 2007

sexta-feira, maio 11, 2007

Lisboa informada



Happening Lisboa Ideal
Como seria a Lisboa Ideal? Entre Fevereiro e Abril, Alkantara e ZdB, a pergunta foi feita a todos. Receberam mais de 70 respostas: projectos, ideias, imagens, textos...Agora é tempo de as mostrar! Hoje todos os projectos recebidos serão apresentados ao público. O programa inclui igualmente discussões com representantes de diversas associações e movimentos cívicos, vídeos, música ao vivo (Dj´s Ricardo e Pedro, Dama Bete, Mister Lizard, Balla, Houdini Blues, Danae, Dj Jorge Vieira - tudo à borla!), comida e muito muito mais aqui . Estarão presentes escolas e universidades, arquitectos, escritores, jornalistas, artistas...e claro tu, a tua família, os teus amigos! Todos estão convidados. É tempo de conhecer a Lisboa Ideal! /Ana Olissipo

ONDE
Escola Superior de Dança Largo do século (R. d'O Século)
QUANDO
12 de Maio das 18h às 24h
QUANTO
Entrada Livre

Festa das Flores
Há quem ainda não tenha percebido nada de Lisboa. Olhem o Frank Gehry - genial com o Guggenheim de Bilbau mas aquele projecto para o Parque Mayer... Não entendeu que aquele Jardim, o Botânico, a seu lado é uma dádiva para ressuscitar a ex-meca do teatro de Lisboa. Quem já percebeu a importância dos jardins para dar entusiasmo foi um grupo de activistas da música de Lisboa. Chamam-se Open Up Records, Produções Banana, Soundz e Crush, que se juntam para produzir festas. Gostam de explorar sons alternativos ao mainstream das electrónicas em espaços esbeltos. A sua Festa das Flores terá o DJ sueco Martinez, os alemães Monoroom e os nacionais Pedro Seph e Kaesar. Ladeados por flora os aromas musicais vão andar entre o minimal, toada progressiva q.b. e electro-house – afinal a música de hoje poucas fronteiras tem./Artur Soares da Silva

ONDE
Instituto Superior de Agronomia - Pavilhão de Exposições -Tapada da Ajuda
QUANDO
abertura de portas às 24h
QUANTO
15€ dress code: flores

Exposição O Corpo Humano
Entrego-te o meu corpo para que possas saber como tu és por dentro. Os ossos. Os órgãos. Os músculos. Ofereço-te o meu corpo polimerizado para que possas aprender a conservar o teu corpo ainda vivo. Desperto-te a curiosidade e mostro-te as consequências de alguns dos teus actos irreflectidos. Pulmões negros. Usa-me para aumentares a tua sabedoria e a tua consciência do que vive dentro de ti. Leva o tempo que quiseres. A complexidade da anatomia é grande, só ultrapassada pelo fascínio que esta exposição te vai provocando em cada passo que dás. Entrego-me aos teus olhos para que aprendas que a beleza reside principalmente no teu interior./Carlos Ramos

ONDE
Palácio dos Condes do Restelo Rua da Escola Politécnica, N. 42
QUANDO
Até Setembro 10h às 20h (Dom a 4ªf) 10h às 23h (5ªf a Sáb)
QUANTO
Entre 10€ e 21€

António Costa



3 opiniões sobre a possivel candidatura de António Costa.

Paulo Pedroso, Uma aposta de peso para Lisboa in Canhoto de 11 de Maio
José Medeiros Ferreira. Quem quer tramar António Costa?, in Bichos Carpinteiros de 10 de Maio
FAL, Costa sob pressão, in Corta Fitas (retirado do PS Lumiar)

António Costa


UMA CANDIDATURA FORTE E GANHADORA

PS deve anunciar amanhã que o seu candidato à Câmara Municipal de Lisboa é António Costa.
O ministro de Estado e da Administração interna e número dois do Governo sairá do Executivo para concorrer à câmara da capital.Ao que o SOL apurou António Costa é o provável candidato socialista. Depois da recusa de Ferro Rodrigues, que no domingo comunicou a José Sócrates a sua decisão de não aceitar o convite para Lisboa, o nome do ministro da Administração Interna é o que mais entusiasma os socialistas.
Costa está desde quarta-feira em Marrocos, devendo voltar hoje à noite a Lisboa. Segundo a agência Lusa, os membros do Secretariado Nacional do PS querem que seja Costa o candidato do partido a presidente da Câmara Municipal de Lisboa e esperam para breve um sinal do «número dois» do Governo.«Se António Costa quiser ser o candidato a presidente da Câmara de Lisboa, será ele seguramente o candidato. Tudo depende da vontade dele», afirmou um desses membros do Secretariado Nacional do PS. Tanto o gabinete do ministro como o do primeiro-ministro recusam-se a comentar.
Fonte: Sol
.
Em declarações à rádio TSF, o porta-voz do PS, Vitalino Canas, escusou-se a fazer quaisquer comentários sobre possíveis candidaturas, quer de Helena Roseta quer do próprio partido, adiantando apenas que o PS , de momento, não diz se vai candidatar-se sozinho ou em coligação. "O PS não exclui nada", afirmou.
Questionado sobre o perfil de um possível candidato socialista à autarquia lisboeta, Vitalino Canas afirmou que o partido quer "uma pessoa com condições para resolver a situação financeira da CML e dinamismo suficiente para reiniciar a análise e execução dos projectos e obras necessárias para a cidade de Lisboa retomar o seu próprio dinamismo".
Fonte: Correio da Manhã

quinta-feira, maio 10, 2007

A Revelação

Vereador do PS elogia Isaltino Morais em entrevista ao boletim municipal de Oeiras.


Emanuel Maritns "Há, na forma de estar do dr. Isaltino Morais, sempre um olhar para o amanhã, o que me é grato, porque acho que este país perde tempo de mais a olhar para ontem. Desse ponto de vista, tenho aprendido alguma coisa."

A declaração, que consta de uma entrevista de duas páginas publicada na última edição do boletim municipal de Oeiras, pertence a Emanuel Martins, um dos dois vereadores que o PS tem na Câmara de Oeiras.

O autarca aceitou no ano passado os pelouros oferecidos por Isaltino Morais, juntamente com o seu companheiro de lista Carlos Oliveira, e desempenha, também por convite de Isaltino, o lugar de presidente do conselho de administração da empresa intermunicipal Laboratório de Ensaios de Materiais de Obras.

Isaltino de MoraisNa entrevista ao boletim municipal Oeiras Actual, Emanuel Martins afirma que, "mesmo correndo o risco de ser criticado", quer "dizer exactamente" aquilo que sente. E o que sente, garante, é uma "surpresa" na sua experiência de trabalho com Isaltino. "A pessoa que eu conheci está diferente e confesso que para melhor, do ponto de vista funcional", salienta. "(...) superou a expectativa que tinha quando decidimos aceitar pelouros, opinião que é partilhada pelo meu colega de vereação", acrescenta.

Nas últimas eleições Martins foi o cabeça de lista do PS e grande parte da sua campanha assentou no ataque a Isaltino Morais por estar acusado de corrupção pelo Ministério Público.06.05.2007, José António Cerejo in Público (Local)

quarta-feira, maio 09, 2007

O Debate foi este...

Podem ver um comentário aqui.

[Adenda]

E podem ler a transcrição do debate aqui.

Eleições USA 2008 (D)

Hillary Clinton
Hillary Clinton solidifica a vantagem sobre os restantes adversários democratas, numa sondagem pós-debate.

Não deixa de ser interessante verificar o resultado obtido por Al Gore, quando este ainda nem sequer anunciou a sua candidatura.

3 dias

3 dias sem net... Que massacre...
Agora, caiu a Câmara Municipal de Lisboa. Que boa nova. (que me deixa muito preocupado)

Línguas

Lido (ou Read) em sueco escreve-se Lesebestätigung.

Pesquisar neste blogue