sexta-feira, novembro 12, 2010

Como a justiça já era rápida e eficiente...

"A desmotivação tem-se manifestado de diversas formas. Um juiz do tribunal de Alenquer adiou um julgamento alegando que, devido à redução salarial anunciada, "terá forçosamente - de modo a possibilitar que o seu agregado familiar honre os compromissos financeiros assumidos - de reduzir o seu horário de trabalho extraordinário e não remunerado em duas horas diárias. Ao final de um ano trabalhará menos 460 horas, ou 46 dias de trabalho normal. O juiz Diniz Nunes registou esta sua decisão num despacho referente ao caso em julgamento."

Todos sabemos que a justiça funciona de forma rápida e celere, mantendo assim o alto estatuto que goza na sociedade. Assim, percebe-se que os homens fiquem revoltados com estes cortes salariais, já que demonstram diariamente que merecem todos os centimos que recebem.

Com esta decisão, e se a mesma fizer escola, percebe-se que a primeira consequência será que os prazos de conclusão dos processos ir-se-ão arrastar: os julgamentos em tribunal passarão a levar anos a serem decididos. Algo que neste país não estamos nada habituados!

1 comentário:

António Costa disse...

E não há ninguém que despeça esse F**** da P***?

Pesquisar neste blogue