segunda-feira, fevereiro 27, 2006

ESTADO DA NAÇÃO- Um ano de amor

O dr. Vasco Pulido Valente tem (nas suas últimas crónicas) explicado as razões profundas do amor entre o P.M. eleito em 2005 e o bom povo. Cabe ao CLDI um esforço (igualmente profundo) só que baseado em debate -projecto sempre audacioso nesta "terrinha"...

Pode ser um auxiliar para este debate do Estado da Nação um report, publicado faz um ano, pelo Professor Michael A. Weinstein, responsável pela ciência política na Purdue University (USA)- No interessante site pertencente ao Power and Interest News Report este académico diz muita coisa que por cá não ouvimos dizer (assim a frio pelo menos!!!!)

former Environment Minister Jose Socrates, took advantage of the P.S.D.'s weakness to focus
Blair, Socrates promised simultaneously to maintain fiscal austerity and to alleviate poverty and boost employment by 150,000 workers -- while downsizing the public bureaucracy by 75,000 through attrition -- during his term. Branding the Socialists as "The Modern Left," Socrates proposed to achieve his seemingly contradictory goals by administering a "technological shock" to Portugal by doubling state expenditures on research and development, and helping to bankroll 200 new advanced technology companies. In order to support the technological shock, Socrates also promised to reform the country's educational system and to set up job training programs. He said that he would seek the help of the business community to realize his goals, which, he admitted, could not be achieved by state activity alone.

para além deste retrato aind nos brinda com a sua ideia acerca dos partidos de esquerda
pleading for patience from the latter after they achieve power.

Não vos vai espantar a conclusão do sr.prof. Weinstein

The "new political cycle" acknowledged by all of Portugal's political class might be short, since the structural roots of the country's recent political instability remain in place.

Lancei este post pela data-como já perceberam-mas também porque para a semana temos a posse do novo inquilino de Belém; Assim penso que este prof. dos States devia continuar a olhar com interesse aqui para o cantinho..... É que o dito prof ou é bruxo ou é muita bom cientista:

Whether or not his vision of "Nordic democracy" is realistic for Portugal in the long term, Socrates will encounter cross-pressures in the short run that threaten to overwhelm his projects.

A bem da Nação e até dia 2!

UM ABRAÇO CHEIO DE AMOR PARA TODOS OS MEMBRO DO CLDI

Conferencia a 2 de Março

O Clube «Loja de Ideias» convida a estar presente na sua iniciativa

«Sistemas eleitorais e Partidos Políticos I:
processos de recrutamento de lideres e mecanismos de selecção de candidatos.»


que ocorrerá na
Biblioteca-Museu República e Resistência
(Rua Alberto de Sousa, 10-A à zona B do Rego)
Quinta-feira, dia 2 Março de 2006, pelas 21.00h.


No âmbito do ciclo sobre a «Reforma do Sistema Político Português», e no suporte da iniciativa do «Call for Papers», o Clube «Loja de Ideias» apresenta a conferência «Sistemas eleitorais e Partidos Políticos I: processos de recrutamento de lideres e mecanismos de selecção de candidatos.»

Este evento apresenta a primeira parte de um conjunto de reflexões sobre os Partidos Políticos, partindo sempre da premissa da inevitabilidade sistémica da existência dos mesmos como intermediários privilegiados entre os cidadãos-eleitores e o Estado. Neste conjunto de três iniciativas, procuraremos, além da conferência anunciada, deambular sobre os possíveis processos e propostas de reformas internas (a 6 de Abril) e sobre as características das democracias partidárias (a 4 de Maio).

Em todas as iniciativas a ideia é apresentar uma dupla dimensão analítica, criando um espaço discursivo preenchido quer por académicos quer por políticos, procurando no confronto entre a Teoria e a Prática o espaço de construção da reflexão.


A iniciativa contará com a presença dos seguintes conferencistas:

Pedro Mota Soares, deputado do CDS/PP

Representante do MRPP

José Tavares Castilho (CEHCP-ISCTE), sobre recrutamento político no Estado Novo

Moderador: Paulo Dias (Clube «Loja de Ideias»)


Debate aberto ao público.


O Clube «Loja de Ideias» apresenta-se como uma iniciativa não partidária e não ideológica e tem como objectivos contribuir para a construção de novos espaços de debate e intervenção política, fora dos círculos institucionais, visando uma melhor e oleada articulação entre a sociedade civil e a sociedade política e partidária. Em suma, interessa-nos a actividade cívica, articulada numa múltipla dimensão social, política e cultural, contribuindo para uma redefinição conceptual do Espaço da Cidade Contemporânea

Contacto:
José Reis Santos
josereissantos@gmail.com

Carnaval Perdido...


Partilho com o Paulo o fascínio por esta série.

É daquelas que «agarra»: bom drama, óptima história, bons actores e uma envolvência difícil de resistir. A forma como somos puxados para a intimidade de cada personagem, escolhidas uma por cada episódio, é impressionante. A construção da trama, com uma rede diariamente sufocante, impressiona. É incrível como espero por cada episódio.

Para quem não saiba, embora aqui já tenha sido notado, o Lost tem passado, lá para as 2 da manhã, diariamente na RTP 1. A ideia é lançar a segunda série, que começará na terça-feira, dia de Carnaval.

Assim, e para os que não puderam seguir toda a primeira época, e em especial para o Paulo, a RTP patrocinará uma sessão maratona composta por todos os episódios na primeira série. Este programa a não perder é na próxima terça-feira à tarde. Depois do jantar começa a 2ª série.

Bom Carnaval.

Topics Europe- USA

Tendo em conta a prioridade para este ano do CLDI estar assente nos sistemas e processos eleitorais pensei ser importante trazer material de interesse para o tema.
Teve o dr.Reis Santos a amabilidade de colocar em meu nome alguns links engraçados para futuro estudo...(thank you zé!)

Aproveito para deixar aqui o endereço de um comentário sobre a Europa e o seu comportamento eleitoral-o artigo é muito bem feito, buscando averiguar qual a verdadeira dimensão dos "negócios estrangeiros" nas eleições que este ano vamos ter na União.


ficam dois tópicos:
1-Isto vai mudar ou não?


Is Europe moving left? Right? Both?

2-Somos ainda e sempre a "velha Europa"-até quando?


the European electorates, parliaments and high officials are much more inclined than their American counterparts to leave formulation and conduct of foreign policy to the civil service experts in foreign ministries

Pedro Faria.
até Breve

sábado, fevereiro 25, 2006

Reclamação aceite

O Pedro, num post que eu lhe publiquei, reclamou que estava incompleto.

Reclamação aceite. Aqui vão os restantes links.

Ainda sobre o Syriana.

Este artigo e este site.

[Pedro, tens de te «ligar» ao blogue]

Recomendado pelo «contratado»

o Pedro Faria, na sua permanente busca de «bom material», sugeriu-me estes.

Sobre eleições em geral ; sobre Itália em particular.

Como sempre, bem recomendado

[temos ver se marcamos umas discussões públlicas, no blogue, sobre um texto interessante]

Notas dos outros

Bom apontamento este.

Do melhor que o vi fazer.

Sobre outro assunto, Paulo, largaste o nuclear?

Assim é facil

Vi este texto aqui.

Não entendi. Será ele a querer ser este? Não dá.

Será este a querer alguma coisa? Não sei.

O texto em si é fácil. Embora lá falar e criticar só por falar e criticar. Pelo que vejo não é suficiente falar, há que estar pronto para ouvir, e dizer alguma coisa.

O Filipe, parece, não ouve muito, porque muito por aí se diz.

O Manuel, apesar de muito falar, pouco diz que sustente. Não basta lembrar textos e direitos. A vida em sociedade, em democracia, é, também colectiva. Tem regras e ordenações, caso não seja não funciona. E tem de ser de todos e para todos. Não há donos.

Assim, apesar de se defender com os «seus» direitos, rapidamente Alegre invade com leveza espaços dedicados ao «seu» colectivo. Vide, sobre este exemplo, como usa a palavra o deputado-poeta. Só responde perante ele próprio, a Constituição e o Ser Superior. Pergunto: qual deles o elegeu, Filipe?

É fácil falar, ter audiência que ouça sem entender. Difícil é ouvir. Difícil é dizer alguma coisa.

A ler

The Limits of Democracy, por Ralf Dahrendorf

[via Paulo Gorjão]
Lindo...

Vejam.

Eu quero a quatro queijos com extra cebola.

[Via Joana Dias]

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Sentir-te perto,

Intimidade vertiginosa,

Contagiante na emoção,

Toque e reacção vigorosa,

A viagem pela razão,

O certo ou não certo…



Palavras ditas,

Em horas oportunas,

Sentimento explicito no acto,

Transportado por dunas,

Nesse deserto, em busca do Oásis,

Num acordar pleno e compacto.



Farto-me de palavras,

Quero o teu toque de pétala,

No meu corpo despertado,

Na minha alma desflorada,

Ao desejo perpetuado,

Na intensa entrega demonstrada.



Voar sobre teus sonhos,

Percorrer o teu olhar,

Viver o teu presente,

Em todo o instante saborear,

A paixão crescente,

Revitalizada a cada dia.

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Pedro Faria - Syriana

Sem autorização e em pré anunciação, aqui vai um texto de um possivel novo colaborador: Pedro Faria.
TEMA: O FILME SYRIANA ESTREOU FAZ UMA SEMANA
ATENÇÃO CONSUMIDORES DE TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO
Devem ir ver SYRIANA uma deliciosa mistura de elementos para mostrar com a vida quotidiana se pode associar de um modo directo às tramas geopolíticas e aos esquemas conjuntos da finança e - muito na ordem do dia - dos gestores e consultores de energia (addicted to oil como diria o Grande Líder)....!
A grande tese que atravessa o filme é directamente inspirada por um relato de um former CIA operative o sr. BAER.Tão famoso se tornou que já tem a devida entrada na wikipedia
Para quem não gosta de filmes "parados" ou simplesmente já conhece de trás para a frente as diversas teorias da conspiração actualmente vigentes não recomendo o filme no cinema, proponho claro a versão em casa junto à lareira...para todos os outros, em especial os mais curiosos ou desocupados, recomendo uma sessãozinha com companhia inteligente e informada (é bem divertido ver como dezenas de relatos de movie goers mostram como não "perceberam bem" o desenrolar do filme! um que foi com a namorada nova dizia num blog qualquer "percebi que ela n percebeu nada" )
Não me cabe a mim fazer crítica de cinema QUERO ANTES CHAMAR A VOSSA ATENÇÃO PARA AS LIGAÇÕES DESTE FILME COM A POLÉMICA ACTUAL SOBRE A ACTUAÇÃO DOS SERVIÇOS SECRETOS DOS STATES NO MUNDO
É que , para quem não saiba, anda tudo meio louco com um artigo do sr. Pillar na conceituada revista Foreign Affairs para saber tudo leiam isto.
E talvez o Manuel de Oliveira queira fazer uma longa metragem sobre o envelope 9!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Pedro Faria

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Só Para Alguns

Revista «Clube da Europa» lançada esta semana.

É lançada esta semana a revista «Clube da Europa», publicação com uma tiragem de 60 mil exemplares dirigida aos estabelecimentos de Ensino Secundário portugueses e que contou com o financiamento do Parlamento Europeu (PE).

Segundo a Companhia de Ideias, que lança a publicação, trata-se de uma edição única, de distribuição gratuita, com 16 páginas.

A distribuição aos cerca de 500 estabelecimentos do Secundário será feita por correio e através da Confederação Nacional de Associações de Pais (CONFAP) e da Federação Nacional de Associações de Estudantes do Ensino Secundário e Básico (FNAES).

Os conteúdos versam a história da Europa, a composição actual do PE, dicas para pesquisar e encontrar informação nos «sites» europeus e uma lista de oportunidades de estudo, estágios e carreira na União Europeia (EU).

Inclui ainda propostas de temas para debate - como «Porque não uma língua única europeia?» ou «Os alargamentos da UE devem continuar?» -, dentro e fora das salas de aula.

A revista desdobra-se, no blog clubedaeuropa.blogspot.com. Os estudantes são desafiados a participar no passatempo, enviando textos da sua autoria. O mais criativo irá à televisão participar no programa «Europa. Os próximos 20 anos», com estreia agendada para o próximo dia 20 de Fevereiro.

Fonte da noticia: Diário Digital

P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

terça-feira, fevereiro 21, 2006

O laicismo da Comunicação Social !!!

O laicismo da Comunicação Social neste rectângulo nos extremos da Europa fica á mesma distancia do que como na restante Europa se aborda este assunto, ou seja nos antípodas de qualquer razoabilidade, senão vejamos:

Como quando foi com o funeral do Papa João Paulo II, a Beatificação dos Pastorinhos (videntes só se forem do óbvio), o Congresso Internacional para a Nova Evangelização e a procissão das Relíquias de Santa Teresa de Lisieux no início do mesmo, em que todos os canais de televisão generalistas mais os dois noticiosos do cabo (SIC Noticias e RTP Noticias) bem como uma série de rádios transmitiram em directo estes eventos, a palhaçada repetiu-se agora até ao vómito, desta vez com a transladação de Lúcia de Jesus, também conhecida por Irmã Lúcia (a Santa antes de o ser), de Coimbra para Fátima.

Eu não pago os meus impostos para que tenha que dar á RTP e á sua afiliada no cabo, bem como a Antena 1 para que transmitam coisas que detêm um escasso fundamento para serem consideradas de serviço público, se as estações privadas o quiserem fazer, estão no seu direito pois é uma opção destes, mas agora e analisando as audiências nestes dias, vê-se claramente que sobe em flecha a audiência em todos os canais da TV Cabo.

A RTP, bem como a Antena 1, que são viabilizadas e financiadas por dinheiros de muitos milhares de descrentes, com outra crença e religião e indiferentes (embora baptizados, mas cada vez mais sem o serem) deveriam informar, quiçá transmitir flashes de informação e porque não alguns directos sobre o evento, mas agora dedicar entre cinco a dez horas seguidas a cada um destes eventos é completamente abusivo.

E ao contrário do que poderemos pensar, esta opinião é partilhada por muitos milhares de crentes, pois muitos não se revêem nos chamados milagres de Fátima ou não querem passar as suas tardes e com informação até á exaustam perderem o seu dia de descanso com esta programação.

Se a Igreja Católica Romana e os seus cada vez mais apaniguados média pensam que tal atrai fieis á sua causa, podemos estar assegurados que não, o problema é que desperdiça imensos recursos que poderiam ser utilizados de outra maneira.

Espero que a nova Alta Autoridade para a Comunicação Social intervenha, senão, será mais um nado morto criado por uma também cada vez mais nado morta nação.
P.S. – Reflexão também publicada no Geosapiens.

Como???

E não é que é já para a semana? Como é que foi isso?

[realmente, estes meses pequenos desaparecem...]

Próxima Conferência:

Biblioteca-Museu República e Resistência
2 Março 2006, 21 horas

Sistemas eleitorais e Partidos Políticos I:
processos de recrutamento de lideres e mecanismos de selecção de candidatos.

Representante do MRPP
Representante do CDS/PP
Marina Costa Lobo (ICS-UL)

Moderador: Clube «Loja de Ideias»
[Mais pormenores em breve]

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Como prometido

Como prometido, aqui vai:
[sobre a divulgação ou não no espaço dos blogues]
Caro Luís Tito,Penso que fui suficientemente claro. O que quis dizer é que apoio quaisquer atitudes de divulgação do trabalho e iniciativas de outros projectos, quer esteja directamente envolvido ou não. No Clube «Loja de Ideias» não temos o hábito de descriminar, nem positiva nem negativamente, e, nesse sentido, procuramos dar exposição a quem para o efeito nos solicite.
Esta é a posição do Clube «Loja de Ideias». Pode não ser essa a sua posição. Imagino que deverá receber várias solicitações de divulgação, e que faça uma qualquer selecção sobre o que divulga e o que sonega. Essa atitude é, sempre, selectiva. A questão que lhe deixei foi sobre as condicionantes da sua escolha: é ela crítica? Ou apenas política?Em todo o caso, não estou a procurar criticar a suas opções, apenas as achei de interesse. E por isso o comentário.Terei sido suficientemente explícito?
José Reis Santos

domingo, fevereiro 19, 2006

Resposta

Caro Luis Tito

Em primeiro lugar, porque a educação ainda existe, agradeço-lhe a pronta resposta e atenção às minhas humildes observações.

Sobre o que disse, é com agrado que o vejo repetir, na quase totalidade, os argumentos que apresentei. No entanto, uns reparos:

1 – Não entendi o que quer dizer quando me «acusa» por ter escrito na sua caixa de comentários. Afinal para o que ela serve? Será que esperava que o comentário ficasse aqui no blogue? E que daí iniciássemos esta troca de impressões? [está prometido que o próximo post será a reprodução deste comentário…]

2 – Não entendo isso de links, de retribuir links e essas coisas. Quando se referia ao facto de eu não o linkar referia-se a isto? Ou ao facto de ter uma série de links fixos no seu blogue. Nós não temos links externos.

3 – Sobre os aspectos discricionários das suas escolhas, penso que é suficientemente explícito quando diz que, ao linkar o Clube «Loja de Ideias», o faz Sem qualquer crítica, nem qualquer condicionante. Fá-lo porque sim, porque apetece fazê-lo. Caso ainda não tenha reparado, somos politicamente correctos ou incorrectos, fraternos ou não, conforme o que entendemos ser as nossas próprias vontades.

4 – Não penso, no entanto, que tenha entendido totalmente as razões da minha queixa: eu não queria publicidade ao Clube «Loja de Ideias» (ou ao seu Armazém). Queria que publicitasse o nosso Call For Papers sobre a reforma do sistema eleitoral em Portugal (para a Assembleia da República). E, sinceramente, acreditava que você fosse dos que entenderia ser este um bom projecto. Afinal vejo-o crítico do sistema partidário, apoiante do Manuel Alegre e aparentemente interessado em produzir algumas mudanças. Porque não debater o sistema eleitoral?

[dizem-me que as regras da etiqueta da blogosfera impunham que esta conversa fosse entre blogues, que eu não deveria ter escrito na caixa de comentários. Eu, como já referi desconhecia essas regras. Não volta a acontecer.]

Divulgação I

Finalmente acabámos a divulgação do «Call for Papers».

Procurámos, dentro das nossas possibilidades, que a nossa iniciativa fosse difundida pelo maior número de lugares possíveis, procurando simultaneamente atingir o nosso público-alvo e as instituições que julgamos poderem estar mais interessadas no tema da reforma do sistema eleitoral para a Assembleia da República.

Neste sentido fizemos um poster (A3), que afixámos em diversas Universidades e instituições.
Estas foram as instituições escolhidas (em particular os departamentos de Direito, Sociologia, Ciência Política, Relações Internacionais, Estudos Europeus):

Universidade Nova de Lisboa – FCSH, Faculdade de Direito, Faculdade de Economia;
Universidade de Lisboa - Faculdade de Direito, Faculdade de Letras, Instituto de Ciências Sociais.
Universidade Técnica de Lisboa – ISCSP
ISCTE – História, Sociologia, CIES
Universidade Moderna – Lisboa, Beja e Setúbal
Universidade Lusíada – Lisboa e Porto
Universidade Católica – Lisboa e Porto
Universidade de Coimbra - Faculdade de Letras, Faculdade de Economia, Faculdade de Direito, CES.
Universidade do Minho
Universidade do Algarve
Universidade de Aveiro
Universidade da Beira Interior
Universidade Aberta
Instituto Superior Bissaya Barreto
Instituto Superior Estudos Interculturais Transdisciplinares - Viseu
Universidade de Évora
Universidade Autonoma de Lisboa
Universidade do Porto – Faculdade de Letras, Faculdade de Direito
Universidade dos Açores
Universidade Fernando Pessoa
Universidade Portucalense
Universidade Internacional

Instituto Português de Relações Internacionais
Associação Portuguesa de Ciência Política
STAPE
Tribunal Constitucional
Câmara Municipal de Lisboa
Câmara Municipal de Óbidos
Comissão Europeia
Museu da Presidência da República
Biblioteca Nacional
Torre do Tombo
Assembleia da República
Grupo Parlamentar do PS
Grupo Parlamentar do PSD
Grupo Parlamentar do PCP
Grupo Parlamentar do BE
Grupo Parlamentar do CDS/PP
[Se considerarem que alguma instituição deveria de estar nesta lista, diga-nos]

Alguém explica?


Alguém explica porque é que a «irmã» tem direito a 12 horas de transmissão directa em todos os canais abertos em Portugal?
Não era suposto sermos mais plurais?
Bem, é da maneira que se trabalha...

[imagem retirada da AspirinaB - os tipos tem jeito para estas coisas]

Rescaldo





































sexta-feira, fevereiro 17, 2006

É hoje…


…que o cometa volta a passar

Bauhaus

Hoje vou ao Porto ver os miticos Bauhaus.
Em 1998, quando cá vieram da outra vez, eu estava em Inglaterra. Mesmo aí pensei em voar para o Parque das Nações para trocar duas ideias com a minha meninice pseudo gótica.
[já tinha visto Peter Murphy no Coliseu, mas não é a mesma coisa...]
Não deu na altura. Hoje vai dar.
Ainda por mais, pelo que aqui diz, acho que hoje acabam a tornee...

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

N'América

Para quem já começa a olhar para as presidênciais americanas, aqui está um bom estudo. Ainda sem Al Gore (de quem se volta a falar, do lado Democrata), mas mesmo assim um bom estudo para o arranque das hostilidades.

Toda a Verdade

Experimentem ir ao Google, no campo de pesquisa escrevam "brasileiro estúpido" e de seguida cliquem no botão que diz "sinto-me com sorte".
P.S. - Demora a entrar, mas vale a pena...

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

OK CITY

Noticia...

Normalmente dar uma notícia sobre nós mesmos costuma soar a auto elogio ou a convencimento de que somos mais do que na realidade podemos ser, mas hoje recebi um convite muito amável para ser um dos Membros do Gatil do Blog: Gata Chalupa, não que aquilo seja um saco de Gatos, mas parece-me ser um projecto interessante, agora pelos vistos, vão contar com as minhas intervenções.

Não deixarei de ser polémico e defender as minhas ideias, mas com certeza que quem me efectuou o convite não queria que eu fosse de outro modo, tentarei e ao abrigo do espírito do Blog ter algum humor, e quem me conhece sabe no entanto que sou sarcástico e irónico o quanto baste nessa área e que o meu humor é tudo menos fácil, mas enfim veremos como é que correrá...

Dos Outros

15 de Fevereiro; 19:00 horas
Livraria Almedina - Atrium Saldanha
O PÚBLICO DECIDE

Moção:
A América Protege a Europa
A FAVOR
Henrique Raposo
mestrando em «Política Comparada» no ICS-UL
Gonçalo Curado
mestrando em «Política Comparada» no ICS-UL

CONTRA
André Barrinha
doutorando em «Relações Internacionais» na Univ. de Coimbra
David Mendes
mestrando em «Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação» no ISCTE

IPRI-UNL /Almedina
PROGRAMA O PÚBLICO DECIDE
Organização: Manuela Franco (IPRI-UNL) e Almedina

O IPRI-UNL e a ALMEDINA – EDITORES E LIVREIROS propõem uma série de quatro sessões de debates públicos (ao estilo da Oxford Union Debating Society) sobre questões de política internacional. Em cada sessão será apresentada uma moção sobre uma questão de actualidade. Esta moção será defendida e contestada por duas equipas. A vitória no debate é decidida pela votação do público presente.

As regras de debate são rigorosas

As sessões decorrerão na Livraria Almedina – Atrium Saldanha – Pç. Duque de Saldanha, 1 – Loja 71 (2º Piso), em Lisboa.

Para mais informações, consulte http://www.almedina.net/ / www.ipri.pt
ou contacte paulalopes@netcabo.pt.

terça-feira, fevereiro 14, 2006

De dentro da PT ...


A VER A OPA A PASSAR?

Quem se lembra do filme «Wall Street» poderá ter uma ideia do que se passa no mundo da Bolsa e neste caso da OPA à PT em particular.

Uma jogada do Passado

Após a fusão da Telecom Portugal (TP) com os TLP, o governo do Cavaquistão iniciou o processo da privatização. A nova empresa (PT) tinha sido avaliada à nascença por um consórcio internacional por 1,2 mil milhões de contos em 1994.
Iniciado o processo de privatização, o governo nomeou uma comissão avaliadora onde se incluía o BES e que determinou o valor total da PT para ser lançado no mercado de 600 milhões de euros. 50% menos, é obra!
E isto foi um escândalo na época, relatado nos jornais, como é que uma entidade avaliadora podia ser depois compradora também. Com isto, o governo de então fez que o Povo Português subsidiasse a fundo perdido com centenas de milhões de contos todos os compradores, tanto na Bolsa de Lisboa como nas de Nova Iorque e Londres. O Estado foi roubado!
Foi também o tempo das ilusões para os pequenos accionistas que ganharam algum dinheiro e acreditaram no disco governamental de então de “capitalismo popular”. Esfumou-se rapidamente.

A Jogada de agora

Se recordámos o que se passou há cerca de 12 anos, é para reflectirmos sobre a actualidade, nomeadamente o caso da OPA presente.
O governo Sócrates «vai pensar» e aguarda a assembleia de accionistas, diz, porque «as regras do mercado estão a funcionar».
Poderia dizer outra coisa agora?
Só “engole” esta quem quer.
Podia lá ser, um negócio deste tipo e tamanho (14 mil milhões de euros) não estar estudado, programado e combinado com o Governo Português, que detém as 500 acções de ouro (“Golden Share”) que podem vetar o negócio da sua vida, ainda por cima vindo da parte de um empresário “apartidário” que sempre tanto tem ajudado os partidos dos governos e que confia agora ainda mais em Sócrates em particular?
Necessariamente, que o governo vai esperar para ver como reage a oposição (BES, Telefónica e outros) e ver “o clima político” para poder ou não aceitar o combinado e preparado há muitos meses atrás e para o que contou com a má gestão da actual Administração da PT.

A “festa” da comunicação social

Como se vê pela comunicação social, “a festa” que vai pelos “especialistas” e “espertos” bem pagos a “botar faladura” sobre os “méritos” da operação bolsista, são já às dezenas e todas convergem numa coisa, o Povo Português e os trabalhadores da PT, assim como as suas organizações representativas, CT e Sindicatos, os milhões de clientes parecem arredados de tudo, apenas reservados ao papel de espectadores para «Ver a Banda Passar».

Vai haver contra-OPA? Não vai? Gritam sorridentes os “especialistas” ou “voz do dono”, pagos pelos donos do “festim”. Veja-se a censura férrea que todos fazem a quem está dentro do assunto e não alinha com eles. Foi o que aconteceu no programa dos PRÓS da RTP. Dos 6 convidados, 5 pareciam a voz do sr.Azevedo.
O que é importante para eles?
Por exemplo, já sabemos pelos jornais, que o pai do sr.Azevedo era carpinteiro e a mãe modista, o homem trabalha 10 horas por dia, mesmo quando não está a fazer nada, contos de fada que fazem comover alguns corações, história igualzinha à de tantos milionários de negócios normalmente pouco claros.
Além disso, dizem os “especialistas”, trata-se de um grande grupo português, mesmo que para isso seja preciso “nacionalizar” o grupo francês ligado à Distribuição (Continente), a France Telecom e o dinheiro do financiador Banco Santander, o que é muito “patriótico”.

Afinal quem perde?

O emprego para milhares, o fundo de pensões, a PT-ACS (saúde), o AE, a estratégia nacional do sector, o desfazer do grupo PT e a sua venda a retalho para obter mais valias de muitos milhões, a concorrência, o ainda serviço social existente de telecomunicações, a I&D nacional (Centro de Estudos de Telecomunicações), etc, tudo isto está posto em causa nesta operação.
E claro, nesta altura em que tudo ainda se desenrola sem certezas, “as garras” ainda estão encolhidas até ao negócio se fechar, com OPA ou contra-OPA.

Porque que é que isto aparece?

A média europeia do PIB (produto interno bruto) entregue a quem o realiza, os trabalhadores, é 51%. Em Portugal é 40% (estatísticas da UE)
. Pois, 60% vai para os bolsos de pessoas como o sr.Azevedo.
O chamado neo-liberalismo ou capitalismo selvagem que os sucessivos governos, têm aplicado ao País há 30 anos e que em períodos eleitorais negam ou dizem combater, conseguiram levá-lo aos poucos, primeiro para o último dos 15 da UE e depois da entrada de mais 10 países, a curto prazo de ser o último dos 25 da UE.
Em que bolsos param os milhares de milhão de euros que a UE entregou a Portugal desde 1986?
Para isso, Portugal contou com homens como o sr.Azevedo, empresário bem cotado entre os 300 melhores milionários do mundo para o que precisa de operações como esta de desfazer a PT, para a venda ao retalho a quem der mais, como já disse. Nem um tostão o sr.Azevedo vai arriscar do bolso dele.

É por isso que esta operação relembra a acção do filme «Wall Street», onde homens virados para jogadas milionárias da Bolsa, podem comprar empresas, desfazê-las, revendê-las aos pedaços ou mesmo fechá-las para diminuir a concorrência de outras, completamente indiferentes, ao povo, aos trabalhadores, às famílias e a tudo o mais que não seja o seu lucro imediato.

E as 500 acções de ouro e a consequente blindagem dos estatutos da empresa, uma das defesas contra a destruição da PT, dependem neste momento de um governo escolhido por muitos portugueses pelas abundantes promessas que realizou.

Não te deixes ficar «A VER A BANDA PASSAR»!

Próximas iniciativas

Primeiras quintas-feiras
Todas as conferências a ocorrer na Biblioteca-Museu República e Resistência, pelas 21 horas
2 Março
– Sistemas eleitorais e Partidos Políticos I: processos de recrutamento de lideres e mecanismos de selecção de candidatos.

Representante do MRPP
Representante do CDS/PP
Marina Costa Lobo (ICS-UL)
Moderador: Clube «Loja de Ideias»

6 Abril
– Sistemas eleitorais e Partidos Políticos II: que reformas para o caso português?

João Teixeira Lopes (BE)
Representante do PCP
Manuel Meirinho Martins (ISCSP-UTL)
Andrès Malamud (CIES-ISCTE)
Moderador: Clube «Loja de Ideias»

4 Maio
– Sistemas eleitorais e Partidos Políticos III. Que democracia interna?

Joaquim Raposo (PS)
António Preto (PSD)
Carlos Jalali (Universidade de Aveiro)
Moderador: Clube «Loja de Ideias

1 Junho
– Sistemas eleitorais e o Futuro. Propostas e projectos de reforma do sistema eleitoral em Portugal I.

Villaverde Cabral (ICS-UL)
Comentador: Pedro Magalhães (ICS-UL)
Duas propostas seleccionadas do call for papers.
Moderador: Clube «Loja de Ideias»

2 Junho
– Sistemas eleitorais e o Futuro. Propostas e projectos de reforma do Sistema eleitoral em Portugal II.

André Freire (ISCTE)
Comentador: Jorge Miranda (FDL-UL)
Duas propostas seleccionadas do call for papers.
Moderador: Clube «Loja de Ideias»

Novo E-mail

«Call for Papers»
«A reforma do sistema eleitoral português
(para a Assembleia da República)»

O Clube «Loja de Ideias» convida os interessados a submeterem propostas de comunicação sobre a «reforma do sistema eleitoral português (para a Assembleia da República)»; encorajando para o efeito novos investigadores, mestrandos, doutorandos e todos aqueles que, julgando ser possível melhorar o actual sistema, visualizem as suas soluções em forma de proposta concreta.

As propostas seleccionadas serão apresentadas publicamente, na Biblioteca-Museu República e Resistência, em Lisboa, nos dias 1 e 2 de Junho 2006.

Comissão Científica
André Freire (ISCTE)
Andrès Malamud (CIES-ISCTE)
Carlos Jalali (U Aveiro)
Jorge Migueis (STAPE)
Jorge Miranda (FDL-UL)
Manuel Meirinho Martins (ISCSP)
Marina Costa Lobo (ICS-UL)
Pedro Magalhães (ICS-UL)
Pedro Tavares de Almeida (FCSH-UNL)

Comissão Organizadora
Clube «Loja de Ideias»:
Diogo Moreira
José Reis Santos

Data limite de entrega de propostas: 7 de Abril de 2006.

As propostas:
# Não devem ultrapassar os 30000 caracteres, em letra corpo 12, com espaçamento duplo.
# Devem-se fazer acompanhar por um sumário de 2 páginas.
# Incluir CV resumido + contactos: telefone e e-mail.

Envio de propostas:
Novo e-mail do Clube «Loja de Ideias» – lojadeideias@gmail.com

Apresentação de resultados:
19 de Maio de 2006.

Júri avaliador:
Comissão Científica e Comissão Organizadora.

Informações:
Diogo Moreira – 96 2548876
José Reis Santos – 91 6665260

O Clube «Loja de Ideias» apresenta-se como uma iniciativa não partidária e não ideológica e tem como objectivos contribuir para a construção de novos espaços de debate e intervenção política, fora dos círculos institucionais, visando uma melhor articulação entre a sociedade civil e a sociedade política e partidária. Em suma, ambiciona acrescentar planos interpretativos que possam contribuir para melhorar a definição de espaços públicos, partindo do estudo das relações de quem neles intervêm e procurando aperfeiçoar a relação entre o cidadão e a Cidade.

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Centenário do nascimento


“Do que você precisa, acima de tudo, é de se não lembrar do que eu lhe disse; nunca pense por mim, pense sempre por você; fique certo de que mais valem todos os erros se forem cometidos segundo o que pensou e decidiu do que todos os acertos, se eles foram meus, não são seus. Se o criador o tivesse querido juntar muito a mim não teríamos talvez dois corpos distintos ou duas cabeças também distintas. Os meus conselhos devem servir para que você se lhes oponha. É possível que depois da oposição, venha a pensar o mesmo que eu; mas, nessa altura já o pensamento lhe pertence.São meus discípulos, se alguns tenho, os que estão contra mim; porque esses guardaram no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmitir-lhes: a de se não conformarem”

Agostinho da Silva, Cartas a um jovem filósofo

domingo, fevereiro 12, 2006

Manuela, cravo e canela ...

Olá a todos!
Sou uma recém chegada que caiu exactamente aqui.
Conheço o Zé Miguel há quase 15 anos. Mais crescidos, acabámos por escolher o mesmo curso na Lusíada. Eu, na altura, sem saber bem porquê, mas ainda bem, porque é disto (das R.I.) e da Política (para além da Dança, como já devem ter percebido) de que mais gosto.
Congratulo a existência do "clube" e da sua expressividade quer neste blog, quer nas suas outras "batalhas", travadas com base na ideia da sabedoria e da tolerância, que portará, certamente, um contributo útil na construção das sociedades.
Espaços como este são importantes. Agora, e socorrendo-me dos "cartonettes" li o artigo "postado" pelo colega Geo, do Prof. Soheib Bencheikh. Contribuiu para carificar a minha opinião em absoluto! Um exemplo vivo de que espaços como este são importantes.
O campo transfronteiriço da cultura e da informação, boa ou má, pouco clara, no fundo, vive por todo o lado. E quantos mais formos, a tentar perceber a política e os comportamentos, os acontecimentos, sob perspectiva sábia (tentemos!) e tolerante (creio que somos capazes de conseguir), mais podemos ser um contributo na educação política das sociedades. E quantos mais em tolerância, quantos mais "bons", nesta divisão maniqueísta de forças que considero existir. O equilibrio do universo reside nisso mesmo, ATITUDES, que nos conduzem (Humanidade) a um maior pendor para um lado, ou para o outro.
Uma pequena mensagem ao colega que está a tentar escrever sobre o BA Sonae, PT, mais os outros todos ... Boa sorte! Partilho o teu esforço!
Vou passando por aqui para vos ler e dar o ar da minha graça! Ah, e certamente difundir o blog junto dos meus!
Obrigada!
Manuela

Aqueles que não compreendem nem o Islão nem a liberdade

Depois da publicação das caricaturas alusivas à pessoa do Profeta, por razões provavelmente mal intencionadas, a reacção de certos muçulmanos situa-se para além do surrealismo.

Os regimes "muçulmanos" e cartas organizações "islâmicas", como a UOIF (1) em França por exemplo, vão até à exigência patética de desculpas solenes dos chefes de governo dos países onde as caricaturas foram publicadas. Em França, o acontecimento tomou proporções "eliseiescas" (2)

Esta reivindicação, insólita na memória árabe, suscita muitas interrogações. Será que esses muçulmanos ignoram o ensinamento corânico que nos incita a transcender as polémicas ? Será que não têm no seu coração o versículo "e quando eles (os crentes) são interpelados pelos ignorantes, dizem: Paz"? Será que não sabem que o Profeta sofreu os tormentos e as injúrias mais humilhantes? Que quando os politeístas da sua época o qualificaram de efabulador e impostor, ele não lhes torceu o pescoço, antes respondeu-lhes: "Deus fará justiça no dia da retribuição."

Será que esses muçulmanos ignoram que o Islão, que traduziu e estudou os filósofos mais ateístas e que argumentou face às ideologias mais perigosas, destruidoras e semeadoras de dúvidas, não deveria tremer hoje perante um desenho caricatural e de mau gosto?

Contudo, uma religião segura de si própria, convicta da sua solidez, não pode eximir-se às críticas e aos questionamentos. Então, como querem eles que as bases do Islão vacilem hoje perante uma provocação fútil?

Quanto à outra ignorância, ela é ainda mais grave. Será que esses muçulmanos ignoram que a liberdade de expressão mais total constitui um edifício comum a todos os pensamentos, construído por todas as convicções, mesmo as mais contraditórias e inassimiláveis? Cada qual tem o direito de cidadania, seja ele bonito ou feio, louco ousábio, provocador ou responsável. Será necessário recordar que é graças a essa mesma liberdade de expressão que o próprio Islão pode erguer a sua voz nos países democráticos? Que impede um muçulmano, em França ou em qualquer outro local da Europa, de propor os seus valores? Que entrava um crente que pretende publicar as suas convicções? Não é permitido a todos os cidadãos, muçulmanos inclusive, criticar qualquer projecto ou promover qualquer acção? No momento em que o Islão não tem «boa imprensa» no Ocidente, é graças a essa mesma liberdade que nós, muçulmanos, nos podemos defender plenamente.

O meu espanto é grande quando vejo que toda uma mobilização diplomática, inédita na história dos países muçulmanos, se põe em andamento para pressionar os chefes de Estado e de governo com o objectivo de conseguir as suas desculpas e a sua «mea culpa». Contudo, esses mesmos governantes e esses mesmos chefes de Estado nunca estiveram um só dia ao abrigo da sátira mais feroz e da caricatura mais cáustica.

Quando certos Estados árabes boicotam diplomatica e economicamente a Dinamarca, país calmo e pacífico, que pensar da sua docilidade face aos Estados Unidos a quem infelizmente se oferecem, de punhos atados?

Quanto ao apoio do rabinato e da Igreja de França, ele só pode suscitar os agradecimentos vivos e sinceros dos muçulmanos pela expressão dessa solidariedade. Mas gostaríamos de a ter também para os homens e as mulheres da Palestina, do Iraque, da Tchetchénia e de outros locais, privados dos seus direitos fundamentais e vítimas de atentado à sua dignidade.

O verdadeiro debate está noutro lado. Trata-se, de facto, da justaposição de dois direitos absolutos : o direito a ter convicções religiosas que sejam completamente respeitadas e que não sejam fustigadas ou estigmatizadas, e o direito a exprimir-se a qualquer momento, designadamente para comentar ou criticar projectos sociais concretos e acções políticas palpáveis.

Quanto à convicção íntima ou metafísica das pessoas, não sei se ela é do domínio da liberdade de expressão. Reflictamos !

por Soheib Bencheikh – Teólogo, antigo mufti (3) de Marselha, é director do Institut Supérieur des Sciences Islamiques (ISSI) [ Instituto Superior de Ciências Islâmicas].

(1) UOIFUnion des Organizations Islamiques de France [ União das Organizações Islâmicas deFrança ].

(2) O adjectivo "élyséiesques" do texto original é formado a partir de "Élisée" – "Palais de l’Elysée" [ Palácio do Eliseu ] – onde o governo francês está sedeado.

(3) Intérprete da Lei muçulmana.

P.S. – Agradeço ao Luis Mateus da Associação República e Laicidade a cedência, tradução e notas do texto acima publicado. Esta reflexão também foi publicada no Geosapiens.

sexta-feira, fevereiro 10, 2006


Foto: Kevin M. Tildsley

Boa noite
Bom fim-de-semana

A primeira

Recebemos hoje a primeira proposta ao Call for Papers que o Clube Loja de Ideias está a promover.
É do António Alvim (que, aparentemente, também faz outras propostas para outras localidades...).
A proposta não está seleccionada, apenas está apresentada. Agora vai ser «processada».
Foi a primeira, e queria partilhar isso com voçês.

Dos Outros

Call for papers

Railway Modernization:
The 19th and the 20th centuries – an historical perspective


Second International Conference of the Railway History Association (IRA) / Association Internationale d’Histoire des Chemins de Fer (AIHC), Lisbon (Portugal), November 27- 29, 2006

The International Railway History Association, the Centre for Portuguese Modern History and CP – Comboios de Portugal are very pleased to invite researchers in Railway History, Science and Technology History, Economic and Social History to our International conference.

Railway Modernization: an historical perspective of the 19th and 20th centuries

When the European Commission liberalized the railway trade, it also emphasised the importance of trans-European railroad modernization. This should enable to transfer part of the road transportation to the railway in order to allow an improvement of passengers and cargo flows. This policy also had the aim of reducing the pollution levels in Europe.

A compared historical research about railway modernization should be kept up with the modernization of European railway’s networks. Present day’s debates led us to assume the relevance of this subject as the main theme of the Lisbon conference: an exploration of the several modernization processes that took place throughout the history of railways.

How important were these improvement processes through the years? Which obstacles have intervened in the railway modernization? Some of the stages have still occurred during the 19th century or in the beginning of the 20th century. These were the cases of the changeover of type, size and material of railroad tracks, as well as the introduction of new signalling systems or traffic management. Other phases came about between the two World Wars, like the introduction of the Taylor’s model of management in the engines’ and carriages’ production and repairing, or the replacement of steam by diesel and electric power. More recent changes began to take place during the early 70’s when high-speed trains and cargo containers were introduced.

Technological innovation and the research that supported it derived from a range of teams who were integrated in different institutional environments. If we keep in mind the multiplicity of nationalities from which enterprises and technologies emerged from, it’s possible to recognize the relevance of studying technological transference, as well as the responsibility of the leading enterprises in innovations’ spreading. The role of those who were mediators in this process, such as engineers or qualified workers, is also a relevant topic for this theme.

The final date for proposals will be April 15th, 2006.

Proposals (max. one page) and a short CV should be sent to Magda Pinheiro, member of the Council of the Association.

The final decisions will be taken by the scientific committee of the Railway History Association (IRA) / Association Internationale d’Histoire des Chemins de Fer (AIHC) at the end of May.

Magda Pinheiro
Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa
Avenida das Forças Armadas
Edifício ISCTE
1649-026 Lisboa
Portugal

e-mail: cehcp@iscte.pt
Fax: +351 217903014

For more information visit our website: http://www.ffe.es/ai/index.htm

CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA PORTUGUESA
Ed. ISCTE – Avenida das Forças Armadas 1649-026 Lisboa
Tel: 21 790 30 94 Fax: 21 790 30 14 E-mail: cehcp@iscte.pt

Ainda na Liberdade

Sobre a «manif» de ontem na Embaixada da Dinamarca, aqui divulgada, e sobre a «resposta» do Ministro dos Negócios Estrangeiros, releio o que disse aqui, e mantenho: a Questão é a ligação entre a Teoria e a Prática. O Problema é como, quem e quando essa ligação deve ser feita.
Boa resposta, no entanto, a de Freitas do Amaral. Podia, talvez, ter abandonado o lado moral e «católico» neo-marcelista com que se apresenta por vezes. Afinal, também tenho a Liberdade de ser imoral? ou infiel? Não?

Manuela

Rui,
Bem sei que não foi com muitos promenores, mas já tinha aqui dito que novos colaboradores eram esperados.
(a Manuela tem 30 anos, trabalha na PT e vai se apresentar quando o tempo melhorar...)

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Pela liberdade de expressão

Subscrição:
Como uma liberdade

Um conjunto de cartoons satíricos sobre Maomé originalmente publicados num jornal dinamarquês e republicados pela generalidade da imprensa ocidental fizeram eclodir uma impressionante onda de violência em alguns países islâmicos. Um ódio que assemelha a algo de irracional, inflamado nas multidões de rua, transformando-se assim na representação de uma vaga de barbárie.

Numa democracia, as opiniões só existem na medida em que existe igualmente liberdade para as exprimir, divergir e criticar. Em cada momento histórico, há um determinado universo de valores que só é dominante porque os sujeitos sociais os partilham de uma forma comum e plural. Em regimes autoritários, esse consenso é forçado por via de uma estrutura repressiva que se impõe aos cidadãos. Na generalidade dos países islâmicos, uma religião é aliada desse aparelho coercivo.

Plasmando-se ao poder político, as simbologias criadas por uma leitura dessa religião geram as próprias condições de reprodução do autoritarismo. Actualmente, a incapacidade de articulação de um discurso moderado no interior do Islão transforma essa realidade num cenário particularmente crítico. Afirmá-lo é constatar algo que só um proselitismo feroz pode confundir com preconceito ou xenofobia, sobretudo quando isso é valorizar todos aqueles que no terreno não cedem ao cativeiro do fundamentalismo islâmico. Em condições sempre dramáticas, tantas vezes assumindo o exílio ou a morte contra fatwas assassinas.

Há, no Ocidente, quem queira conscientemente evitar abordar o essencial. Porque é absolutamente irrelevante se os cartoons são ou não ofensivos, se são ou não ‘despropositados’. Não há aí matéria de discussão. Todos os dias nos deparamos na imprensa com opiniões ofensivas e/ou despropositadas. Por isso é que são opiniões. Por isso é que são publicadas em páginas de jornais. Por isso é que lhes podemos contrapor argumentos sem medo. E é tudo isso que nos enriquece enquanto membros de uma comunidade democrática, com opiniões que são tantas vezes execráveis mas nunca atentatórias da integridade de quem delas discorda.

Em 1689, John Locke escrevia na sua Carta sobre a Tolerância que «a tolerância […] aplica-se ao exercício da liberdade, que não é licença para fazer tudo o que se deseja, mas o direito de obedecer à obrigação, essencial a cada homem, de realizar a sua natureza». Mais de três séculos depois, ainda se justifica uma violência cega como legítima reacção à ‘blasfémia’. Quem o faz, aceita regredir na capacidade de afirmar o princípio da diferença como o princípio inalienável da realização individual, seja ela minoritária ou não na sociedade em que se insere. Daí a separação formal entre Estado e igrejas nos países democráticos, permitindo uma volatilidade dos laços morais que será tanto maior quanto a sua relação com a diversidade das práticas, das vivências e dos costumes.

Após o 11 de Setembro de 2001, a generalidade das discussões sobre este tema estão viciadas entre o radicalismo bélico e o militantismo relativista. Este documento é por isso um contributo para explorar uma alternativa a essa dicotomia, subscrito por cidadãos e cidadãs com percursos distintos e filiações políticas muito diversas, à esquerda e à direita, com ou sem religião, que têm leituras por vezes opostas quanto ao terrorismo e à sua prevenção. Em comum têm porém a recusa na cedência de um conjunto de princípios que, no seu entender, poderão traduzir parte do património civilizacional ocidental. A começar pela liberdade de expressão, que pode e deve ser um valor universal.

Os apelos de governos europeus para a ‘responsabilidade’ no uso dessa liberdade de expressão são a metáfora de um complexo de culpa em relação a algum passado histórico do Ocidente que não pode ser esquecido. Mas que também não pode servir de intermediário a todas as leituras sobre o tempo presente. Qualquer vírgula colocada na liberdade de imprensa será um silêncio a mais. Pedir desculpa pela emissão de uma opinião livre publicada num jornal europeu será pedir desculpa pela Magna Carta, por Erasmo, por Voltaire, por Giordano Bruno, por Galileu, pelo laicismo, pela Revolução Francesa, por Darwin, pelo socialismo, pelo Iluminismo, pela Reforma, pelo feminismo. Porque tudo isso nos une na herança de um processo histórico que aparece agora criminalizado pela susceptibilidade de um dogma impositivo, incapaz de olhar o outro. Do mesmo modo que tudo isso nos separa daqueles que, sem concessões, reclamam uma superioridade civilizacional para a sua civilização. Qualquer que ela seja.

Os primeiros signatários,

Tiago Barbosa Ribeiro e Rui Bebiano Porto e Coimbra, 9/2/06
Subscrever aqui.

Pela liberdade de expressão

Comunicado-Convite
Na próxima 5ª feira, 9 de Fevereiro, pelas 15 horas, um grupo de cidadãos portugueses irá manifestar a sua solidariedade para com os cidadãos dinamarqueses (cartoonistas e não-cartoonistas), na Embaixada da Dinamarca, na Rua Castilho nº 14, em Lisboa. Convidamos desde já todos os concidadãos a participarem neste acto cívico em nome de uma pedra basilar da nossa existência: a liberdade de expressão.
Não nos move ódio ou ressentimento contra nenhuma religião ou causa. Mas não podemos aceitar que o medo domine a agenda do século XXI. Cidadãos livres, de um país livre que integra uma comunidade de Estados livres chamada União Europeia, publicaram num jornal privado desenhos cómicos. Não discutimos o direito de alguém a considerar esses desenhos de mau gosto. Não discutimos o direito de alguém a sentir-se ofendido. Mas consideramos inaceitável que um suposto ofendido se permita ameaçar, agredir e atentar contra a integridade física e o bom nome de quem apenas o ofendeu com palavras e desenhos num meio de comunicação livre. Não esqueçamos que a sátira — os romanos diziam mesmo "Satura quidem tota nostra est" — é um género particularmente querido a mais de dois milénios de cultura europeia, e que todas as ditaduras começam sempre por censurar os livros "de gosto duvidoso", "má moral", "blasfemos", "ofensivos à moral e aos bons costumes".
Apelamos ainda ao governo da república portuguesa para que se solidarize com um país europeu que partilha connosco um projecto de união que, a par do progresso económico, pretende assegurar aos seus membros, Estados e Cidadãos, a liberdade de expressão e os valores democráticos a que sentimos ter direito. Pela liberdade de expressão, nos subscrevemos
Rui Zink; Manuel João Ramos; Luísa Jacobetty
Eu apoio a iniciativa. Não sei se me vai ser possivel ir, mas apoio sempre!

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

A mudança de estratégia


EUA adaptam estrutura militar à "longa guerra" do século XXI
06.02.2006 - 10h44
Rita SizaPÚBLICO

O secretário de Estado da Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, apresenta hoje ao Congresso a estratégia do Pentágono para os próximos anos. O rascunho do plano, originalmente destinado a adaptar a estrutura militar americana a combater a "longa guerra" do século XXI, está a ser recebido com desilusão pelos comentadores, que têm contestado a reduzida ambição e novidade das medidas propostas.
O plano do Pentágono baseia-se nas conclusões da "Revisão Quadrianual da Defesa" (QDR, na sigla americana), um documento estratégico que sistematicamente avalia a estrutura militar dos EUA, aponta as suas necessidades de organização e equipamento e perspectiva as políticas e operações futuras.

Após nos bombardearem com a guerra preemptiva, das armas de destruição maciça inexistentes, agora é a longa guerra do séc. XXI. Ah, kissinger, volta que estás aperdoado, que o sr. Donald Rumsfeld parece um pouco perdido.

"Esta semana não pode haver nenhuma crise, a minha agenda já está cheia"
Henry kissinger

Já agora

E se apresentassem as pessoas... Boa???

A Dança está a mudar em Portugal!!!



A verdade é que a dança está mesmo a mudar em Portugal!
Calculo que todos se lembrem do episódio recente de extinção do Ballet Gulbenkian, por parte do Conselho de Administração desta Fundação. No entanto, alguns destes bailarinos decidiram formar uma companhia – a Lisboa Ballet Contemporâneo (LBC) – e estiveram no Teatro Camões, entre 2 e 4 de Fevereiro, a apresentar um espectáculo dividido em 4 partes, 4 bailados, dois deles “Eu … Veronika?” e “Dreamland”, estreias mundiais.
Em termos de autonomia, esta Companhia afirma-se agora como companhia de reportório, de ballet contemporâneo, sendo que a Direcção Artística está a cargo do bailarino e coreógrafo Benvindo Fonseca (português, de origem moçambicana).
Assim, sábado à noite, lá estava eu, à espera de passar um serão agradável, sabendo, desde logo, que apesar de o ballet contemporâneo não ser o meu preferido, iria certamente ser surpreendida pela qualidade a que o Teatro Camões já me habituou, bem como, desejosa de ver estes bailarinos dançar.
Com o instinto quase animal a pulsar nas veias e nos corpos dos bailarinos, inicia-se “Eu … Veronika?” (coreografado por Gagik Ismailian, português de origem arménia) (sorte a minha que li o livro do Paulo Coelho e pude compreender a história por detrás da coreografia), com o tom depressivo e tresloucado presente muitas vezes nos espectáculos de ballet contemporâneo, mas que, neste caso, consegui absorver, pois conheço Veronika.
Seguiram-se os outros 3 bailados, com a qualidade dos cenários e da iluminação que os técnicos do Teatro Camões nunca descuram. Os bailarinos, dançando, com a precisão exacta do movimento contemporâneo baseado nas posições clássicas (fundamental), sempre no tempo, sempre no som mutante, que este tipo de ballet nos oferece.
Apesar de ter o costume de ver espectáculos de ballet clássico, já tinha visto alguns outros, de contemporâneo. E aqui estabeleço uma importante distinção, talvez não conceptualmente correcta, mas certamente perceptível: é que o ballet contemporâneo, como outros tipos de ballet, funda-se nas posturas e no rigor do clássico, sendo aquele adaptado às manifestações necessárias para “dançar os tempos de hoje”. O mesmo já não se pode dizer da dança contemporânea, que costuma mostrar-nos contemporâneo puro, normalmente acompanhado com um grande nível de abstracção que, por vezes, pode deixar o público insatisfeito, pelo menos, aqueles que estão habituados a assistir a bailados de qualidade. Não que não possa existir a coreografia apenas por ela mesma, e um grande exemplo, no clássico, é o caso de “Serenade”, de George Balanchine, que nos deixa em deleite e em harmonia com puras demonstrações de técnica e coreografia. Ou seja, nem sempre tem que existir “história”, ou mesmo uma história criada no campo da abstracção para haver dança; mas o público tem que perceber o que lhe está a ser transmitido e gostar e os bailarinos têm que ser, evidentemente, bons. E foi isso que eu senti ao ver a LBC, profissionais da dança que não esperaram que uma Fundação resolvesse a sua continuidade e que têm um grau de rigor técnico e artístico muito elevado; que me surpreenderam pelo seu amor à Dança, uma das mais sublimes (e muito importante em termos culturais, tanto ao nível da diversificação, como da complementaridade existente nos vários registos coreográficos, mas essencialmente porque é uma forma de explicar os dilemas das sociedades contemporâneas) manifestações de Arte.
A sala do Teatro Camões encheu, como, aliás, é usual. A CNB, companhia residente, recebeu a LBC, tal como tem vindo a fazer com outras companhias. Por entre o público, algumas caras já conhecidas dos habituées do Teatro, tanto “velhos” como “novos”; mas um público decisivamente mais jovem!
E assim foi, na mística da névoa, dos cheiros, dos registos musicais, que compreendi que Veronika vive porque sai do vazio que era ela, ficando sem saber quem é Veronika, afinal, mas sabendo que Veronika existe, e por isso não tem que morrer! Este bailado acaba quando ela sai do seu nada.
Depois de "Renacê", uma possante demonstração de Benvindo Fonseca, segue-se a estreia de "Dreamland", coreografado por Barbara Griggi (italiana, ex-bailarina e coreógrafa do Ballet Gulbenkian) que nos remete para outro registo de dança, mais teatral, ao som de Tom Waits.
Por fim, "Castañeda" (coreografado por Benvindo Fonseca), tira-nos completamente da depressão e da loucura de Veronika, do grandioso Renacê, qual Ravel e até do Bizarro engraçado que é “Dreamland”, e oferece-nos um bailado alegre, dedicado ao amor, à sua busca, à não resistência à felicidade, por mais que nos atinja o infortúnio, cheio de cor e sorrisos na expressão dos bailarinos. O misticismo da dança, mais uma vez nos arrebata, neste bailado carregado de emoções e de referências, quer ao ballet clássico (sempre base de trabalho), quer ao ballet flamenco, onde se mistura a cultura hispânica e árabe. A sedução da guitarra flamenca toca-nos o coração enquanto os bailarinos fazem pequenos sapateados (se bem que, sobre um chão de linóleo nem as melhores botas trazidas de Sevilla se conseguem fazer ouvir). O traço contemporâneo sempre presente, mas agora sobre o flamenco, com sucessivas “voltas quebradas” perfeitamente executadas. Um maravilhoso misturar de cores e cheiros, transporta-nos a um pas de deux em que um enorme candeeiro árabe é balançado de um bailarino para outro, tal as badaladas do tempo que passa, enquanto os bailarinos perfeitamente posicionados em palco dançam ao seu redor. Termina com alegria, esperança, rodopiando agora vários pares em torno deste candeeiro, não o deixando parar, momento precioso da demonstração da busca de vida e de alegria, que nunca deverá abandonar qualquer ser humano.

Andromeda

Reflexões sobre arte

“A arte é apenas e simplesmente a expressão de uma emoção. Um grito, uma simples carta pertencem um à arte de cantar, à literatura a outra, inevitavelmente.
O próprio gesto é artístico segundo é ou não interpretação de uma emoção. Porque no gesto há um fim do gesto e a expressão desse fim. Uma cousa reporta-se à vontade, a outra à emoção. Elegância ou deselegância de um gesto significam conformidade ou não conformidade com a emoção que exprime. Assim uma estátua da dor é a fixação dos gestos que mostram a dor – e será tanto mais bela quanto mais justa exactamente representar por esses gestos a emoção da dor, quanto mais adaptados em tudo forem esses gestos ao mostrar essa emoção.
1. A arte é a notação nítida de uma impressão errada (falsa). (À notação nítida de uma impressão exacta chama-se ciência.)
2. O processo artístico é relatar essa impressão falsa, de modo que pareça absolutamente natural e verdadeira. (…)

As emoções e os desejos são manchas de humanidade que têm de ser tiradas da alma quando ela procura a atitude científica.

A sensação estética pode tornar-se uma ciência; e a originalidade cultivada como uma disciplina.

A sinceridade é o grande obstáculo que o artista tem a vencer. Só uma longa disciplina, uma aprendizagem de não sentir senão literariamente as cousas, podem levar o espírito a esta culminância.

- Só a Arte é útil. Crenças, exércitos, impérios, atitudes – tudo isso passa. Só a arte fica, por isso só a arte vê-se, porque dura.

O valor de uma obra de arte é tanto maior quanto é puramente artístico o meio de manifestar a ideia.

Todo o material da arte repousa sobre uma abstracção: a escultura, p. ex., desdenha o movimento e a cor; a pintura desdenha a 3.ª dimensão e o movimento portanto; a música desdenha tudo quanto não seja o som; a poesia baseia-se na palavra, que é a abstracção suprema, e por essência, porque não conserva nada do mundo exterior, porque o som – acessório da palavra – não tem valor senão associado – por impercebida que seja essa associação.A arte, portanto, tendo sempre por base uma abstracção da realidade, tenta reaver a realidade idealizando. Na proporção da abstracção do seu material está a proporção em que é preciso idealizar. E a arte em que mais é preciso idealizar é a maior das artes.

Se a obra de arte proviesse da intenção de fazê-la, podia ser produto da vontade. Como não provém, só pode ser, essencialmente, produto do instinto; pois que instinto e vontade são as únicas duas qualidades que operam.A obra de arte é, portanto, uma produção do instinto. O drama, sendo primariamente uma obra de arte, é-o também.

O valor essencial da arte está em ela ser o indício da passagem do homem no mundo, o resumo da sua experiência emotiva dele; e, como é pela emoção, e pelo pensamento que a emoção provoca, que o homem mais realmente vive na terra, a sua verdadeira experiência, regista-a ele nos fastos das suas emoções e não na crónica do seu pensamento científico, ou nas histórias dos seus regentes e dos seus donos [?].Com a ciência buscamos compreender o mundo que habitamos, mas para nos utilizarmos dele; porque o prazer ou ânsia só da compreensão, tendo de ser gerais, levam à metafísica, que é já uma arte.Deixamos a nossa arte escrita para guia da experiência dos vindouros, e encaminhamento plausível das suas emoções. É a arte, e não a história, que é a mestra da vida.

Quem escreve para obter o supérfluo como se escrevesse para obter o necessário, escreve ainda pior do que se para obter apenas o necessário escrevesse.

Porque a arte dá-nos, não a vida com beleza, que, porque é a vida, passa, mas a beleza com vida, que, como é beleza, não pode perecer.A cada conceito da vida cabe não só uma metafísica, mas também uma moral. O que o metafísico não faz porque é falso, e o moralista não faz porque é mau, o esteta não faz porque é feio.”

Fernando Pessoa

Nós

Esta é a nossa posição:
Portugal lamenta e discorda da publicação de desenhos e/ou caricaturas que ofendem as crenças ou a sensibilidade religiosa dos povos muçulmanos.
A liberdade de expressão, como aliás todas as liberdades, tem como principal limite o dever de respeitar as liberdades e direitos dos outros.
Entre essas outras liberdades e direitos a respeitar está, manifestamente, a liberdade religiosa – que compreende o direito de ter ou não ter religião e, tendo religião, o direito de ver respeitados os símbolos fundamentais da religião que se professa.
Para os católicos esses símbolos são as figuras de Cristo e da sua Mãe, a Virgem Maria. Para os muçulmanos um dos principais símbolos é a figura do Profeta Maomé.
Todos os que professam essas religiões têm direito a que tais símbolos e figuras sejam respeitados. A liberdade sem limites não é liberdade, mas licenciosidade.
O que se passou recentemente nesta matéria em alguns países europeus é lamentável porque incita a uma inaceitável “guerra de religiões” – ainda por cima sabendo-se que as três religiões monoteístas (cristã, muçulmana e hebraica) descendem todas do mesmo profeta, Abraão.
Diogo Freitas do Amaral
Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros

Divulgação

Obrigado.

Ao Adufe.

Ao Geosapiens

Já só falta o Abrupto...

terça-feira, fevereiro 07, 2006

Family tree shows our common ancestor lived just 3,500 years ago.

The person from whom everyone today is descended may have lived around 1,500 BC.
The most recent common ancestor of all humanity lived just a few thousand years ago, according to a computer model of our family tree. Researchers have calculated that the mystery person, from whom everyone alive today is directly descended, probably lived around 1,500 BC in eastern Asia.
Douglas Rohde of the Massachusetts Institute of Technology in Cambridge and his colleagues devised the computer program to simulate the migration and breeding of humans across the world. By estimating how different groups intermingle, the researchers built up a picture of how tightly the world's ancestral lines are linked.
The figure of 1,500 BC might sound surprisingly recent. But think how wide your own family tree would be if you extended it back that far. Lurking somewhere in your many hundreds of ancestors at that date is likely to be somebody who crops up in the corresponding family tree for anyone alive in 2004.
In fact, if it were not for the fact that oceans helped to keep populations apart, the human race would have mingled even more freely, the researchers argue. "The most recent common ancestor for a randomly mating population would have lived in the very recent past," they write in this week's Nature1.

Tinham-me mandado este mail há um tempo, o artigo é de Outubro de 2004, mas achei engraçado que, numa altura em que as nossas divergências culturais andam a dar que falar, outros se preocupem em tentar mostrar o quão próximos somos uns dos outros.
O que é que dizias sobre a verdade, Zé? De que lado é que está?

Para quem quiser ler o artigo, aqui vai o link

Amordaçado

Quero gritar e não posso,
Quero ser ouvido e não me deixam,
Estão a colocar-me num fosso,
Mas eu vou lutar enquanto não me fecham.

Encurralado pela demagogia,
Assombrado pela hipocrisia,
Tudo se perde, conquista-me a desmotivação,
Percorro um limbo na verdade da razão...

Envolvido em mil tramas,
Que mais parecem uma ficção,
Actores verdadeiros aos quais lhes fazem as camas,
E nelas os obrigam a deitar-se, sem condição.

Uma solução procuramos,
Mas resposta não encontramos,
Chega a altura de indagar,
Se neste lugar queremos estar.

A responsabilidade chama à atenção,
Abandonar agora é ser cobarde, não quero fugir,
Acredito… Sou de lutas, de acção,
Enfrento aqueles que me querem fazer sentir…

O final desta ficção traduz uma verdade,
A cruel imagem da nossa humilde sociedade,
Resta-nos continuar a guerrear,
Para podermos continuar a Sonhar…

Alex Dias

A liberdade da Clarinha




Muitos intelectuais que berram sobre a liberdade de expressão, ainda não perceberam que o mundo mudou. É engraçado ver a Clara Ferreria Alves no programa Eixo do Mal, a espernear muito agastada porque o escritor francês Michel Houellebecq teve que abandonar Paris, após ter afirmado e escrito que a religião muçulmana era a mais estúpida de todas e justificar porquê. Clara, até chega a colocar a questão “Ou eles os bárbaros, ou nós, os civilizados”. Dá para perguntar eles quem e nós quem, pois aqueles tugas que apanham a buba e dão porrada na mulher, também pertencem ao clube dos “civilizados”?

Ai Clara, coitadinho do Michel, que pena! Teve que dar de frosques de Paris, deixar os clubes de swing e as putas de Pigalle? Não faz mal, de certeza que vai encontrar conforto numa qualquer casa de massagens em Banguecoque, como ele tão bem sabe. E depois, poderá escrever também que as mulheres europeias não sabem tratar de um homem, como afirma em plataforma, provavelmente o seu romance mais famoso.
Ó Clara, caguei pró gajo! Até porque se algum judeu, árabe, negro ou cigano decidir abordar pelo diálogo uma claque de futebol em fúria, orgulhosa das suas suásticas e cânticos racistas, no mínimo é capaz de ser espancado, entre outros mimos.
É preciso diferenciar liberdade de provocação, e as intenções de Houellebecq não eram assim tão inocentes, para além do momento não ser o mais oportuno.

Tais como a do jornal dinamarquês que tentou esticar a corda. Ou do iluminado director do Le Soir, a tentar aumentar as vendas de um jornal em declínio, ou do cada vez mais centro direita El País, com os espanhóis feridos no seu orgulho após o 11 de Março.

É verdade que há manipulação por parte das autoridades do mundo árabe e um claro incentivo à violência, que tem sido excessiva. Tal como foi a reacção dos negros em LA na década de 90 quando Rodney King foi espancado por 4 polícias brancos. Excessiva seria brando para justificar a horripilante cena do camionista branco, pontapeado quase até há morte, simplesmente porque… era branco!

Esta é pois a falta de bom senso que as populações em fúria têm, quando decidem aderir a uma onda de protesto violenta, porque já não têm nada a perder e há um acontecimento público que aglutina essa fúria, que serve para canalizar a frustração e marcar um alvo a abater. A Dinamarca passou a ser o alvo e ser loiro nestes dias no médio oriente, é perigoso. Essa foi a consequência da tal liberdade de expressão, que não podia ser calada, amordaçada ou refreada.
Falemos então um pouco mais dela, com bom senso e não apenas para manifestar uma arrogante vontade de provocar.

Esta questão dos cartoons não é tão inocente como parece. Quantas pressões é que todos os dias qualquer director de jornal não sofre de ministros, empresários, lobbys, partidos políticos, associações e outras máfias, para não publicar a matéria a,b,c. ? Todos os dias, por essa Europa fora isso acontece. Na Europa e no mundo. Em Angola, por exemplo, a polícia política comprou recentemente, (quando não roubou os ardinas) quase toda a edição de um jornal crítico do governo para evitar um escândalo político.

A questão é que nós, “os civilizados” da Europa, não vamos permitir que alguns árabes, “os bárbaros”, nos ameacem ou condicionem, cá dentro. Isso não. Não podemos admitir essa merda! Que abuso é esse? Permitir que terceiro mundistas venham cá arrotar postas de pescada, ainda que nós façamos o mesmo com os seus governos.

Por exemplo, o Hamas ganhou e ainda nem sequer foi empossado como governo e já a União Europeia ameaçava, que ou reconhecem Israel ou acabam os subsídios. Pessoalmente parece-me bem, mais do que razoável para poder haver paz. Penso que a generalidade das pessoas concordará comigo, mas será que os árabes pensam o mesmo que nós? E será que não se indignam também por a EU mandar na festa e não só na Palestina? Tal como nós, os “bárbaros” também sentem, pensam e têm orgulho.

Por vezes dá sempre jeito puxarmos dos nossos galões de europeus, fazendo valer toda a cartilha da liberdade e do código deontológico para justificar uma atitude, que tem mais de susceptibilidade pessoal do que propriamente de acção profissional.

Noutro contexto, esses princípios são os mesmos que o jornalista enfia na gaveta automaticamente, sem dó nem piedade, quando o chefe de redacção o chama à pedra porque fulano, que é dono do jornal, telefonou para não publicarem o artigo X, que é contra o seu amigo Y. E esta, é que é a “LIBERDADE DE EXPRESSÃO” dos jornais, cada vez mais condicionada pelos interesses económicos, pois como tudo, os jornais são empresas. E lá por terem alguns objectivos sociais e culturais, têm de dar lucro, pois há salários e custos que pagar, e publicidade para atrair. Senão, fecham!

Já há muito que ninguém é independente, como nos querem fazer crer (excepção feita talvez para alguns sites pessoais), mas nunca rádios, jornais ou canais televisivos. A história do jornalista herói é treta, e a do jornalista justiceiro, é pior ainda. Em boa hora os espanhóis afastaram Manuela Moura Guedes.

Mas, já agora onde estava a liberdade de expressão dos jornais norte americanos após o 11 de Setembro? Provavelmente adormecida, pois ninguém falava contra a guerra, Bush ou Guantánamo. O Post, o Times, nada. Ninguém. Unidos em prol de um desígnio nacional que contagiou toda a gente numa espécie de histeria colectiva ao longo de meses, com os fantasmas do terrorismo a toldarem por completo qualquer reflexão crítica séria. Houve excepções de mentes lúcidas, como Gore Vidal ou Chomsky, porém esperava-se muito mais da maior sociedade de informação do mundo, onde se pratica a tal liberdade de expressão.

Isto para nem falar do recente escândalo do Google na China.

Sou jornalista e já vivi e assisti a alguns episódios sobre a liberdade de expressão. Há seis anos, quando estava na Exame, a revista publicou uma história sobre as dificuldades económicas do grupo Jerónimo Martins. Como represália foi banida dos supermercados Pingo Doce até hoje, que pertencem ao mesmo grupo. Onde estava o cartoon de protesto?

O meu pai sempre me dizia que "a tua liberdade acaba onde começa a dos outros". Se calhar tinha razão.

N’Dalo Rocha

Recordamos


«Call for Papers»

«A reforma do sistema eleitoral português
(para a Assembleia da República)»

O Clube «Loja de Ideias» convida os interessados a submeterem propostas de comunicação sobre a «reforma do sistema eleitoral português (para a Assembleia da República)»; encorajando para o efeito novos investigadores, mestrandos, doutorandos e todos aqueles que, julgando ser possível melhorar o actual sistema, visualizem as suas soluções em forma de proposta concreta.

As propostas seleccionadas serão apresentadas publicamente, na Biblioteca-Museu República e Resistência, em Lisboa, nos dias 1 e 2 de Junho 2006.

Comissão Científica
André Freire (ISCTE)
Andrès Malamud (CIES-ISCTE)
Carlos Jalali (U Aveiro)
Jorge Migueis (STAPE)
Jorge Miranda (FDL-UL)
Manuel Meirinho Martins (ISCSP)
Marina Costa Lobo (ICS-UL)
Pedro Magalhães (ICS-UL)
Pedro Tavares de Almeida (FCSH-UNL)

Comissão Organizadora
Clube «Loja de Ideias»:
Diogo Moreira
José Reis Santos

Data limite de entrega de propostas: 7 de Abril de 2006.

As propostas:
# Não devem ultrapassar os 30000 caracteres, em letra corpo 12, com espaçamento duplo.
# Devem-se fazer acompanhar por um sumário de 2 páginas.
# Incluir CV resumido + contactos: telefone e e-mail.

Envio de propostas: Clube «Loja de Ideias»lojadeideias@gmail.com

Apresentação de resultados: 19 de Maio de 2006.

Júri avaliador:
Comissão Científica e Comissão Organizadora.

Informações:
Diogo Moreira – 96 2548876
José Reis Santos – 91 6665260

O Clube «Loja de Ideias» apresenta-se como uma iniciativa não partidária e não ideológica e tem como objectivos contribuir para a construção de novos espaços de debate e intervenção política, fora dos círculos institucionais, visando uma melhor articulação entre a sociedade civil e a sociedade política e partidária. Em suma, ambiciona acrescentar planos interpretativos que possam contribuir para melhorar a definição de espaços públicos, partindo do estudo das relações de quem neles intervêm e procurando aperfeiçoar a relação entre o cidadão e a Cidade.

Pesquisar neste blogue