quarta-feira, agosto 20, 2008

Ecos (revisto)

Vi no Arrastão (e pelo cantigueiro) que o Metropolitano de Lisboa está a destruir os azulejos de Maria Keil em várias estações de Metro. Não tenho mais promenores sobre o caso, mas, a confirmar-se o descrito, entendo que se trata de um atentado patromonial de alta gravidade.
Pare existirmos hoje temos de nos lembrar do que fomos ontem. Não dá para sistematicamente destruirmos o nosso património colectivo em prol de um qualquer presente a-histórico onde tudo é possivel e justificável.




2 comentários:

Rui Pedro Nascimento disse...

Não queres rever o texto que escreveste? Para ver se se percebe o sentido da coisa...

Rui Pedro Nascimento disse...

Assim sim!

Pesquisar neste blogue