quinta-feira, outubro 29, 2009

PS CPC Oeiras rejeita quaisquer acordos políticos com Isaltino

Ontem foi noite de Comissão Política em Oeiras. A primeira desde os dois últimos actos eleitorais, que dominaram a discussão política, nomeadamente o último. A análise dos resultados eleitorais, que valeram ao PS uma subida de votação e de mandatos em todos os órgãos, com especial destaque para a vitória da freguesia da Cruz-Quebrada, pelo Paulo Freitas do Amaral, ocuparam as cerca de 5 (cinco) horas que a reunião demorou, bem como o que fazer no mandato que agora começa.

E se a discussão sobre os resultados eleitorais foi extremamente interessante, pois houve desde quem defendesse que o PS teve uma "estrondosa derrota" a que se regozijasse pela "fantástica vitória", o sentimento geral era de que se havia invertido o ciclo descendente do PS no concelho que nos afirmámos como a alternativa clara ao IOMAF (Isaltino, Oeiras Mais à Frente) e a maior força partidária do concelho, o que realmente me deixou realmente feliz com a reunião de ontem foi a moção apresentada pelo Presidente da Comissão Politica Concelhia, em nome do secretariado.

Esta moção rejeita qualquer acordo político com o IOMAF, assumindo assim o PS o papel que os eleitores claramente demonstraram em urna querer para o PS, liderando a oposição e ser a principal força alternativa àqueles que, mais uma vez, detêm o poder.

A moção aprovada ontem (já hoje, por volta das 01h30m) após considerações várias conclui assim:

"(...) a Comissão Política Concelhia de Oeiras do Partido Socialista delibera, como orientação política, em consonância com os compromissos políticos fundamentais da nossa candidatura, confirmar a sua posição como principal força alternativa em Oeiras e rejeitar quaisquer acordos políticos com o movimento independente «Isaltino, Oeiras mais à frente»,, incluindo assunção de pelouros na vereação, assembleia municipal, executivos das juntas, ou a nomeação de qualquer militante do PS para administrações de empresas municipais, intermunicipais, associações, fundações ou empresas participadas, assim como qualquer função de confiança política do executivo camarário."


Esta moção foi APROVADA POR UNANIMIDADE E ACLAMAÇÃO.

3 comentários:

Pedro Sá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Sá disse...

De facto só depois de ler isto é que tive consciência de que foram CINCO horas de reunião.

A qual espero que tenha sido mais um passo num caminho agregador para o futuro.

Rui Pedro Nascimento disse...

Nunca deixou de ser agregador. A vida interna é a vida interna, para fora sempre fomos e garantidamente seremos agregadores.

Internamente... "a ver vamos, como diria o cego" :)

Pesquisar neste blogue