terça-feira, julho 27, 2010

Freeport - Corruptores sem corrompidos

Balança que se quer de Justiça
Se há coisa que a Justiça Portuguesa é, é cega! Mas é cega no "pior" sentido da palavra, e não no sentido que se deseja atribuir à justiça.


Está-se mesmo a ver que o caso, nos tribunais, só vai servir para perder tempo. Senhores investigadores, um corruptor, para o ser, tem de corromper alguém. Se não houver corrompido, não há corruptor nem corrupção.

Desculpem, mas não consigo imaginar que o seguinte monólogo ocorra: "Eh, pá! Toma lá X M€ para aprovares esta cena. 'Tás m'ouvir? Onde estás tu? Quem és? Para onde mando o dinheiro?"

É que se alguém ficou com o dinheiro e não corrompido, só pode ser desvio de fundos, abuso de confiança (os juristas que arranjem a acusação mais acertada) mas nunca corrupção.

Mas, nos tempos que correm, não é nada que surpreenda!
[Adenda]
Afinal os dois acusados foram-no de extorsão e não de corrupção. Pelo menos neste caso, a justiça "abriu os olhos"!

2 comentários:

happy disse...

Smith e Pedro foram acusados do crime de extorsão e não de corrupção.

Extorsão porque, segundo a acusação, inventaram a história dos pagamentos ilícitos para “sacar” o máximo de dinheiro possível aos ingleses

Rui Pedro Nascimento disse...

Tem razão. Mas este post foi escrito segundo as notícias de ontem de manhã (27-07-2010) e o que corria é que seriam acusados de corrupção. Vou colocar uma adenda, para não haver confusões

Pesquisar neste blogue