sábado, junho 25, 2011

Para quando chamaremos Passos de aldrabão e mentiroso?

 

Passos Coelho pediu a alteração dos bilhetes de viagem para Bruxelas. Em vez de ir, como é habitual, em classe executiva, o primeiro-ministro e os responsáveis que o acompanham, vão em classe económica.


A imprensa noticia que Pedro Passos Coelho viajou hoje para Bruxelas em classe económica. A poupança nesta viagem terá sido de 2.265 euros, nos cinco bilhetes emitidos, 

 

Sócrates terminou o seu segundo mandato a ser apelidado de aldrabão e mentiroso por cada vez que as acções do seu Governo, (ou do Estado, ou do Universo em geral) não correspondiam exactamente àquilo que os seus inimigos percepcionavam que tinha sido afirmado, ou indicado, pelo próprio.

 

A expressão mais grosseira, do ponto de vista fonético entenda-se, era o "Pinócrates".

 

Aguarda-se então quanto tempo demorará Passos a ser acusado de aldrabão e mentiroso, e sobretudo se irá possuir uma alcunha mais refinada do ponto de vista fonético.

 

 

 

segunda-feira, junho 20, 2011

Narciso Miranda

Vendo a entrevista de Narciso Miranda ao Manuel Luis Goucha na TVI24, pergunto-me se não será possível voltar a integrá-lo no Novo Ciclo do PS.



quarta-feira, junho 15, 2011

A cada dia que passa, Assis demonstra a sua impreparação para líder do PS

Francisco Assis disse à saída de uma reunião com Cavaco Silva que o PS não iria recorrer para o Tribunal Constitucional. Mas os socialistas Paulo Pisco e José Lello defenderam o contrário.

Apesar de os socialistas Paulo Pisco e José Lello terem garantido esta manhã que o PS iria recorrer para o Tribunal Constitucional (TC) com o pedido de impugnação dos votos do Rio de Janeiro por alegada fraude eleitoral, Francisco Assis contrariou à saída de um encontro com Cavaco Silva estas declarações.

"Pela nossa parte não haverá atrasos à formação de um novo Governo no País. Vamos apresentar um protesto junto da mesa da assembleia eleitoral, mas já anunciámos a intenção de não avançar com nenhum recurso para o Tribunal Constitucional", anunciou Francisco Assis, em declarações aos jornalistas no final de uma audiência com o Presidente da República.

O dirigente socialista José Lello reafirmou que o PS vai recorrer ao Tribunal Constitucional na impugnação dos votos do Rio de Janeiro, justificando que a confusão se ficou a dever a "uma deficiência no cruzamento de informações"

Apologia da Fraude Eleitoral

O PS parece apostado em tudo fazer para atrasar a tomada de posse do novo Governo. Pias declarações à parte, um incidente insignificante no Brasil serve de pretexto para que a lógica socratista prossiga em todo o seu esplendor. Hoje mesmo, após a apresentação de um protesto o socialista Paulo Pisco ameaçou: “ se a decisão não for favorável às pretensões do PS será entregue um recurso ao Tribunal Constitucional” (Carlos Abreu Amorim).

É um dever inalienável de todos os candidatos a eleições submeterem recursos de decisões de mesas de apuramento eleitoral para o Tribunal Constitucional. Caso contrário, seria a presidência dessas mesas a determinar o resultado eleitoral.

Só com esse direito de recurso se pode afirmar que as eleições são livres, competitivas e justas, ou seja só assim há democracia no nosso país.

Carlos Abreu Amorim sabe isso melhor que muitos. No entanto ignora-o a troco de meter mais umas farpas sobre Sócrates e o PS, apesar do PSD já ter ganho as eleições e ser governo.

O ódio é tramado...

A falta de cultura democrática

Segundo o Carlos Abreu Amorim, o facto de haver votos que podem ter sido alterados ou adulterados, numa eleição, não é importante.

A democracia, para estes senhores, chateia...

Um dia a mística do Benfica voltará

quarta-feira, junho 01, 2011

Liberdade de Expressão ou Falta de Educação?

É notícia, hoje, "um protesto em plena sala de almoço contra o encerramento de uma escola privada em Penafirme devido aos cortes de financiamento do Estado". Sem querer entrar em discussões sobre esta questão do privado que só tem lucro à conta do subsídio do estado, estes senhores também deviam de aprender a ter educação.
Não estou a falar da educação que se aprende nas escolas, mas da educação que se aprende na família. Uma das coisas que se aprende é que a nossa liberdade termina onde começa a dos outros.
Estes senhores têm todo o direito de se quererem manifestar. Têm todo o direito de preferirem a escola só para alguns, aqueles que conseguem pagar uma mensalidade elevada pelo ensino (que é somada ao subsídio pago por todos nós).
O que não têm o direito é de virem provocar para a "casa dos outros" e pensarem que esses outros ficam impávidos e serenos a ouvir estes energúmenos.

Claro que se olharmos para o folheto, percebemos qual a real intensão desta, digamos, gente. Manifestações sem qualquer intuito partidário (e é curioso ver a CDU ligada aos outros parceiros da troika).

Pesquisar neste blogue