sexta-feira, maio 10, 2013

Se nós fossemos um país a sério: Salário Zero

Se nós fossemos um país a sério, o Secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, já tinha sido demitido:

A resposta do secretário de Estado foi surpreendente. Explicou ele que o entendimento do Governo era o de que a Constituição só garante aos trabalhadores o direito à retribuição "quando eles têm trabalho". Ora, como os funcionários colocados em regime de mobilidade especial (agora chamado "regime de requalificação") não têm trabalho distribuído, visto que o Estado não lhes arranja colocação nos serviços, 

esses trabalhadores, mantendo embora o vínculo laboral ao Estado, perdem o "direito ao salário" e, ao fim de 18 meses de sucessivos cortes na retribuição, entram em licença forçada sem vencimento (a menos que "optem" pela rescisão)

. A não ser assim, acrescentou, 

os funcionários ficariam a receber uma "renda" (sic) sem qualquer justificação

. Eis aqui o fantástico racional deste raciocínio: o Governo acha que pode e deve tratar o salário destes trabalhadores como se fossem "rendas excessivas"."
Via Corporações

Salário Zero? Salário Zero? Alguém deveria avisar Hélder Rosalino que a Idade da Escravatura já acabou há algum tempo. 

sábado, maio 04, 2013

Triste previsão


A continuarmos com esta política louca de austeridade, nós vamos inevitavelmente sair do Euro.

E a maioria irá aplaudir essa decisão.


Pesquisar neste blogue